Publicidade

Estado de Minas

Bolsonaro culpa entressafra no campo pela alta da carne

Bolsonaro também falou sobre a alta dos combustíveis. Ele ressaltou que 'lobbies' e 'cartéis' contribuem para o aumento


postado em 09/12/2019 22:18

'Estamos em uma entressafra, vai diminuir esse preço', disse Bolsonaro(foto: Marcos Corrêa/PR)
'Estamos em uma entressafra, vai diminuir esse preço', disse Bolsonaro (foto: Marcos Corrêa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) disse durante live no Palácio do Planalto, nesta segunda-feira (9/12), que o preço da carne no mercado brasileiro ocorre por conta da "entressafra" e que os preços devem se auto regular. 
 
"Tô levando pancada sobre o preço da carne. Estamos em uma entressafra, vai diminuir esse preço, pessoal está investindo cada vez mais. Mas não é fácil você ser agricultor também", apontou.
“É natural nessa época do ano a carne subir por volta de 10%. Subiu um pouco mais, tendo em vista as exportações", disse o presidente.
 
Uma apresentação sobre a produção na área da pecuária foi feita por meio de slides pelo Ministério da Agricultura e contou ainda com a presença dos ministros Tereza Cristina (Agricultura), Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).
 
A ministra Tereza Cristina disse que o preço da carne é "temporário". "O senhor pode garantir à população que nós temos o maior rebanho comercial do mundo. Isso foi um período, uma seca, a entressafra do boi, mas a arroba já baixou para o produtor e agora o preço precisa baixar na gôndola", disse.
 
Ela anunciou que será editada nesta terça-feira (10/12) uma medida provisória que trata da regularização fundiária. "Na Amazônia, temos pequenos produtores, nós temos 600 mil produtores, pequenos agricultores, que precisamos colocar no mesmo patamar dessa agricultura produtiva que temos já em parte do Brasil. Esse é o seu desafio. Nós, amanhã, vamos lançar uma MP de regularização fundiária para montar a base para esse desenvolvimento. Sem isso não conseguirmos chegar nem na Amazônia, nem no Centro-oeste, nem no Nordeste nessa tecnologia e nessa agricultura sustentável", declarou. O texto deve ser assinado por Bolsonaro durante uma cerimônia no Palácio do Planalto.
 
Na mesma live, a diretora do Departamento de Produção Sustentável e Irrigação do Mapa, Mariane Crespolini Cargo, questionou as mudanças climáticas.
 
"Tem muito pesquisador bom, de credibilidade, que mostra que não existe. Mas o barulho que a opinião pública e alguns jornalistas estão fazendo é quase um Rock in Rio. Aí eu coloquei uma reflexão: se elas existem ou não, presidente, nós temos resultados para quem acredita. Então, o Brasil tem a solução para isso", disse.
 
Ao final, Bolsonaro falou sobre a alta dos combustíveis. Ele ressaltou que "lobbies" e "cartéis" contribuem para o aumento. "Questão dos combustíveis o pessoal tem falado muito. Pedi ao ministro das Minas e Energia, por exemplo, pegar um Estado, o Rio de janeiro, o meu Estado. Pega o preço da gasolina lá na refinaria e na bomba final e no meio do caminho quem está ganhando dinheiro. Tem lobbies, tem cartéis que não são fáceis. Muitas decisões passam pela agências reguladoras", emendou o chefe do Executivo.
 
"Pessoal estava criticando possível taxação do sol. Isso passa pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Elas (as agências) têm autonomia. Ponto final", declarou o presidente. Bolsonaro disse que, por não ter poder sobre as decisões das agências, o "governo não tem a força que o povo pensa que tem", concluiu. 


Publicidade