Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Petrobras reajusta gasolina


postado em 19/09/2019 04:00 / atualizado em 18/09/2019 22:03






Três dias após a disparada na cotação do petróleo no mercado internacional, a Petrobras anunciou ontem o reajuste nos preços dos combustíveis. De acordo com a estatal, os aumentos de 3,5% no litro da gasolina e de 4,2% no litro do diesel nas refinarias começam a valer hoje. Na segunda-feira, a petroleira havia informado que nenhuma alta ocorreria até que os valores no mercado externo tivessem se acomodado. Contudo, a atual elevação não foi explicada.

O preço do combustível cobrado pela Petrobras equivale a aproximadamente 30% do preço que o consumidor paga nas bombas ao abastecer com gasolina e 50% do diesel. Porém, o repasse depende da política de tarifação de cada posto.

No início da semana, especialistas ouvidos pelo Estado de Minas já avaliavam que chegariam ao bolso dos motorista os efeitos da crise provocada por ataques no fim semana a infraestruturas petroleiras na Arábia Saudita, que o governo dos Estados Unidos (EUA) atribuiu ao Irã, e que levaram ao corte de metade da produção do maior exportador mundial do óleo. Aposta era que os reflexos começariam a partir do final desta semana, mas o anunciou veio antes.

O ataque a unidades da petroleira Saudi Aramco, na Arábia Saudita teria sido equivalente ao atentado contra as torres gêmeas, nos Estados Unidos, em 11 de setembro de 2001, considerando-se o risco imposto ao mercado de petróleo, afirmou o diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, em rede social.

Contudo, desde terça-feira os preços da commodity vêm tendo baixa no mercado internacional como reflexo do anúncio da Arabia Saudita de que boa parte de sua produção havia sido normalizada. Os ataques a unidades da petroleira da Saudi Aramco, na Arábia Saudita, representam perda de cerca de 5 milhões de barris por dia de petróleo (bpd), montante equivalente a aproximadamente 5% da produção mundial do óleo bruto.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade