Publicidade

Estado de Minas

A cada dois dias, uma cervejaria artesanal é aberta no Brasil

Apenas no ano passado, o número de pessoas que pediram ao ministério o registro de uma marca aumentou 30%


postado em 13/03/2019 06:00 / atualizado em 13/03/2019 09:31

(foto: Arte/Soraia Piva)
(foto: Arte/Soraia Piva)

Uma legião de empreendedores brasileiros está viciada em cerveja. Segundo dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foram abertas 210 cervejarias artesanais no país em 2018 – praticamente uma a cada dois dias. Já são 900 fabricantes sediados em 479 municípios brasileiros, principalmente nos estados de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. Apenas no ano passado, o número de pessoas que pediram ao ministério o registro de uma marca aumentou 30%. Embora aparentemente positivos, os indicadores começam a preocupar os especialistas. Por enquanto, o consumo não tem crescido na mesma proporção e há o risco de investimentos serem desperdiçados. De acordo com um estudo feito pela consultoria Mintel, 73% do s brasileiros não consumiram cervejas artesanais no ano passado. Uma das razões é o preço das bebidas, em geral mais caras do que os produtos tradicionais.  

A expansão dos fundos de investimentos
O otimismo do mercado com a tramitação da reforma da Previdência e o cenário de juros baixos e inflação sob controle estão impulsionando os fundos de investimento. Em fevereiro, eles registraram R$ 24,8 bilhões de captação líquida, de acordo com dados da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). O acumulado do ano, de R$ 40,5 bilhões, é 21% superior aos aportes feitos no mesmo período de 2018.

Na RNI, o fim dos estandes de vendas 
A incorporadora RNI, do grupo Rodobens, adotou um aplicativo de realidade virtual que antecipa digitalmente a experiência de morar em um novo apartamento. A novidade permitirá que os usuários “passeiem” por uma das unidades do prédio. A expectativa é que a tecnologia reduza em 30% o tempo de conclusão da venda. “Oferecemos óculos de realidade virtual e qualquer pessoa pode baixar o aplicativo e ter acesso ao conteúdo a distância”, diz Alexandre Mangabeira, copresidente da RNI.

Minas Gerais lidera alta de fusões e aquisições na região Sudeste
O número de fusões e aquisições realizadas pelas empresas de Minas Gerais cresceu 27,5% em 2018 na comparação com o ano anterior. Foram fechados 74 negócios, contra 58 em 2017. Obtidos com exclusividade pela coluna, os dados compilados por um estudo da KPMG em 43 setores da economia mostram que os mineiros lideraram o aumento de fusões e aquisições na região Sudeste do país. No Rio de Janeiro, o avanço foi de 20,9%, seguido por Espírito Santo (12,5%) e São Paulo (6,3%).

1,7 mil startups estão sediadas em Austin, nos Estados Unidos, o que faz dela cidade com mais empresas iniciantes per capital do mundo.
A presença de jovens empreendedores é tão marcante que o lugar já concorre com o Vale do Silício como centro de inovação global

RAPIDINHAS

» A marca de cafés especiais Franck’s Ultra Coffee, de Curitiba, colocará no mercado um novo produto para tentar aquecer suas vendas: grãos infusionados em barril de tequila. A ideia do fundador Marcelo Frank surgiu após um pedido especial de uma cervejaria que precisava de um café inspirado em tradições mexicanas.

» Líder global na organização de eventos, a MCI esperar crescer 25% no Brasil em 2019, chegando a R$ 240 milhões de faturamento. Para os próximos meses, a empresa já tem confirmada a organização do Ethanol Summit, um dos principais eventos do mundo voltados para as energias renováveis, e a Labace, maior feira de aviação de negócios na América Latina.

» A indústria catarinense de vestuário infantil Kyly, detentora das marcas Kyly, Milon, Nanai, Amora e Lemon, vai investir R$ 55 milhões para aumentar a capacidade de sua unidade em Pomerode, no interior do estado. Do total, R$ 40 milhões serão aplicados em maquinários e R$ 15 milhões em infraestrutura. O Grupo pretende abrir 22 lojas em 2019.

» O eBay, um dos maiores marketplaces do mundo, constatou que os mercados que mais compram de vendedores brasileiros pela internet são os Estados Unidos e o Reino Unido. Entre os produtos mais buscados estão quadrinhos, equipamentos de áudio para carros e relógios de pulso.   

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade