Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Polícia Federal apura desvio de R$ 5 bilhões por quadrilha em São Paulo, Minas e Paraná

Operação Fake Money investiga desvio em comércio de créditos tributários. Ao menos 130 policiais participam da ação


postado em 28/09/2018 08:46 / atualizado em 28/09/2018 10:03

(foto: Polícia Federal/Divulgação - 19/5/17)
(foto: Polícia Federal/Divulgação - 19/5/17)

A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal deflagraram nesta sexta-feira, 28, a operação Fake Money (dinheiro falso, em inglês) para desarticular uma organização composta por advogados, empresários e contadores suspeita de comercializar créditos tributários baseados em títulos prescritos ou falsos da dívida pública para empresas compensarem débitos junto o fisco. De acordo com a PF, os prejuízos causados aos cofres públicos superam R$ 5 bilhões.

Ao menos 130 policiais federais cumprem 16 mandados de prisão preventiva e 33 mandados de busca e apreensão nas cidades paulistas de Ribeirão Preto, Araraquara, Descalvado, São José do Rio Preto, Mirassolândia, Osasco, Barueri e São Paulo, além de Uberlândia (MG) e Curitiba (PR). A operação conta com o apoio de 74 auditores fiscais da Receita.

De acordo com a PF, o inquérito policial foi iniciado em junho de 2016 e as investigações apontam que a organização criminosa oferecia créditos tributários para empresas os utilizarem na compensação de débitos junto à Receita Federal. Para convencer eventuais compradores, os investigados elaboraram uma cartilha contendo informações inverídicas sobre a validade dos créditos. As informações eram atribuídas à Secretaria do Tesouro Nacional.

Até o momento, 3 mil empresas foram identificadas como vítimas do esquema criminoso. A operação seguirá com a identificação e fiscalização de todas as companhias que realizaram compensações com os créditos tributários falsos, informou a PF.

Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de estelionato, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade