Publicidade

Estado de Minas

Geração de empregos em agosto é a maior em 5 anos

No mês, foram abertos 110.431 postos com carteira assinada, levando número de vagas no acumulado do ano a 568.551. Contratações ocorreram nos serviços, comércio e indústria


postado em 22/09/2018 06:00 / atualizado em 22/09/2018 12:07

Brasília – O mercado de trabalho criou 110.431 empregos com carteira assinada em agosto, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho. Esse é o melhor resultado para o mês desde agosto de 2013, quando foram gerados 127.648 empregos formais. O mês de agosto é o oitavo seguido com criação de empregos formais, de acordo com a série histórica com ajuste sazonal. O mês registrou o segundo melhor desempenho do ano e atrás apenas de abril, quando a economia gerou 127.134 empregos formais.

O dado relativo a agosto havia sido antecipado na quinta-feira, 20, pelo presidente Michel Temer, que comemorou nas redes sociais a criação de mais de 100 mil empregos formais no mês de agosto. O resultado superou as previsões dos economistas. Entre as 20 instituições consultadas, as estimativas de saldo positivo iam de 37.313 empregos a 88.318 postos de trabalho, com mediana de 59.950 vagas.

No acumulado de janeiro a agosto, o Caged registra criação de 568.551 empregos formais. Nos 12 meses até agosto, o Ministério do Trabalho registra a criação de 356.852 empregos com carteira assinada. O resultado mensal positivo foi puxado pelo setor de serviços, que registrou a criação de 66.256 empregos, seguido pelo comércio, que acumulou 17.859 novos empregos, e a indústria de transformação, com 15.764 novos trabalhadores.

Entre os demais setores, a construção civil criou 11.800 empregos, os serviços industriais de utilidade pública ganharam 1.240 postos, o segmento de extração mineral teve 467 empregos criados e a administração pública, outros 394 novos postos. Por outro lado, o agronegócio registrou fechamento de 3.349 empregos formais no mês passado. Esse foi o único setor econômico com fechamento de empregos no mês passado.

Jornada intermitente

Quase 4 mil vagas de trabalho intermitente foram criadas no mês passado. Dados do Caged indicam que agosto terminou com a criação líquida de 3.996 empregos com contrato intermitente e abertura de outras 3.165 vagas pelo sistema de jornada parcial. Somados, os dois novos contratos criaram 7.161 empregos no mês passado. Os dois novos contratos foram criados pela reforma trabalhista. De acordo com os dados do Ministério do Trabalho, o emprego intermitente registrou criação de 5.987 postos e fechamento de 1 991 vagas no mês.

Entre os Estados com o maior número de contratações nesta modalidade, estão São Paulo (saldo positivo de 1.005), Rio de Janeiro (848) e Minas Gerais (463). Já as contratações de trabalhadores em regime de tempo parcial tiveram saldo positivo. Os maiores saldos foram registrados em São Paulo (515), Paraná (424) e Ceará (405). O Caged informou ainda que houve 15.010 desligamentos por acordo no mês de junho.

Setores

O setor de serviços gerou empregos no mês passado com a liderança do segmento de ensino e das empresas de administração de imóveis. De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o subsetor de ensino gerou 20.338 empregos formais no mês passado e liderou a expansão do mercado de trabalho nos serviços. Em seguida, o segmento de comércio e administração de imóveis terminou o mês com 18.074 empregos formais.

Entre os demais subsetores dos serviços, o segmento de serviços de alojamento e alimentação contratou 12.832 empregados com carteira assinada, os serviços médicos abriram 8.525 vagas e os transportes e comunicações registraram 5.576 empregos novos no mês passado. No comércio, que terminou o mês de agosto com 17.859 novos empregos, o segmento varejista liderou a criação de postos, com 14.019 empregos. O comércio atacadista fechou o mês com 3.840 novos empregos formais.

Na indústria, a liderança do movimento de contratação foi da indústria de alimentos e bebidas, com 16.926 postos de trabalho. Também foram positivos o segmento da indústria química e produtos farmacêuticos (3.750) e a indústria mecânica (2.411). O número do segmento é maior que o dado global porque alguns segmentos demitiram, como a indústria de borracha e fumo, que perdeu 4.979 empregos, e a indústria têxtil, que demitiu 2.738 pessoas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade