Publicidade

Estado de Minas

Mercado/SA - Agronegócio precisa entrar na agenda dos candidatos

O agro é responsável por 21% de toda a riqueza nacional e um terço dos empregos do país


postado em 08/08/2018 06:00 / atualizado em 08/08/2018 08:36



Em longos períodos de crise, sempre há o agronegócio para socorrer o Brasil. Depois do crescimento extraordinário no ano passado, quando disparou 7,6% e ajudou o PIB do país a sair do vermelho, analistas projetavam um 2018 bem mais tímido. De fato, o ritmo no campo diminuiu, mas ainda é consistente. As previsões para 2018 apontam para um avanço de 3,4% do PIB agro, bem acima das estimativas para a economia brasileira (algo como 1,5% nas projeções otimistas). Não é só. O agro é responsável por 21% de toda a riqueza nacional e um terço dos empregos do país. Alguns segmentos devem a retomada exclusivamente ao campo. A continuar no ritmo atual, as vendas de caminhões chegarão a 66 mil unidades no final de 2018, o melhor resultado desde 2015, quando foram emplacados 72 mil veículos. A principal razão para a performance é o agronegócio. Apesar de tudo, o setor não está na agenda dos candidatos à Presidência. Não é hora de rever isso?


Os drones avançam no campo
A multinacional italiana de tecnologia Engineering está investindo em uma nova frente de negócios no Brasil: o aluguel de drones para produtores rurais. A ideia é oferecer serviços de mapeamento das lavouras e estratégias de gestão mais precisas. Atualmente, cerca de 350 empresas do agronegócio utilizam o sistema de monitoramento por drones, o que tem ajudado no combate a pragas, roubo de produtos e controle de estoques.


Um Rothschild no Nordeste
A vinícola israelense Golan Heights, criada por Benjamin Rothschild, herdeiro de uma das mais tradicionais famílias da França, está de olho na expansão do mercado brasileiro. A empresa pretende fechar parcerias com produtores brasileiros, a fim de transmitir sua expertise de cultivo em regiões áridas, como é o caso do Nordeste. A Golan Heights produz alguns dos melhores vinhos do Oriente Médio, em uma área na fronteira entre Israel e a Jordânia.

Mais uma batalha vencida na guerra contra os canudos

 

A guerra contra os canudos de plástico continua acirrada. Nesta semana, o Rio Quente Resorts e a Costa do Sauípe Resorts, que pertencem ao Grupo Rio Quente, anunciaram a substituição do plástico por canudos feitos com raiz de mandioca e cana. Segundo a empresa, eles levam no máximo dois anos para se desfazer no meio ambiente, enquanto os outros precisam de centenas de anos. A mudança deverá ser concluída até o final de 2019.


RAPIDINHAS

O Brasil está mesmo no radar da Amazon, o maior e-commerce do mundo. A empresa tem mais de 100 vagas abertas para seu escritório brasileiro, em São Paulo. Há oportunidades para profissionais das áreas de TI, marketing, engenharia e vendas. Os interessados devem entrar no site da companhia.
 
Para atrair candidatos, a Amazon preparou um curioso texto de apresentação de São Paulo: “Uma das populações mais diversificadas do mundo, a cidade abriga 12 mil restaurantes que servem mais de 26 diferentes cozinhas internacionais. Essa diversidade cultural também é evidente nos diversos museus, teatros, eventos esportivos e festivais que podem ser encontrados durante todo o ano”.

 

Nesta quarta-feira, a internet das coisas chega aos elevadores de Minas Gerais com o lançamento do Schindler Ahead. A tecnologia desenvolvida pela empresa utiliza análises avançadas para prever falhas e interrupções no funcionamento. O sistema permite que o passageiro fale em tempo real com o técnico da companhia, mesmo estando dentro do elevador.
 
A tecnologia será integrada a todos os novos elevadores e escadas rolantes comercializados pela empresa. Além disso, modelos já existentes serão adaptados para receber a solução. Para desenvolver a plataforma, o Grupo Schindler se aliou a gigantes como Apple, GEe Huawei.




70% dos venezuelanos

vivem na pobreza extrema, segundo as Nações Unidas. Há 5 anos, o número era 50%. O declínio da economia pode levar milhares de pessoas a morrer de fome

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade