Publicidade

Estado de Minas

Frete dos Correios deve subir 51% em março, segundo Mercado Livre

Em nota, empresa diz que média de reajuste é de 8% e refere-se ao aumento dos custos para a prestação do serviço, tais como combustível, pessoal e aluguéis de imóveis


postado em 27/02/2018 18:13 / atualizado em 27/02/2018 21:10

(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
(foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
Principal distribuidor de mercadorias do Brasil, os Correios preparam um aumento de 51% nas tarifas a partir de 6 de março. A informação foi divulgada, inicialmente, pelo site de comércio eletrônico Mercado Livre, em seu site oficial. 

O acréscimo 17 vezes superior à inflação do último ano – apurada em 2,95% – gerou indignação no Twitter. Cerca de 10 mil postagens com a hashtag #FreteAbusivoNão foram publicados na rede social até às 18h desta terça-feira. 

O aumento afetaria mais ainda os consumidores que moram longe dos grandes centros, locais para os quais as taxas são mais caras. O mesmo vale para quem mora em zonas consideradas de risco, devido aos índices de violência. 

Segundo dados do Mercado Livre, o reajuste faria o frete brasileiro ser 42% mais caro do que o da Argentina, 160% maior que o cobrado no México e 282% superior ao da Colômbia.  

Em 2017, o e-commerce cresceu 12% no Brasil e movimentou R$ 59,9 bilhões, de acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Para este ano, a previsão é de que a expansão seja de 15%. 

Outro lado


Em nota encaminhada ao Estado de Minas, os Correios informaram que a média de reajuste é de 8% para objetos postados entre capitais e nos âmbitos local e estadual, que representam a grande maioria das postagens realizadas na empresa.

“Cabe ressaltar que o reajuste não é para os preços de e-commerce, mas para os serviços de encomendas dos Correios, também utilizados pelo e-commerce. Trata-se de uma revisão anual, a exemplo do previsto em contrato. A definição dos preços é sempre baseada no aumento dos custos relacionados à prestação dos serviços, que considera gastos com transporte, pagamento de pessoal, aluguéis de imóveis, combustível, contratação de recursos para segurança, entre outros”, diz trecho da nota.

Ainda de acordo com os Correios, a comparação de preços com países vizinhos é “tendencioso e pode e levar o consumidor a acreditar em uma falsa premissa”. O argumento é que a Argentina e a Colômbia são muito menores territorialmente que o Brasil. “Os desafios de transporte em um país com dimensões continentais são muito maiores e os custos para manter a presença dos Correios em todo o território nacional são altíssimos”, continua a nota.

 Os Correios alegam ainda problemas relacionados à segurança pública para justificar o aumento no frete. Como exemplo, cita o Rio de Janeiro, cidade em que a entrega de mercadorias sofreu “altíssimo impacto” em razão de medidas para manter a integridade dos empregados, das encomendas e até da sede da estatal. Na capital fluminense, foi estabelecida uma cobrança emergencial de R$ 3 – taxa que pode ser suspensa a qualquer momento. 

*Sob supervisão da editora Liliane Corrêa

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade