Publicidade

Estado de Minas

Bradesco troca de comando, mas estabilidade continua

Em 75 anos de história, banco teve apenas 5 presidentes-executivos. O novo comandante começou na instituição como office boy e agora tem desafio de dar continuidade ao vitorioso modelo de gestão


postado em 06/02/2018 13:00 / atualizado em 06/02/2018 16:33

 Luiz Carlos Trabuco (a esq) vai para o Conselho, onde está Lázaro Brandão (Centro). Octavio de Lazari Junior (a dir) assume comando do banco (foto: Egberto Nogueira)
Luiz Carlos Trabuco (a esq) vai para o Conselho, onde está Lázaro Brandão (Centro). Octavio de Lazari Junior (a dir) assume comando do banco (foto: Egberto Nogueira)

São Paulo – Octavio de Lazari Junior foi o escolhido pelo Conselho de Administração do Bradesco para presidir o segundo maior banco privado do país. O atual presidente, Luiz Carlos Trabuco, permanecerá à frente do Conselho e cumprirá seu mandato até a próxima Assembleia Geral Ordinária, marcada para 12 de março. Lazari Junior, 54 anos, 39 deles como funcionário do banco, disse que continuará acumulando a presidência do Bradesco Seguro e que sua missão será fazer a renovação sem ruptura, dando continuidade ao modelo de administração da instituição. Em 75 anos de história, o Bradesco teve apenas 5 presidentes-executivos e 3 presidentes de conselho (dois deles, Trabuco e Lázaro Brandão, presentes no anúncio de ontem).

Além de manter a eficiência e crescer nos espaços onde o banco não tem a liderança, Lazari disse que os desafios de aumentar receitas e continuar reduzindo despesas é “um trabalho normal e contínuo”. Ele prossegue: “As taxas de retorno aos acionistas serão perseguidas com ganho de escala e maior participação no mercado de crédito”, salientou. Segundo ele, com a queda das taxas de juros de 14% para 7%, e com previsão de mais uma redução na próxima reunião do Copom, os spreads vão cair e a alternativa do banco será ganhar escala no mercado de concessão de crédito.

Em sua primeira entrevista como presidente, o executivo foi cauteloso em relação aos dois temas mais debatidos por empresários e políticos: a reforma da Previdência e as eleições de outubro. Sobre as mudanças nas aposentadorias, disse a jornalistas que a sua aprovação é uma necessidade urgente do país, que precisa reduzir o rombo nas contas públicas e melhorar o horizonte de negócios para as empresas. Disse ainda acreditar que pelo menos parte do projeto apresentado pelo governo seja aprovado ainda este ano pelo Congresso. “Temos que fazer (a reforma). Mesmo que não seja do tamanho que a gente quer, mas é preciso dar o primeiro passo, nem que seja um passinho de cada vez”, disse Lazari, lembrando que a Previdência acumulou um “déficit monstruoso, que pode nos levar a um conflito de gerações”.

Apesar das dificuldades para a aprovação das reformas, o novo presidente acredita que 2018 será “muito melhor” para o Brasil em termos de atividade econômica. As incertezas quanto ao processo eleitoral, segundo ele, não devem ser uma preocupação, já que todos os candidatos conhecem a agenda positiva para o país, independentemente do partido. “Todos sabem que precisamos da reforma da Previdência, das reformas política e da reforma fiscal. Todas elas estão na pauta”, argumentou. O executivo também se disse otimistas em relação à inflação, que deve se manter comportada (“não deve decolar”), ao PIB, com crescimento entre 2% e 3%, e à melhora do emprego, com a criação de 1,5 milhão de novos postos de trabalho.

Carreira O novo presidente, começou a trabalhar no Bradesco na adolescência, com 15 anos, em 1978. A exemplo de seu antecessor, sua primeira função foi como office-boy. Segundo Trabuco, Lazari se tornou consenso entre os membros do Conselho ainda em janeiro. “Seu nome foi ganhando força por sua capacidade de manter o grupo alinhado”, contou o ex-presidente.

Formado em Ciências Econômicas pela Faculdade de Ciências Econômicas e Administrativas de Osasco, Lazari é dono de um vasto currículo com várias especializações em finanças e marketing em universidades como FGV, FIA e IESE Business School, da University of Navarra. Em 1998, passou a atuar na Área de Crédito, onde chegou a diretor, respondendo pelos segmentos Corporate, Pequenas e Médias Empresas e Varejo. Em 2012, foi alçado à diretoria executiva e, em 2017, a diretor vice-presidente e presidente do Bradesco Seguros.

O que pensa Octavio de Lazari Junior

Metas
“As taxas de retorno aos acionistas serão perseguidas com ganho de escala e maior participação no mercado de crédito”

Previdência
“A Previdência acumulou um déficit monstruoso, que pode levar a um conflito de gerações.
Por isso a reforma precisa sair”

Outras reformas

“Todos sabem que, além da reforma da Previdência, precisamos das reformas política e fiscal. Todas elas estão na pauta do país”

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade