Publicidade

Estado de Minas

Indústria de máquinas deve crescer entre 5% e 10% em 2018, prevê a Abimaq


postado em 31/01/2018 15:48

São Paulo, 31 - Após cinco anos seguidos com o faturamento em queda, a indústria nacional de máquinas e equipamentos deve crescer entre 5% e 10% em 2018, segundo previsão divulgada nesta quarta-feira, 31, pela Abimaq, entidade que representa o setor.

Diretores da associação alertaram, porém, que as incertezas no campo político são altas num ano de eleição, o que justifica a faixa larga entre as previsões mínima e máxima.

A Abimaq está preparando um documento, com foco em medidas de incentivo à retomada dos investimentos, para apresentar aos pré-candidatos da eleição presidencial de outubro.

"A economia pode até crescer entre 2,8% a 3% neste ano, mas o crescimento não vai se sustentar se for focado apenas em consumo. Vamos levar a presidenciáveis a necessidade de investir", afirmou João Carlos Marchesan, presidente do conselho de administração da Abimaq, na apresentação dos resultados da indústria de máquinas e equipamentos no ano passado, quando o faturamento do setor caiu 2,9%.

Segundo o executivo, se o futuro presidente tiver o compromisso de "reindustrializar" o Brasil, as fábricas de máquinas podem voltar a ser o que foram há 15 ou 20 anos.

Por enquanto, a previsão de retomada do setor se sustenta na perspectiva de um crescimento de 2,7% da atividade econômica. Na indústria de transformação, principal cliente do setor, as previsões da Abimaq apontam para um crescimento entre 4% e 5% em 2018.

"A estimativa é que a safra vai puxar o PIB um pouco para baixo, mas há consenso de que a indústria vai crescer", comentou Mário Bernardini, diretor de competitividade da Abimaq. Ele disse ver uma tendência de crescimento mais disseminado no consumo de bens de capital, inclusive com a recuperação das fabricantes de máquinas de construção.

Para Bernardini, a pesquisa Datafolha divulgada hoje - mostrando quatro candidatos com potencial de chegar ao segundo turno da sucessão presidencial contra o deputado Jair Bolsonaro, caso o ex-presidente Lula não esteja entre as opções de voto - retrata um quadro muito indefinido nas eleições, o que gera efeitos fortes na economia. "Um quadro eleitoral mais tranquilo pode nos levar a um crescimento mais próximo de 10%. Já num quadro mais confuso, o crescimento pode ficar mais próximo de 5%."

(Eduardo Laguna)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade