Publicidade

Estado de Minas

Republicano indica que é contra nomeação de Yellen


postado em 09/10/2013 02:07 / atualizado em 09/10/2013 08:11

A provável nomeação da vice-presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) Janet Yellen para assumir a presidência do Fed no lugar de Ben Bernanke pode ser menos controversa que a indicação de Larry Summers, mas os primeiros indícios apontam que ela terá que enfrentar a oposição de alguns membros do Congresso que divergem de sua visão "pacifista" sobre a política monetária.

De acordo com informações da imprensa, o presidente norte-americano, Barack Obama, pretende nomear Yellen como sucessora de Bernanke nesta quarta-feira, mas um senador republicano sugeriu em uma declaração que votará contra a nomeação da vice-presidente do Fed.

O senador Bob Corker, membro do Comitê Bancário do Senado - responsável por dar o primeiro aval à nomeação de Yellen antes da votação no Senado - expressou discordar do ponto de vista de Yellen sobre a política monetária.

"Eu votei contra a nomeação de Yellen como vice-presidente do Fed em 2010, por causa de suas opiniões pacifistas sobre a política monetária", explicou Corker. " Acompanharemos de perto e examinaremos os seus movimentos desde aquela época, mas não há nenhuma evidência que demonstra que suas opiniões mudaram", completou.

O presidente do Comitê Bancário do Senado, Tim Johnson, se comprometeu a realizar a votação da nomeação em um tempo oportuno. "Ela tem uma profunda experiência e eu não tenho nenhuma dúvida de que ela será uma excelente presidente do Fed", avaliou Johnson.

Yellen não deve se preocupar com a aprovação de seu nome pelo Senado, mas um senador sinalizou que espera que ela adote uma postura mais agressiva em relação à política monetária.

"A minha esperança é que ela adote uma política monetária mais transparente e baseada em regras que apontam para estabilidade dos preços e crescimento a longo prazo", opinou Jeb Hensarling, presidente do Comitê de Serviços Financeiros da Câmara."Nosso comitê está ansioso para trabalhar com ela para desenvolver novas ferramentas que ajudem o Fed a comunicar a direção de sua política monetária", acrescentou.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade