Publicidade

Estado de Minas

Procon-SP suspende vendas nos sites Americanas.com, Submarino e Shoptime

Em 2010, o órgão registrou 2.224 atendimentos sobre problemas com os sites. No ano passado, esse número aumentou em 180%, com o registro de 6.233 atendimentos


postado em 14/03/2012 11:08 / atualizado em 14/03/2012 11:18

O Procon-SP determinou a suspensão das atividades de e-commerce por três dias, a partir desta quinta-feira (15), dos sites Americanas.com, Submarino e Shoptime, de responsabilidade da B2W Companhia Global do Varejo, em todo o estado de São Paulo. Além da paralisação das vendas, a empresa deverá pagar a multa de R$ 1.744.320,00. A decisão foi publicada nesta quarta no "Diário Oficial do Estado", e não cabe recursos.

Segundo o diretor executivo da Fundação Procon-SP, Paulo Arthur Góes, em 2011 os atendimentos gerados pela empresa aumentaram muito em relação ao ano anterior, sendo a maioria deles por falta de entrega do produto ou defeito no item adquirido. “Isso é um descaso, desrespeito ao consumidor. Fizemos várias tentativas chamando a empresa para o diálogo no Procon, mas o problema não foi resolvido”, explica. A empresa recorreu à decisão em 1º grau publicada em 10 de novembro do ano passado no Diário Oficial do Estado de São Paulo.
 
Em 2010, o Procon-SP registrou 2.224 atendimentos sobre problemas com os sites da B2W. No ano passado, esse número aumentou em 180%, com o registro de 6.233 atendimentos. A empresa ainda não se manifestou sobre o caso.

Ranking on-line

Nesta quinta-feira, o Procon-SP vai divulgar a lista das empresas mais reclamadas pelo consumidor em 2011 e lança um ranking on line, baseado em dados a partir de 1º de janeiro deste ano, sobre os fornecedores que geram mais atendimento ao órgão e o índice de solução dos casos. Além da divulgação da lista das “dez mais” do ano passado em número de reclamações fundamentadas – denúncias registradas depois de tentativas de solução com intermediação do Procon-SP  na fase inicial do atendimento – o ranking on line estará à disposição no site www.procon.sp.gov.br, indicando em tempo real o nome das 30 empresas que mais geram reclamações ao Procon-SP, citando os índices de solução desses casos e principais irregularidades.
 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade