Publicidade

Estado de Minas

Conheça Portmanteau, o circo contemporâneo de Luís Sartori do Vale

Mineiro radicado na Finlândia fecha o festival mundial em cartaz no Galpão Cine Horto, em BH. Artes visuais, música e dança se juntam às artes circenses


postado em 30/08/2019 04:00 / atualizado em 28/08/2019 14:05

(foto: Mira Ravald/divulgação)
(foto: Mira Ravald/divulgação)

João Pedro Junqueira*
 
O belo-horizontino Luís Sartori do Vale, que mora na Finlândia, tem ganhado espaço na cena mundial das artes circenses. No fim de semana, ele fecha o festival de circo realizado no Galpão com o espetáculo Portmanteau. A performance contará também com Mira Ravald, namorada dele, o iluminador Jere Mönkkönen e o músico Antonio Alemanno. 

Mesclando circo, dança, música e artes visuais, Portmanteau – idealizado por Sartori – vem da fusão de duas palavras. “Várias coisas se juntaram. É a primeira vez que trabalho com música ao vivo, a primeira vez em que eu e Mira trabalhamos juntos, a primeira vez que juntei artes visuais e circo. São muitas primeiras vezes”, explica o mineiro.

O espetáculo foi desenvolvido durante um ano. “As luzes vieram das formas visuais, primeiro com os desenhos abstratos que eu queria trazer para algum espetáculo. Pensei, inicialmente, num projetor de vídeo com desenhos meus. Depois, imaginei um retroprojetor, que dá espaço para o erro. Todas as vezes, ele cria uma experiência única. É legal a gente trazer de volta esse aparelho, que caiu em desuso”, diz Sartori.

BAIXO 

Outro elemento é a música, composta no baixo acústico pelo italiano Antonio Alemanno, responsável também por interpretar a trilha e pelo design de som.

Circo é arte colaborativa e entusiasma pessoas em todo o mundo, defende o mineiro. “Em janeiro, estreio espetáculo com um neozelandês”, conta.

Luís Sartori do Vale começou a fazer circo aos 18 anos, em BH. Formado em artes visuais pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), estudou na Bélgica, morou na França e agora trabalha na Finlândia.

O mineiro lamenta a dificuldade de produzir espetáculos de circo no Brasil. Daí vem a importância do festival em cartaz no Galpão, ressalta ele. “Tento sempre estar presente. Isso ocorre desde que o evento começou, em 2001.”

Pedro Sartori, irmão de Luís, também participou do festival, ministrando oficinas. Em 14 de setembro, ele abre a Brava Escola de Circo, dedicada a ensinar as artes do picadeiro em BH.

* Estagiário sob supervisão da editora-assistente Ângela Faria

19º FESTIVAL MUNDIAL DE CIRCO
Espetáculo Portmanteau. Sábado (31), às 21h, e domingo (1º/9), às 19h. Galpão Cine Horto, Rua Pitangui 3.613, Horto. Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia-entrada). Informações: (31) 3481-5580


Publicidade