UAI
Publicidade

Estado de Minas RACISMO

Prefeitura de cidade mineira expõe cartaz contra Dia da Consciência Negra

Placa foi Afixada na entrada do CRAS de Pitangui, pedindo '365 dias de consciência humana'. Polícia Civil do estado apura o caso


26/11/2021 08:05 - atualizado 26/11/2021 08:08

Foto tirada por moradora do município, que denunciou o caso à Polícia Civil
Foto tirada por moradora do município, que denunciou o caso à Polícia Civil (foto: Reprodução: Ponte Jornalismo)
Dois dias antes do feriado destinado à consciência negra, a população de Pitangui, em Minas Gerais, teve uma surpresa. Na porta do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) Herivelton Máximo Pereira, um cartaz foi fixado com os dizeres "não precisamos de um Dia de Consciência Negra, e sim 365 dias de consciência humana". Uma das moradoras da cidade fotografou a placa, registrou um boletim de ocorrência e garante que vai procurar o Ministério Público Estadual.

Em entrevista para a Ponte Jornalismo, a moradora, que prefere não ter o nome divulgado, afirmou que o cartaz simbolizou desrespeito e apagamento da importância do Dia da Consciência Negra. "Todo o momento que grupos pelos direitos da população negra se manifestam, sempre encontram barreiras, a hegemonia branca sempre precisa manter o seu status e a todo tempo tenta minimizar as pautas, as lutas, os posicionamentos, as dores e a gente tem alguém que endossa esse tipo de cartaz que é o presidente da Fundação Palmares, o Sérgio Camargo", disse a moradora à Ponte, responsável por revelar a história.

A placa ainda carregava palavras de ordem como "chega de racismo, preconceito..." e desenhos de mãos pretas. Com a fotografia em mãos, o caso foi registrado na delegacia de Pitangui. A Polícia Civil instaurou inquérito policial para apuração da prática de racismo, "cuja investigação encontra-se em andamento", garantiu a assessoria de imprensa. "Todas as providências de polícia judiciária estão sendo adotadas para completa elucidação dos fatos", informou.

O ocorrido em Pitangui não é um caso isolado. No domingo (21/11), a atriz Regina Duarte foi às redes sociais e fez um texto criticando o feriado nacional e levantando questionamentos. "Quando teremos o Dia da Consciência Branca, Amarela, Parda...? Quanto tempo vamos ainda nos vitimizar ao peso de anos, de séculos de dor, por culpas antepassadas?", escreveu. 

A reportagem conversou com a cientista política Nailah Neves Veleci e questionou qual a problemática em apoiar a ideia de "consciência humana" em substituição à consciência negra. A pesquisadora explica que falar em dia consciência humana é "simplesmente voltar pro discurso do mito da democracia racial e silenciar todas as denúncias de grupos vulnerabilizados". "O Brasil é um país multicultural, isso significa que todos os grupos étnicos raciais que o formam deveriam ser respeitados e valorizados e não silenciados", afirma. 

A repostagem procurou a prefeitura de Pitangui, mas não obteve resposta até a publicação da matéria. O espaço segue aberto para pronunciamento. 

Dia da Consciência


Comemorado anualmente em 20 de novembro, o dia da consciência negra é um marco na resistência e luta em memória a Zumbi dos Palmares, líder quilombola brasileiro. Em 2021, completou-se 50 anos desde a escolha da data como representação antirracista, em 1971. Mas só após 40 anos, em 2011, se tornou feriado nacional reconhecido em lei.

A data resgata a história da população negra no Brasil, que foi escravizada durante anos. "Uma das principais diferenças da escravidão negra e indígena das escravidões anteriores foi a desumanização. Esses dois grupos étnicos raciais não foram escravizados por dívida ou guerra, foram escravizados utilizando argumentos políticos, religiosos e principalmente econômicos que criaram um racismo científico para dizer que esses grupos eram menos que humanos", explicou a cientista política Nailah Neves Veleci.

Por esse motivo, o Dia da Consciência Negra é importante para o calendário brasileiro, pois é uma forma de manter viva a lembrança de que os negros são maioria no país. "O dia da consciência negra é para resgatar a história que foi apagada, denunciar a responsabilização do Estado brasileiro na condição de vulnerabilidade de boa parte da população negra e principalmente fazer a própria população negra entender que são negros, que são maioria da população brasileira e que precisamos mudar toda essa estrutura desigual que é perpetuada por séculos", afirmou Nailah. "O dia da consciência negra é um dia de exigência de reparação para a população negra, que é o maior quantitativo do povo brasileiro", garantiu a pesquisadora.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade