UAI
Publicidade

Estado de Minas ENTREVISTA

''Tendemos a atribuir à mulher a responsabilidade de se manter segura''

Leslie Kern, autora do livro ''Cidade Feminista'', diz que a mudança no comportamento dos homens deveria ser o foco nas discussões sobre espaços mais seguros


04/10/2021 12:00 - atualizado 04/10/2021 12:04

Ilustração baseada no livro Cidade Feminista, da escritora Leslie Kern
Estado de Minas ouviu relatos de leitoras sobre o quanto espaços urbanos podem ser hostis às mulheres (foto: Soraia Piva/EM/D.A Press)
A geógrafa, pesquisadora e autora do livro “Cidade feminista”, Leslie Kern, deu entrevista exclusiva ao Estado de Minas . Na conversa, Leslie comentou alguns trechos da obra, trouxe o debate sobre a violência nos espaços urbanos e domésticos e apontou caminhos possíveis para a garantia da segurança de mulheres nas cidades.
 
Por que uma cidade feminista é uma cidade livre de polícia?
Nunca se demonstrou que o aumento do policiamento torna as mulheres mais seguras ou as protege dos tipos de violência que têm maior probabilidade de sofrer, nomeadamente a violência doméstica em casa. O policiamento é uma instituição dominada por homens que tem um histórico terrível de maus-tratos a mulheres que denunciam violência e um histórico embaraçoso de arquivamento de casos de agressão sexual e violência praticada pelo parceiro. O aumento do policiamento também pode trazer mais danos às comunidades marginalizadas, como comunidades negras, indígenas e imigrantes, e a mulheres vulneráveis, como profissionais do sexo, mulheres trans e mulheres pobres.
 
Você escreveu que “a cidade feminista não precisa de um projeto para torná-la real” e que não quer “uma super planejadora feminista destrua tudo e comece de novo”. No entanto, há medidas que podem ser adotadas para melhorar a segurança para as mulheres? O que pode ser mudado do ponto de vista urbanístico?
Eu começaria garantindo que houvesse uma moradia central a preços acessíveis perto de escolas, trabalho e transporte público. As mulheres sofrem mais violência em casa e os altos custos de moradia podem impedi-las de abandonar o abuso. As mulheres também querem poder viajar facilmente entre a casa, o trabalho, às compras, etc., sem estar isoladas ou longe dos locais de atividade urbana. Os sistemas de transporte podem funcionar para melhorar a segurança, oferecendo lugares seguros para esperar, serviço mais frequente à noite e tendo uma atitude de tolerância zero em relação ao assédio sexual. As cidades podem envolver as mulheres em práticas de “auditoria de segurança” para aprender quais áreas precisam ser melhoradas em termos de iluminação, visão, acessibilidade e outras questões de segurança.
  
Você fala da importância de um olhar interseccional. A cidade pode ser mais hostil para mulheres negras, indígenas do que para mulheres brancas? Em alguma medida, todas as mulheres não estão sujeitas a essa violência cometida pelos homens?
A capacidade de uma mulher de acessar os recursos de que ela precisa para se manter relativamente protegida da violência será afetada por raça, classe, sexualidade, deficiência, status de imigração e muito mais. Embora ser branco ou rico não torne as mulheres automaticamente protegidas da violência masculina, isso pode melhorar suas chances de ser acreditado pelas autoridades, ter acesso a uma moradia segura e ser capaz de organizar sua vida de forma a evitar lugares e pessoas perigosas.
  
Você fala da questão entre a violência doméstica e a violência no espaço público. Me parece que a violência no ambiente doméstico tem sido bastante denunciada, mas essa violência nos espaços urbanos é menos debatida. Não é, portanto, necessário reforçar a denúncia em relação às violências sofridas nos espaços públicos? 
Sim, a violência doméstica é denunciada, mas acho que ainda damos muito mais atenção à violência que acontece no espaço público. Isso é noticiado, é o foco de programas de TV e filmes, e as mulheres são ensinadas a temer estranhos e becos escuros, não seus maridos e namorados. No entanto, ainda tendemos a atribuir às mulheres a responsabilidade de se manterem seguras em público – vestir-se com recato, evitar certas áreas, estar em casa antes de escurecer, viajar com amigos –, em vez de focar em como os homens devem mudar seu comportamento ou como a própria cidade poderia trabalhar para permitir a todos estarem mais seguros.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade