Publicidade

Estado de Minas novidades na cozinha

Empresas fazem a ponte entre os produtores de ovos caipiras e os consumidores na cidade

Para não ficar desabastecido, o cliente tem a opção de fazer compras avulsas ou participar de um clube de assinaturas


13/09/2020 04:00 - atualizado 15/09/2020 13:12

Com crescimento recorde na pandemia, a ovOvo tem clube de assinaturas para entregas programadas(foto: Marcelo Vieira/Divulgação)
Com crescimento recorde na pandemia, a ovOvo tem clube de assinaturas para entregas programadas (foto: Marcelo Vieira/Divulgação)

O ovo está entre os alimentos mais consumidos no nosso dia a dia, seja para comer mexido no café da manhã ou para usar na receita de um bolo. Empresas que trabalham com entrega de ovos caipiras viram a demanda aumentar exponencialmente nos últimos meses. Para não ficar desabastecido, o cliente tem a opção de fazer compras avulsas ou participar de um clube de assinaturas.
 
A venda da ovOvo aumentou mais de 400% desde o início da pandemia. Hoje, a empresa de delivery de ovos caipira entrega 480 dúzias por semana. “Quando viram que a quarentena ia se prolongar, as pessoas procuraram entretenimento e resolveram se aventurar na cozinha. Outro fator é o aumento de consumo de comida, de forma geral, com toda a família em casa. Ovo é um alimento de consumo recorrente e muita gente come mais de um diariamente”, analisa o fundador, Daniel Peron.
 
O modelo do negócio é ainda mais atrativo na quarentena porque o cliente recebe os ovos caipira em casa. Pode comprar dúzias avulsas ou entrar para o clube de assinaturas, selecionando a quantidade e a frequência (semanal ou quinzenal) com que quer participar. “Além de pagar pelo conforto e comodidade, a pessoa paga pela curadoria de quem vai entregar o melhor produto. Ovo caipira de verdade não é simples de achar.” Isso porque a produção envolve regras rígidas, como as que apontam que as galinhas devem ser livres e receber alimentação 100% vegetal.
 
A empresa entrega apenas em Belo Horizonte e Nova Lima. Cada dia da semana atende a uma região diferente. Segundo Daniel, o plano é dobrar o número de dúzias por semana até o fim do ano. Para isso, precisa ampliar sua rede de fornecedores, que ainda é restrita. “Como esgotei a produção do meu fornecedor principal, que é de São João del-Rei, ele mesmo começou a capacitar as pessoas dos sítios ao redor e hoje são quatro na região. Este é o nosso objetivo, fomentar os pequenos produtores”, comemora. Os ovos também vêm de João Monlevade e, em breve, de Brumadinho.
 
Mesmo com a flexibilização do comércio, Daniel acredita que os pedidos não vão diminuir, já que “a pessoa que come ovo caipira dificilmente volta a comer ovo de granja”. Normalmente, quando começam a comprar o produto, os clientes passam a consumi-lo mais em todas as refeições. “Ovo caipira não tem química e, além disso, as galinhas não são criadas em condições perversas. Sobre a qualidade, é a mesma diferença de macarrão instantâneo e massa artesanal fresca.”
 
Daniel estuda um modelo de franquia para conseguir atender a outras cidades e estados. Já existem interessados no interior de Minas, Sul e Nordeste.
 

Feira on-line

 
Na época em que foi lançado, há três anos, o site Fazendinha em casa inovou ao propor a venda de alimentos frescos pela internet. Quando veio a pandemia, a empresa já estava preparada para o aumento da demanda, que chegou a ser 10 vezes maior, e agiu com rapidez. “Esperávamos esse crescimento para daqui a dois anos, prevendo que a próxima onda digital seria para alimentos, só que tudo se antecipou por necessidade”, observa a fundadora, Cláudia Ligório.

Não faltou ovo em nenhum momento. A empresa conseguiu cadastrar mais produtores na plataforma, muitos que nem sonhavam com venda on-line. Além disso, o próprio sistema ajuda a equilibrar oferta e procura. Se o estoque de um produtor acaba, o cliente tem a opção de comprar de outro. Todos os ovos vendidos no site são caipira, de galinha criada solta. “Hoje, temos até produtores que vendem em quantidades maiores, com um preço diferente, então conseguimos atender a quem usa ovos como insumo. Uma pessoa que produz bolo, por exemplo.”
 
O site funciona como uma feira on-line, vende de verduras e frutas a grãos, de mais de 100 produtores. Ovo, normalmente, está presente em todas as compras. A empresa recebe os pedidos e faz todas as entregas, de terça a sábado, em Belo Horizonte e região. Há planos de abrir outros centros de distribuição em São Paulo e Porto Alegre.
 

Serviço

(31) 98448-9512

Fazendinha em casa
www.fazendinha.me
(31) 98567-3191 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade