UAI
Publicidade

Estado de Minas NO FRONT

De prisioneiro a combatente, ucraniano Oleg Sentsov tem vida de cinema

Diretor que foi condenado na Rússia e libertado em troca de prisioneiros agora deixou a câmera de lado para aderir ao combate à invasão russa em seu país


18/07/2022 04:00 - atualizado 17/07/2022 16:57

De uniforme militar, de pé, em frente a construção com colunas brancas, o cineasta Oleg Sentsov olha para a câmera
O cineasta Oleg Sentsov, que se voluntariou para o combate na Ucrânia, em check point em Kyiv, em março passado (foto: FADEL SENNA / AFP)

 
"Eu tive várias vidas", diz Oleg Sentsov. Ontem, ele gravava filmes renomados internacionalmente, hoje está na linha de frente do combate na Ucrânia com a convicção de que nada é mais importante do que defender seu país da agressão russa. 
 
Imponente em seu traje militar, o cineasta, de 46 anos, membro de uma unidade das forças especiais ucranianas na região de Kramatorsk, contou o caminho que percorreu do cinema às prisões de Vladimir Putin e depois às trincheiras do Donbass. 
 
De camiseta preta, Oleg Sentsov abraça a filha Alina Sentsova no aeroporto internacional de Kiev
Com a filha Alina Sentsova, quando desembarcou em Kiev, em 7 de etembro de 2019, como resultado de troca de prisioneiros acertada entre os governos da Rússia e da Ucrânia (foto: FADEL SENNA / AFP)
 
 
"Tive várias vidas e não me arrependo de nada", disse ele durante seu dia de folga em Kramatorsk, o centro administrativo da Ucrânia, onde a guerra ocorre há meses. 
Sentsov, diretor dos filmes “Gamer” (2011) e “Rhino” (2021), exibidos no Festival de Veneza em setembro passado, sempre foi um homem comprometido. 
 
Ativo em Kiev no movimento pró-europeu Maidan no inverno de 2013-14, que causou a saída de um presidente ucraniano pró-russo, então na Crimeia, de onde ele é, anexada por Moscou em 2014, ele foi preso no mesmo ano e condenado na Rússia a 20 anos de prisão por "preparação de atos terroristas". 
 
Oleg Sentsov vestindo traje de prisioneiro preto, de pé, em cela, com janela à sua esquerda e leito à sua direita
Registro de 2018, enquanto ele estava preso na Rússia e foi agraciado pelo Parlamento Europeu com um prêmio pela defesa dos direitos humanos (foto: Sergei SUPINSKY/ AFP)
 

Enviado para uma prisão na Sibéria, no Extremo Oriente da Rússia, o cineasta foi libertado em 2019 em uma troca de prisioneiros entre Ucrânia e Rússia.


Prisão

 
Seu caso motivou uma mobilização internacional, especialmente entre cineastas como Ken Loach, Pedro Almodóvar e Wim Wenders. Em 2018, enquanto detido, recebeu o Prêmio Sakharov do Parlamento Europeu.
 
"Comecei minha carreira de diretor aos 30 anos, tirei uma folga em uma prisão russa, voltei ao cinema e agora estou no Exército", resume o cineasta. 
 
Ele abandonou sua câmera sem cerimônias em 24 de fevereiro, dia em que a Rússia invadiu a Ucrânia. "Levei minha família para Lviv (Oeste) porque me envolvi novamente na defesa territorial de Kiev", então sob ameaça das tropas russas, explicou.
 
close no rosto de Oleg Sentsov atrás das grades, durante julgamento na Rússia
Durante seu julgamento na Rússia, no qual foi condenado a 20 anos de prisão na Sibéria, sob acusação de preparar ato terrorista (foto: AFP)
 
 
Sem treinamento militar, o diretor passou semanas em postos de controle antes de seguir para as linhas de frente ao norte da capital. 
 
Desde então, ele continuou treinando e "aprendendo", insiste, juntando-se a uma unidade de forças especiais encarregada de abater helicópteros e drones russos. 
 
"Faço parte de uma unidade de apoio e defesa de inteligência, dos grupos que operam especialmente o Stinger", os lançadores de mísseis terra-ar usados contra aeronaves de baixa altitude. 
Sente falta do cinema? "É uma parte importante da minha vida, mas apenas uma parte", responde Sentsov, que não pôde ver seu presidente, Volodimir Zelensky, quando discursou na abertura do Festival de Cannes, via vídeo, em maio passado. 
 
"Hoje vivo em um mundo totalmente diferente, onde tudo tem a ver com a guerra", afirma o cineasta, que viu os combates de perto. Mas "no final, a Ucrânia vencerá porque está travando uma guerra por sua existência", aposta Sentsov.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade