UAI
Publicidade

Estado de Minas ARTES CÊNICAS

Eliane Giardini muda até a voz para ir dos 60 aos 90 anos em peça teatral

Atriz protagoniza, ao lado de Marcos Caruso, a montagem de "Intimidade indecente" que tem sessões em BH desta desta sexta (10/6) a domingo


09/06/2022 04:00 - atualizado 09/06/2022 07:10

Num sofá, Eliane Giardini, de vestido vermelho, recosta a cabeça no colo de Marcos Caruso, de camisa azul e calça bege, em cena de 'Intimidade indecente'
A trama da peça se desenrola durante 30 anos, dos 60 aos 90, dos personagens. Atores fizeram trabalho corporal intenso para representar o envelhecimento (foto: Eduardo Chamon/Divulgação)
Dez anos após darem vida ao casal Muricy e Leleco na novela "Avenida Brasil", exibida pela TV Globo em 2012, os atores Eliane Giardini e Marcus Caruso seguem contracenando como marido e mulher na peça "Intimidade indecente", que será apresentada em Belo Horizonte desta sexta (10/6) a domingo, no Teatro Sesiminas.  

Com direção de Guilherme Leme Garcia e texto de Leilah Assumpção, o espetáculo conta a história de um casal que, ao chegar aos 60 anos, decide se separar. No entanto, a vida insiste em mantê-los juntos, não necessariamente como um par romântico. Conforme vão envelhecendo, os dois passam a valorizar cada vez mais a companhia um do outro.

Giardini dá vida a Roberta, enquanto Caruso é Mariano. Em cena, os dois repetem a química que já exibiram na TV e discutem questões importantes, como o amor e o relacionamento na terceira idade, bem como a possibilidade de uma relação pós-divórcio.

"Roberta é uma pessoa muito comum, de classe média, que toma um baque quando percebe que o casamento está desgastado. Então, ela decide se separar do marido e a peça mostra como os dois lidam com isso. No palco, eles lidam com situações que são a consequência dessa escolha", explica a atriz.

Segundo Eliane, o texto é simples, acessível, mas traz à tona assuntos com os quais a plateia se identifica. "Ele fala da velhice com muito humor. Da sexualidade na velhice. Da proximidade da morte. Tudo isso com muita leveza. São assuntos difíceis de abordar, mas a peça mostra que é possível fazer isso sem levar os dramas muito a sério, aceitando as fases que a vida vai nos oferecendo."

CONVITE NA PANDEMIA

A atriz conta que o convite para atuar no espetáculo surgiu do próprio Caruso, em 2019. Desde o fim de "Avenida Brasil", os dois tinham vontade de voltar a trabalhar juntos. Na época, ela estava em cartaz com "Peça de casamento" e não pôde aceitar. Em 2021, passado o período mais duro da pandemia, o ator reiterou o convite e ela, enfim, aceitou.

Os ensaios puderam ser feitos em casa. A encenação gira em torno de um único sofá e os atores não trocam de roupa ou mudam a caracterização, ainda que interpretem seus personagens dos 60 aos 90 anos. Segundo a atriz, interpretar essa passagem do tempo exigiu um trabalho de preparação intenso.

"A gente fez um trabalho muito importante com o Toni [Rodrigues, diretor de movimento]. Aprendemos a incorporar personagens cuja energia está indo embora. E procuramos o ponto de equilíbrio, impostar a voz para que ela soe de forma mais grave. Isso é um dos grandes atrativos desse espetáculo. O público adora ver isso", afirma.

Para ela, isso só é possível porque o espetáculo tem "um ótimo texto e dois intérpretes muito empenhados". A estreia desta montagem de "Intimidade indecente" ocorreu em Portugal, em janeiro deste ano. De lá, a peça cumpriu temporada no Rio de Janeiro e agora chega a BH para curta temporada de três sessões.

"Estamos passando por um momento de mudança (no mercado audiovisual). Não existe mais só a Globo, existe uma série de outros lugares, produções e formatos. É um momento de transição, mas eu o vejo com bons olhos"

Eliane Giardini, atriz


CONFIANÇA 

"A nossa passagem por Portugal foi um absurdo de boa. Nós nos apresentamos em Lisboa e depois em algumas outras cidades, como Porto e Póvoa. Em abril, nós estreamos no Rio, então a gente já voltou com uma certa confiança. E agora, para as apresentações em BH, a gente espera que seja um sucesso", ela torce.

Eliane conta que sua amizade com Marcos Caruso começou nas gravações de "Avenida Brasil". "Somos paulistas, atores de teatro. Já nos conhecíamos, mas até então não tínhamos uma grande amizade. Com a novela, um trabalho superintenso que às vezes dura sete, oito meses, nossa relação se estreitou."

Para atriz, a química com o colega não tem uma explicação muito certa, mas ela garante que os dois têm imensa admiração um pelo outro e uma afinidade em diferentes campos da vida.

"Temos um temperamento muito igual. A gente pensa de forma bastante parecida. E temos uma vida familiar parecida. Acho que isso tudo facilita muito. A convivência com ele é muito fácil, transparente, e a nossa amizade faz muito sentido. Somos pessoas sensíveis e apaixonadas pelo trabalho", afirma.

Aos 69 anos – ela completa 70 no próximo mês de outubro –, a atriz faz um paralelo entre a personagem da peça e sua vida pessoal, ao ser questionada sobre as questões que o espetáculo traz à tona.

"A minha geração viveu momentos de grandes transformações. E muitas separações e divórcios. Acredito que o texto mostra que o mundo não acaba com isso. Inclusive, é possível continuar sendo amiga do seu ex-marido. Eu não acho que seja um fracasso perder o casamento, mas sim perder o companheiro com quem você construiu uma relação", afirma ela, que foi casada com o também ator Paulo Betti entre 1973 e 1997.

Contratada da Globo, Eliane Giardini está longe das novelas desde o ano passado, quando fez uma participação especial nos capítulos finais de "Amor de mãe". Antes disso, ela atuou em "Órfãos da terra", folhetim exibido no horário das seis. Outros de seus trabalhos são "O outro lado do paraíso" (2017) e "O clone" (2001), que ocupou a faixa do "Vale a pena ver de novo" até o fim de maio passado.

Atriz Eliane Giardini, com o rosto triste, está sentada no sofá abraçada com o ator Marcos Caruso na novela Avenida Brasil
Química funcionou com Muricy e Leleco em "Avenida Brasil", sucesso da TV Globo (foto: Globo/divulgação)

VISIBILIDADE NA TV

Sobre a trama de Glória Perez, a atriz diz que gostava de acompanhar a reexibição, principalmente porque sua personagem no folhetim era divertida. "A Nazira foi uma personagem que me deu muita visibilidade. E foi uma coisa muito nova para mim, porque ela ia por um caminho da comédia que eu ainda não tinha experimentado em uma novela. Então, sempre que está passando, eu tento dar uma olhada, sim", ela conta.

A atriz revela que deve voltar às novelas até o final do ano. Segundo ela, Marcos Caruso já grava "Travessia", de Glória Perez, que irá substituir "Pantanal". Há mais de 30 anos na Globo, Eliane Giardini observa que o novo momento da emissora, no qual veteranos estão perdendo seus contratos de longo prazo, é um reflexo do aquecimento do mercado.

"Estamos passando por um momento de mudança. Não existe mais só a Globo, existe uma série de outros lugares, produções e formatos. É um momento de transição, mas eu o vejo com bons olhos. Tem muita gente trabalhando, não só atores, mas diretores, técnicos, câmeras. Isso é o que importa, ainda mais depois de dois anos com o mercado praticamente paralisado", ela conclui.

"INTIMIDADE INDECENTE"

De: Leilah Assumpção. Direção: Guilherme Leme Garcia. Com Eliane Giardini e Marcos Caruso. Nesta sexta (10/6) e sábado (11/6), às 19h e 21h, e domingo (12/6), às 18h, no Teatro Sesiminas (Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia). Ingressos: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia). Vendas pela plataforma Sympla


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade