UAI
Publicidade

Estado de Minas AUDIOVISUAL

'Dopesick' é série assustadora sobre a indústria dos anestésicos que viciam

Produção se baseia no processo legal contra a fabricante da marca mais vendida nos EUA, onde o vício em opioides já matou cerca de 750 mil


10/12/2021 04:00 - atualizado 10/12/2021 07:49

Ator de Dopesick sentado em escritório de braços cruzados, com camisa xadrez
'Dopesick' aborda a crise dos opioides nos EUA, que levou milhares de pessoas à morte por vício em analgésicos, com reconstituição de fatos e algumas liberdades ficcionais (foto: STAR/DIVULGAÇÃO)
Tremedeira, ansiedade e agressividade são alguns dos sintomas físicos de uma crise de abstinência de drogas. Socialmente, o dependente poderá ter se afastado da família, perdido o emprego e simplesmente não se importar com mais nada, a não ser sua próxima dose. Este pacote pesado, tanto para quem enfrenta a dependência quanto para aqueles que o cercam, é apresentado em doses cavalares em “Dopesick”.

Minissérie em oito episódios no Star+ (seis já lançados; a série completa estará disponível a partir de 22/12), a produção é inspirada no livro homônimo de Beth Macy. Só que não são drogas ilícitas que provocam as consequências descritas acima. “Dopesick” acompanha o início da epidemia dos opioides, que, desde o final da década de 1990, já matou cerca de 750 mil pessoas nos EUA.

 

O elenco destaca Michael Keaton, também produtor da série, Peter Sarsgaard, Michael Stuhlbarg e Rosario Dawson. A primeira onda, o cerne da série, foi iniciada nos anos 1990, quando a Purdue Pharma colocou no mercado o analgésico OxyContin. Toda a propaganda em cima do opioide junto a médicos e pacientes dizia que ele era “não viciante”. Tinha até mesmo o aval da FDA (Food and Drug Administration, a agência reguladora americana).

Pois era tudo balela. O OxyContin viciava rapidamente. A história mistura fatos e personagens reais com alguma ficção. Indo e vindo no tempo (entre o final dos anos 1990 e o início dos 2000), a narrativa é contada a partir de três núcleos. 

VÍTIMAS 

Keaton é o Dr. Samuel Finnix, médico de uma pequena cidade mineradora dos Apalaches que concentra as primeiras vítimas. Persuadido por um ambicioso representante da Purdue, ele começa a tratar seus pacientes com a nova droga. Entre eles está a jovem Betsy (Kaitlyn Dever), que trabalha nas minas. Eventualmente, o próprio Finnix vai se viciar.

O segundo núcleo da série concentra-se em dois personagens reais, os procuradores assistentes Rick Mountcastle (Sarsgaard) e Randy Ramseyer (John Hoogenakker). No início quase inteiramente sozinhos, eles lutam para criar um processo contra a Purdue. Têm como colaboradora Bridget Meyer (Dawson), vice-diretora da Drug Enforcement Administration (DEA) e uma das poucas a atentarem para a catástrofe logo no começo.

Por fim, há o núcleo dos Sacklers, a família milionária que fundou a Purdue. O foco aqui é Richard Sackler (Stuhlbarg), o homem que tornou o OxyContin acessível para uso mais amplo. Misturando dramas pessoais, algumas sequências de tribunal e um quê de série de investigação, “Dopesick” mostra um retrato aterrador da dependência química e da busca insana pelo poder.

“DOPESICK”

Minissérie em oito episódios no Star . Seis já foram lançados – os demais estreiam nas próximas quartas (15/12 e 22/12)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade