UAI
Publicidade

Estado de Minas ARTES CÊNICAS

FID destaca grupos de dança de seis estados do Norte do Brasil

Com o tema 'corpos urgentes', fórum questiona tratamento desigual dado a artistas de diferentes regiões do país. Mostra on-line começa na sexta (26/11)


25/11/2021 04:00 - atualizado 25/11/2021 08:02

Dançarino do grupo paraense UMDENÓS tem o rosto coberto por pinturas e a cabeça coberta por um pano
Bailarino do grupo paraense UMDENÓS, atração do 26º Fórum Internacional de Dança (foto: Everton Pereira/divulgação)
Nesta sexta-feira (26/11), começa a 26ª edição do Fórum Internacional de Dança (FID). Com o tema “corpos urgentes”, mostra virtual apresentará pesquisas de 13 artistas e coletivos de nove estados. Até 12 de dezembro, haverá debates com a participação de convidados que desenvolvem atividades de curadoria, ensino e criação.

Caroline Silas, que assina a curadoria em parceria com Adriana Banana, diz que o tema desta edição traz à tona questões relevantes da cadeia de produção em dança, como a deterioração das condições de criação, a desigualdade de oportunidades em diferentes regiões do país e o apagamento de corpos e pensamentos.

“Os corpos urgentes são de artistas que enfrentam os desafios da deterioração do controle da sua própria área de trabalho. Eles são sempre a primeira opção para desacelerar os gastos, quando se pensa em sociedade e regiões. Como explicar a urgência dos editais? Por que nunca houve equidade entre as diferentes regiões?”, afirma a curadora.

“O FID, em seus 26 anos, sempre forneceu ferramentas para furar (barreiras) e gerar intervenções positivas que atendam às necessidades mínimas de qualquer artista, pesquisador e do público”, diz Caroline.

A programação, que ocorrerá no formato on-line por causa da pandemia, contará com artistas de diferentes regiões do país. Ao selecionar os convidados, a organização do FID privilegiou a Região Norte, com sete grupos: Cia de Dança e Cia de Dança Uatê, do Amazonas; Nóis de Casa, do Acre; Coletive UMDENÓS, do Pará; Cia. Casa Circo, do Amapá; Gaia Núcleo Artístico, de Rondônia; e Lamira Artes Cênicas, do Tocantins.

Também participarão do fórum Carol Barreiro, do Distrito Federal, Iara Sales e Tonlin Cheng, de Pernambuco. Completam a mostra os mineiros Coletivo Nomeiodeparacom, Hibridus Dança, Christina Fornaciari e Grupo Ditarso Dança. As apresentações serão disponibilizadas por meio do canal do FID no YouTube.

“São trabalhos prontos que dialogam com a insistência sobre si mesmo, sobre lidar com o não planejamento econômico nacional, que não é apenas ideológico, mas taxativo e cruel. Existe amor nas regiões escolhidas, tradições, modos de viver. Existe um compromisso histórico, e esses trabalhos nos convidam para uma conversa sobre o que é mais importante agora”, comenta Caroline Silas.

DEBATES 

Além da mostra virtual, o FID 2021 terá dois dias de debates sobre as obras apresentadas com a participação de seis mediadores, entre eles o pesquisador moçambicano Quito Tembe. Os debates ocorrerão em 11 e 12 de dezembro, das 14h às 16h30. Gratuitos, serão exibidos pelo canal do YouTube e pela plataforma Zoom.

Quem escolher participar por meio da plataforma receberá certificado emitido pelo FID e Faculdade Angel Viana, do Rio de Janeiro. As inscrições devem ser feitas até 10 de dezembro no site do FID.

FÓRUM INTERNACIONAL DE DANÇA 2021

Desta sexta-feira (26/11) até 12 de dezembro. Transmissões por meio do canal do FID no YouTube. Informações pelo Instagram.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade