UAI
Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Banda Sub Rosa lança o disco '11:11' e aposta no rock espiritualista

Com 22 faixas, álbum duplo traz ópera-rock sobre a jornada interior do personagem criado pelo grupo. Repertório é inspirado nas ideias de Jung e no tarô


22/11/2021 04:00 - atualizado 22/11/2021 08:00

Capa do disco '11:11' traz rapaz segurando uma rosa diante de fonte de água, tendo ao fundo o céu laranja com o sol se pondo entre montanhas
Imagem inspirada no tarô está na capa do disco '11:11' (foto: Mariana Marques/divulgação)
O álbum duplo “11:11”, da banda mineira de rock progressivo Sub Rosa, que acaba de chegar às plataformas digitais, é uma viagem pela alma humana, com direito a jogo de tarô com seus arcanos e psicologia junguiana, sob a influência de Pink Floyd e John Lennon. Os discos revelam a jornada espiritual do personagem inspirado no artista plástico, escritor e ativista social capixaba Eduardo Marinho, conhecido como “Pensador das ruas”, explica o baixista Reinaldo José.

A maior parte do repertório do novo disco – são 22 canções – foi composta por Reinaldo, que integra a banda ao lado de Alexandre Salgueiro (teclados e voz), Rudolf Pinto (guitarras e violão), Antônio ToSan (teclados) e Bárbara Laranjeira (bateria e voz). Eles já mandaram para o YouTube o clipe da faixa “The P..I.G.”, que bateu 7 mil visualizações só no primeiro dia de lançamento.

YIN E YANG 

O enredo dos dois discos, cada qual com 11 faixas, é uma espécie de ópera-rock, cuja gravação levou seis anos. “Um é yin, o outro yang. A linha narrativa do nosso álbum conceitual traz uma canção complementando o sentido da outra, embora tenham vida própria sozinhas. Nas letras, os personagens interagem entre si”, diz Reinaldo.

“11:11” narra a história do peregrino que recebe um chamado para cumprir sua missão espiritual. A biografia de Eduardo Marinho conduziu esse personagem fictício com base em ideias do psiquiatra suíço Carl Gustav Jung que remetem a arquétipos e ao inconsciente.

A artista gráfica gaúcha Marina Marques criou a capa, além dos arcanos do tarô associados a cada faixa. “Futuramente, vamos lançar o tarô completo”, adianta Reinaldo. “Cada mínimo detalhe do Tarô Sub Rosa tem uma razão de ser para inspirar determinados gatilhos no subconsciente”, afirma.

A artista gráfica Joyce Kane desenhou a segunda versão dos arcanos maiores para o encarte do CD, que leva o nome de “Versão novo aeon”.

Reinaldo José assina sozinho a maioria das faixas. “Mas adoro compor com o Alexandre, a Bárbara, ToSan e Rudolf. Desta vez, Alexandre foi quem mais me ajudou nesse repertório”, conta.

Pink Floyd e John Lennon são as maiores influências do compositor. “Nosso trabalho está mais dentro da linha Pink Floyd e Beatles, grupos que pouca gente considera progressivo, mas eu, sim. Outra banda que escuto há muitos anos é a britânica Marillion. Foram elas que influenciaram o disco”, explica.

Reinaldo comenta que a Sub Rosa é considerada banda de rock progressivo porque faz canções de até 10 minutos com diferentes andamentos, mas ressalta que o grupo não se limita a esse gênero musical.

“Disseram: isso é rock progressivo. E assim ficou. Nunca dissemos que nosso som tem de ser progressivo, pois, na verdade, nós nos juntamos é para fazer música. Outra grande influência veio do 14 Bis. Sou amigo do Vermelho (tecladista), a gente já produziu várias coisas. Adoro o trabalho deles.”

Cada integrante da Sub Rosa gosta de um estilo musical. “Adoro Raul Seixas e Creedence. Engraçado, ouço pouco rock progressivo raiz, aquele de bandas britânicas como Camel, King Crimson, Genesis e Yes”, conta o baixista. “Os outros integrantes não têm muita influência do progressivo, é mais o tecladista ToSan. Alexandre escuta MPB e rock clássico, a Bárbara ouve k-pop e indie. Já o Rudolf é um cara que veio do metal e agora está no blues. Todos nós ouvimos pop rock brasileiro.”

Com Bárbara Laranjeira ao centro, os cinco integrantes da banda mineira Sub Rosa olham para a câmera
Sub Rosa demorou seis anos para gravar o novo álbum (foto: Ariane Tavares/Barbara Laranjeira/divulgação)

EXTERIOR 

Criada em 2006, a Sub Rosa lançou seu primeiro álbum, “The gigsaw”, em 2009. “Primeiramente, fizemos 1 mil cópias de forma independente e tivemos aceitação muito boa no exterior. A gente nem sabe como isso começou, mas teve muita procura e acabei fazendo outras 1 mil. Depois, licenciei uma distribuidora nos Estados Unidos para prensar lá e diminuir os custos. Chegamos a vender 15 mil cópias”, relembra o baixista.

Com o tempo, a formação do grupo foi mudando. “Acho que a atual será a definitiva”, arrisca Reinaldo. O disco conta com a participação do primeiro baterista da banda, Rômulo César, , e da ex-vocalista Márcia Cristina.

Outros convidados são Edgar Franco, desenhista e professor da Universidade Federal de Goiás, o baterista Jackson Lopes e Maurício Mourão, que tocou guitarra. “Ele é o sexto integrante da banda, mesmo que não queira ser”, brinca Reinaldo José.

“11:11”

.Disco duplo da banda Sub Rosa
.22 faixas
.Progressive Rock Worldwide
.Disponível nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade