UAI
Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Maurício Tizumba faz 'karaokê' para lançar disco em homenagem a Vander Lee

Em live colaborativa neste sábado (13/11), o músico convidará o público a cantar junto com ele o repertório do amigo, morto precocemente em 2016


13/11/2021 06:00 - atualizado 13/11/2021 07:43

Maurício Tizumba de perfil, usando tranças rasta
Amigo e compadre de Vander Lee (1966-2016), Maurício Tizumba diz ter assumido a missão de manter viva a obra do compositor mineiro (foto: Tamás Bodolay/Divulgação)

Maurício Tizumba nunca escondeu que um de seus maiores sonhos era gravar um disco com canções de Vander Lee (1966-2016). E, em plena pandemia, resolveu fazer o seu primeiro show on-line, que transformou numa homenagem ao amigo e compadre. 

Foi dali que surgiu o álbum “Tizumba canta Vander Lee”, cujas 14 faixas estão disponíveis nas plataformas digitais desde a última quinta-feira (11/11). Neste sábado (13/11), Tizumba promove uma live de lançamento do disco em seu Instagram, a partir das 20h. 

O músico fala do desafio de migrar para o ambiente digital durante a fase mais difícil da pandemia. “Eu, longe do público, fazendo algo totalmente novo, a essa altura da carreira e da vida. Mas foi também emocionante, pois 2 mil pessoas assistiram à live, quando cantei músicas de Vander Lee, meu parceiro e amigo da vida.”

''Quanto mais o escuto, mais fico encantado por sua poesia. A minha proposta é contribuir para manter viva essa obra, que é tão bonita e tão importante para Minas Gerais. Meu irmão Vander Lee, esse grande poeta, nunca será esquecido enquanto cantarmos suas músicas''

Maurício Tizumba, cantor e multi-instrumentista

  

Desta vez, será diferente. “É uma live colaborativa, na qual o público e artistas que estiverem assistindo serão convidados a participar, em estilo “jam session”, diz ele. E faz o convite: “Quem quer cantar Vander Lee comigo? Espero vocês”. 

Amigos e compadres, Tizumba e Lee foram parceiros musicais desde o início de suas carreiras, quando tocavam em bares na capital mineira. Quando Lee partiu, Tizumba assumiu como missão manter o seu legado vivo. 

“Quanto mais o escuto, mais fico encantado por sua poesia. A minha proposta é contribuir para manter viva essa obra, que é tão bonita e tão importante para Minas Gerais. Meu irmão Vander Lee, esse grande poeta, nunca será esquecido enquanto cantarmos suas músicas.”

Repertório

O álbum traz sucessos de Vander Lee, como “Onde Deus possa me ouvir” e “Esperando aviões” e outras ainda pouco conhecidas do grande público, como “Seção 32” e “Aversão brasileira”. “A preparação do repertório me trouxe grande emoção, relembrei a amizade, a parceria, o amor, a ‘cumpadragem’ que dividimos ao longo da vida. Suas músicas são muito fortes e sua presença se faz sentir na hora em que canto.”

Sobre a carreira do amigo, Tizumba comenta: “Desde cedo ele começa a compor e vai compondo sem parar, coisa bonita atrás de coisa bonita. Então, a vontade da gente é sempre gravar alguma canção dele, como já fiz em CD. Mas aí o tempo passa e ele vai fazendo mais música bonita. Chega então uma hora em que você fala: vou gravar é um CD inteiro”.

O álbum tem participação especial do músico Éverton Coroné (violão) e produção de Elias Gibran, da Napele Produções Artísticas. A finalização foi viabilizada pela Lei Aldir Blanc.

Cantor, compositor e violonista, Vander Lee lançou nove discos autorais, entre registros ao vivo e de estúdio, e teve suas composições gravadas por Elza Soares, Gal Costa, Emilinha Borba, Maria Bethânia, Nando Reis, Rita Ribeiro, Margareth Menezes e Luiza Possi, entre outros. Lee tinha como marca registrada brincar com as palavras para falar do amor e do cotidiano.

• Live de lançamento do álbum (14 faixas, disponível nas plataformas digitais), neste sábado (13/11), às 20h, no Instagram:  @mauricio_tizumba


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade