UAI
Publicidade

Estado de Minas STREAMING

Série 'O homem das castanhas' tem título ruim, mas a história é ótima

Produção dinamarquesa é novo exemplo de fascinante série nórdica sobre a investigação de crimes bárbaros e está disponível na Netflix


08/10/2021 04:00 - atualizado 08/10/2021 08:02

Os atores Danica Curcic e Mikkel Boe Folsgaard na série o homem das castanhas
"O homem das castanhas", disponível na Netflix, é a mais nova série nórdica com trama baseada na solução de crimes bárbaros cujas qualidades conquistam os fãs do gênero (foto: Netflix/Divulgação)

Peça uma série policial noir e ela aparecerá, invariavelmente, na forma de uma produção nórdica . Assassinatos em série, tortura, empalamentos, mutilações, enfim, violência explícita estão em dezenas de romances (o sucesso da trilogia “Millenium”, do sueco Stieg Larsson, publicada no início deste século, apenas popularizou mundo afora o segmento) e séries (a sueco-dinamarquesa “The bridge”, de 2011, é apontada até hoje como a melhor).

Lançada há poucos dias pela Netflix , a série dinamarquesa em seis episódios “ O homem das castanhas ” reafirma a qualidade dessa produção. Traz várias características que os fãs deste subgênero apreciam: uma dupla (sempre um homem e uma mulher) de detetives brilhantes, mas de vida pessoal caótica; um crime cujas motivações estão no passado; crueza nas cenas; e uma virada sensacional na revelação do assassino, que nunca é quem parece ser.

ADAPTAÇÃO 

A série foi adaptada do romance homônimo de Soren Sveistrup (lançado no Brasil em 2019 pelo Suma, selo da Cia. das Letras), também autor da série “The killing” (2007) e do filme “Boneco de neve” (2017). 

Em Copenhague, nos dias atuais, uma jovem mãe é brutalmente assassinada. Seu corpo é encontrado em um parque, sem uma das mãos. Próximo do corpo há um pequeno boneco feito de castanhas. Essa é a principal pista que a investigadora Naia Thulin (Danica Curcic) tem pela frente. E ela não está nada feliz com o caso. 

Mãe solteira de Le (Liva Forsberg), que passa boa parte de seu tempo com o avô postiço, Thulin tenta uma mudança para a área de tecnologia da informação do Departamento de Polícia para ter mais tempo com a filha.

Além de ter que se desdobrar entre casa e trabalho, ela ainda tem um novo parceiro. Mark Hess (Mikkel Boe Folsgaard) é um agente da Europol que está há muito longe da Dinamarca, sempre mudando de país. 

Conhecido pelo temperamento instável, ele tampouco está interessado em trabalhar em Copenhague, e a recepção nada amigável dos policiais locais não o ajuda em nada. Mas não demora para os dois se tornarem uma dupla imbatível, apesar de suas personalidades meio disfuncionais.

Paralelamente ao primeiro assassinato, acompanhamos também o difícil recomeço da ministra Rosa Hartung (Iben Dorner). Um ano antes, sua filha adolescente desapareceu. O sequestrador e assassino confesso está preso. A família – o marido Steen (Esben Dalgaard Andersen) e o caçula Gustav (Louis Naess-Schmidt) – parece paralisada. Não conseguiram enterrá-la, já que o assassino, com problemas mentais, não sabe onde escondeu o corpo, que teria mutilado. Mas Rosa tem que voltar ao trabalho, pois seu futuro político está em jogo.

ABUSO 

Um novo corpo, ainda mais machucado, é descoberto na capital dinamarquesa, ao lado de um boneco feito de castanhas. E mais uma vez, é de uma mãe jovem. A ação se passa em poucos dias e não tarda para que a dupla de investigadores descubra outros pontos em comum entre os crimes, como histórico de abuso infantil.

Como as séries do gênero, “O homem das castanhas” vai sendo descortinada aos poucos. É uma história que tem muitos personagens e tramas secundárias. Ao mesmo tempo em que você acompanha a investigação policial, também se vê às voltas com os problemas familiares. Além do drama do casal Hartung, que tudo leva a crer tem relação com os crimes atuais, há ainda a questão da protagonista com sua filha. 

A série não poupa o espectador e não faltam cenas fortes, com corpos decepados e lugares imundos. Mas a narrativa é engenhosa e pistas falsas vão facilmente levar o público a acreditar que fulano ou beltrano podem ser os criminosos. 

Quando o crime finalmente é desvendado, há sentido, sem coelhos tirados da cartola. Ainda que seja cedo para falar em uma continuação, a cena final dá mostras de que pano para manga não faltará em uma segunda temporada.  



 “O HOMEM DAS CASTANHAS”
Série em seis episódios na Netflix


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade