Publicidade

Estado de Minas MPB

Bituca Universidade Popular reúne craques da música em curso pioneiro

Cantora Mônica Salmaso, Jorge Helder, baixista de Chico Buarque, Carlos Malta e Enéias Xavier darão aulas em projeto gratuito. Inscrições vão até 8 de agosto


01/08/2021 04:00 - atualizado 01/08/2021 08:43

A cantora Mônica Salmaso ressalta a afinidade dos tutores convidados para ensinar durante o projeto
A cantora Mônica Salmaso ressalta a afinidade dos tutores convidados para ensinar durante o projeto "Bituca: de Casa" (foto: Paulo Rapoport/divulgação )

Um time dos sonhos para qualquer estudante de música vai ministrar aulas pela Bituca Universidade Popular, em Barbacena, deste mês até novembro. Trata-se do projeto “Bituca: de Casa”, que oferece residência a distância para baixo, bateria, clarinete, flauta, percussão, piano, sanfona, sax e violão, além de aulas de canto. A equipe de mestres/tutores reúne Mônica Salmaso, Benjamim Taubkin, Nailor Proveta, Léa Freire, Toninho Ferragutti, Carlos Malta, Jorge Helder e Marco Pereira, entre outros.

A residência é gratuita e as inscrições estão abertas até o próximo domingo (8/08). Serão oferecidas 60 vagas (seis por curso) para músicos com endereço em qualquer parte do mundo, desde que falem português.

Regina Bertola, diretora da Bituca Universidade Popular de Música, diz que ensino remoto não é %u201Cpaliativo%u201D(foto: TV Brasil/reprodução)
Regina Bertola, diretora da Bituca Universidade Popular de Música, diz que ensino remoto não é %u201Cpaliativo%u201D (foto: TV Brasil/reprodução)

TUTORIA

O projeto de 12 semanas adotará a metodologia de tutoria rotativa desenvolvida pelo grupo Ponto de Partida, gestor e criador da Bituca. Os encontros se darão via plataforma Zoom. Para cada curso haverá três mestres/tutores, sendo um professor da escola e outros dois convidados. A cadeira de baixo, por exemplo, conta com Enéias Xavier, que leciona na Bituca desde 2007, e os convidados Marcos Paiva e Jorge Helder, integrante da banda de Chico Buarque há 30 anos.

Serão selecionados seis músicos por instrumento, divididos em três duplas. Cada uma delas estudará com um mestre/tutor durante quatro semanas. Ao fim desse período, as duplas trocarão de tutores. Assim, ao término das 12 semanas, os participantes terão trabalhado diretamente com os três mestres/tutores. As aulas semanais e terão duração de duas horas.

Regina Bertola, diretora-geral do grupo Ponto de Partida e da Bituca Universidade Popular de Música, diz que a escolha dos nomes que integram a portentosa equipe docente se deu entre os próprios professores da escola.

“Perguntamos a eles quem achavam importante para compor a equipe. Quem toca sanfona? Quem pode ser referência na flauta? E no violão? Assim fomos chegando aos nomes, pensando em músicos com estilos diferentes, mas que têm em comum a performance de excelência. Eles não param, o crescimento deles é contínuo”, destaca.

Assim como ocorreu com o Ponto de Partida – que tanto em 2020 quanto neste ano manteve sua tradicional residência artística, porém de forma remota –, a ideia do projeto “Bituca: de Casa” veio da necessidade de manter a escola em movimento durante o período de isolamento social.

“Desde o início da pandemia, temos pensado em como adotar modelos remotos que não sejam paliativos. Estamos sempre buscando encontrar ações mais permanentes, fizemos a residência artística em teatro com o Ponto de Partida e deu muito certo. Daí tivemos esse clique para a Bituca. Se existe uma coisa boa que o isolamento propicia, é justamente você não precisar ficar isolado, é poder trabalhar com pessoas às quais você não teria acesso”, diz Regina.
“Como eu traria o Toninho Carrasqueira, o Teco Cardoso ou a Mônica Salmaso para Barbacena durante três meses? Vamos usar a coisa boa que a pandemia trouxe, o acesso a várias pessoas em qualquer lugar do mundo”, afirma a diretora do Ponto de Partida, ressaltando a generosidade dos convidados que se dispuseram a participar.

amor Essa generosidade se deve à relação que muitos deles já mantinham com a Bituca Universidade Popular. É o caso, por exemplo, de Monica Salmaso. “Conheço a Bituca já há alguns anos, estive na sede deles, onde fiz um show, passei duas tardes lá. É muito emocionante quando você vê um trabalho de tantos anos dedicado ao ensino da arte. E é tudo feito com amor, não tem nada mais ou menos ali”, elogia a cantora paulista.

“É um lugar muito lindo, onde as coisas são feitas a muitas mãos e com a preocupação de formar pessoas, não só artistas. Eles têm um projeto muito sério, há muito tempo. Poder me vincular a isso é, por si só, motivo de grande felicidade”, diz Mônica Salmaso, endossando a opinião de Regina sobre as possibilidades do modelo remoto, forçosamente adotado ou ampliado em função da pandemia.

“Essa história da pandemia trouxe uma impossibilidade grande de fazer coisas presenciais. Estamos sem trabalhar desde março do ano passado, mas, ao mesmo tempo, esse cenário abriu algumas janelas de oportunidades, como esta, um trabalho de educação que chega a muito mais gente”, destaca, citando, ainda, a Escola Portátil de Música, no Rio de Janeiro, que agora oferece aulas para uma turma de alunos japoneses.

“A situação que estamos vivendo neste momento faz com que eu consiga, por exemplo, ser professora da Bituca Universidade Popular de Música, o que eu não conseguiria de outra forma. Então, estou muito feliz, também porque montaram um time superbacana de professores”, salienta a cantora.

Mônica ressalta o fato de os 30 mestres/tutores do projeto fazerem parte da mesma “bolha”. “Você compõe uma coisa que tem identidade. Não é à toa que muitos de nós nos conhecemos. A gente se conhece porque se combina na forma de compreender a arte, o ensino, e é a partir desses valores que a gente acaba se encontrando na vida e no trabalho. Vi agora há pouco o teaser de chamada do projeto, tinha gente ali que conheço muito bem e nem sabia que estava no time de professores. Tem a ver com afinidade”, aponta.

Edu Ribeiro , do Trio Corrente, vai dar aulas de bateria(foto: Emesp/Youtube )
Edu Ribeiro , do Trio Corrente, vai dar aulas de bateria (foto: Emesp/Youtube )

Pedagogia do afeto

Baterista do premiado Trio Corrente – vencedor de dois prêmios Grammy –, Edu Ribeiro, que dará aulas no projeto, mantém relação de afeto com a instituição mineira. O primeiro contato dele com a escola e seus professores ocorreu em 2019. Desde então, Edu está ligado ao corpo docente, especialmente a outros dois mestres/tutores de sua cátedra no projeto “Bituca: de Casa”, Gladston Vieira e Lincoln Cheib.

“Fizemos lá um encontro com o Trio Corrente que foi muito legal, mas ligeiro. Agora estou muito empolgado com esse curso, justamente por ser um contato maior, com 12 encontros programados. Dá para fazer um trabalho muito mais aprofundado. Além de ser um prazer, é uma honra estar no meio de tantos craques. E é uma sorte incrível que todos eles sejam amigos. Sou muito feliz por fazer parte dessa geração de músicos”, diz.


Nova realidade
exige reinvenção


O baixista Enéias Xavier, um dos professores mais antigos da escola de Barbacena, afirma que maior do que a oportunidade de adquirir conhecimento teórico é a possibilidade de compartilhamento, que faz do projeto “Bituca: de Casa” uma iniciativa tão robusta.

“Enquanto estava lecionando antes da pandemia, a gente parava aula no meio, ia lanchar com os alunos, conversar, contar nossas experiências, isso tudo fazia parte da aula. É pré-requisito ser músico atuante para ser professor lá. Então, nesse projeto, a gente deve continuar com a concepção de tentar passar o que vivemos com a música até agora e como a gente está se reinventando, além do que projetamos para o momento pós-pandemia. O modelo de ensino passa pela ideia do compartilhamento de experiências profissionais e de vida”, explica.

O clarinetista Caetano Brasil, que foi aluno da Bituca Universidade Popular de Música de 2010 a 2014 e participou, como instrumentista, de alguns espetáculos do Ponto de Partida, comemora poder integrar oficialmente o corpo de professores da escola. 

fronteiras “No modelo remoto, você perde o contato presencial, mas expande as fronteiras, pode chegar a qualquer pessoa do mundo. Além do meu trabalho artístico, tenho dado muitas aulas, atendendo a demanda de alunos que antes não tinha tempo de atender. Estou experimentando o ensino remoto com bastante intensidade durante este período de pandemia”, comenta.

 “Arte, você aprende na pulsação do artista”, pontua Regina Bertola, exaltando a metodologia do grupo Ponto de Partida adotada pelo “Bituca: de Casa”, em que o aluno vai trocando de tutor.

“O aprendizado está na sua mão, você seleciona, a partir de um monte de informações, o que é importante para você. Nossa residência ainda tem uma coisa incrível: apenas dois residentes para um mestre. É muito individual, exclusiva. E gratuita. Uma formação dessas é muito cara para o músico jovem, porque os mestres são artistas referenciais, alguns de renome internacional”, destaca.

A concorrência é grande e a seleção dos residentes – a cargo dos próprios mestres/tutores e da equipe da Bituca – será muito difícil, diz Regina. Na abertura das inscrições, em 26 de julho, 60 candidatos se apresentaram nas primeiras duas horas, vindos de 15 estados e também da Argentina.

A boa recepção aponta para a continuidade do projeto. “A gente tem refletido muito sobre adotar, quando pudermos retomar as aulas presenciais, um modelo híbrido para manter esse tipo de experiência. Ela vem sendo muito bem-sucedida, mas é algo novo, inédito, acho que a primeira experiência do tipo no Brasil. Então, temos de avaliar: se ela for fecunda, não pode parar, porque é muito forte. Tem de ficar a reflexão sobre o que a pandemia nos obrigou a fazer e quais dos caminhos que a gente encontrou podem ser permanentes”, pondera Regina Bertola.

O baixista Enéias Xavier destaca a importância de compartilhar experiências com os alunos(foto: Alex Ayala/divulgação)
O baixista Enéias Xavier destaca a importância de compartilhar experiências com os alunos (foto: Alex Ayala/divulgação)

OS MESTRES

Baixo
Enéias Xavier, Jorge Helder e Marcos Paiva

Bateria
Edu Ribeiro, Gladston Vieira e Lincoln Cheib

Canto
Andrea Amendoeira, Babaya e Mônica Salmaso

Clarinete
Caetano Brasil, Joana Queiroz e Nailor Proveta

Flauta
Léa Freire, Mauro Rodrigues e Toninho Carrasqueira

Percussão
Marco Lobo, Paulo Santos e Serginho Silva

Piano
Benjamim Taubkin, Fábio Torres e Felipe Moreira

Sanfona
Eliomar Landim, Nonato Lima e Toninho Ferragutti

Sax
Carlos Malta, Cléber Alves e Teco Cardoso

Violão
Gilvan de Oliveira, Leandro do Carmo e Marco Pereira



PARA PARTICIPAR

» Preencher a ficha de inscrição e responder a perguntas do questionário, em https://bituca.org.br/inscricoes-2/bituca-de-casa/.

» Anexar, no campo “link para o vídeo-música”, um vídeo simples, caseiro, tocando uma música de que goste, no instrumento para o qual você está se inscrevendo ou cantando (se estiver se inscrevendo para canto). O vídeo deve ser gravado especialmente para esta seleção. Não poderá ser editado e deve ter duração máxima
de dois minutos.

» Anexar, no campo “link para o videotexto”, um vídeo simples, caseiro, dizendo o motivo de você querer participar do projeto “Bituca: de Casa”, com duração máxima de dois minutos.

» Em respeito aos protocolos de saúde e distanciamento social, você deve tocar ou cantar sozinho ou com playback. Se for acompanhado, que seja por um instrumentista que more com você.

» Os vídeos devem ser gravados sem edição e estar nas plataformas YouTube ou Vimeo, sem senha de acesso e não listados.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade