Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Latinos marcam presença na competição do Festival de Veneza

Mostra italiana que começa no próximo dia 1º de setembro também terá curta de Bárbara Paz gravado em Ouro Preto (fora da disputa)


27/07/2021 04:00 - atualizado 27/07/2021 09:56

O espanhol Pedro Almodóvar abre a competição, no próximo dia 1º de setembro, com ''Madres paralelas''' (foto: Valery HACHE/AFP)
O espanhol Pedro Almodóvar abre a competição, no próximo dia 1º de setembro, com ''Madres paralelas''' (foto: Valery HACHE/AFP)
Depois de Cannes, Veneza. Mais antigo festival de cinema do mundo, o evento italiano vai reunir um time de grandes cineastas em competição pelo Leão de Ouro. Com sua 78ª. edição programada para o período de 1º. a 11 de setembro, o festival selecionou 21 longas para sua principal competição. E Pedro Almodóvar é quem vai abrir a seção oficial.  

O cineasta espanhol vai competir com "Madres paralelas", que entrelaça a vida de várias mulheres numa história em que ele aborda dois de seus temas favoritos: maternidade e família. 

Também foi convidado ao concurso o ganhador do Oscar italiano Paolo Sorrentino, com seu filme "The hand of God", rodado em sua cidade natal, Nápoles. Nele, o diretor explica sua relação com o futebol, com seu ídolo Maradona, e como ele salvou sua vida.

Após mais de 10 anos desde seu último filme, a premiada neozelandesa Jane Campion ("O piano", 1993) volta a competir com o longa "The power of the dog", inspirado na novela de mesmo nome de Thomas Savage, sobre uma guerra entre irmãos.

Kristen Stewart interpreta Lady Di em ''Spencer'', longa-metragem do chileno Pablo Larraín sobre o divórcio da princesa(foto: VALERIE MACON/AFP)
Kristen Stewart  interpreta Lady Di em ''Spencer'', longa-metragem do chileno Pablo Larraín sobre o divórcio da princesa (foto: VALERIE MACON/AFP)

LATINOS

Quatro filmes latinoamericanos participam da competição oficial – três estão na seção Orizzonti, dedicada a novos diretores. 
Premiado em 2015 com o Leão de Ouro com seu filme "Desde allá", o venezuelano Lorenzo Vigas volta a competir em Veneza com "La caja". O casal argentino Gastón Duprat e Mariano Cohn participa pela terceira vez da mostra com o filme "Competição oficial", protagonizado por Penélope Cruz e Antonio Banderas.

retornos Outro retorno a Veneza é o do chileno Pablo Larraín, aclamado há seis anos pelo seu inquietante filme sobre os mecanismos para encobrir os padres pedófilos em "O clube". Este ano ele compete com "Spencer", dedicado ao fim de semana em que Lady Diana, interpretada por Kristen Stewart, decidiu se divorciar do príncipe Charles.

Já o cineasta mexicano Michel Franco, que causou impacto no ano passado com seu filme "Nova ordem", volta a Veneza com "Sundown". O Brasil participa com dois filmes: o curta “Ato”, de Bárbara Paz, e o longa “7 prisioneiros”, de Alexandre Moratto, estrelado por Christian Malheiros e Rodrigo Santoro. Ambos serão exibidos fora de competição, na seção Orizzonti.

CRIATIVIDADE

"A qualidade média dos filmes está mais alta que o normal", afirmou o diretor do festival, Alberto Barbera. "É como se a pandemia tivesse estimulado a criatividade", acrescentou.

O cineasta sul-coreano Bong Joon-ho será o presidente do júri, que vai contar também com o diretor italiano Savério Costanzo, a atriz belgo-francesa Virginie Efira, as também atrizes Cynthia Erivo (Grã-Bretanha) e Sarah Gadon (Canadá), o cineasta romeno Alexander Nanau e a chinesa Chloé Zhao, diretora do premiado “Nomadland”. A atriz americana Jamie Lee Curtis e o diretor e ator italiano Roberto Benigni receberão o Leão de Ouro por suas trajetórias no cinema.

Veneza deve chamar a atenção pelas sessões fora de competição, pois vai exibir alguns dos principais blockbusters do segundo semestre: “Halloween kills”, de David Gordon Green; “Duna”, de Denis Villeneuve; “Noite passada em Soho”, de Edgar Wright, e “O último duelo”, de Ridley Scott. (Com a agência France Presse)

O ator Eduardo Moreira em cena de ''Ato'', gravado em Ouro Preto, com história sobre a solidão(foto: Rubim Produções/Divulgação)
O ator Eduardo Moreira em cena de ''Ato'', gravado em Ouro Preto, com história sobre a solidão (foto: Rubim Produções/Divulgação)

Curta “mineiro” de Bárbara Paz foi selecionado

Não fosse o teatro, não haveria cinema. Pelo menos no caso de “Ato”, curta-metragem de Bárbara Paz que será exibido no Festival de Veneza. No segundo semestre de 2020, a atriz e diretora participou do projeto Teatro em Movimento Digital, criado pela empresa mineira Rubim Produções. Após uma imersão com o artista argentino Matías Umpierrez, Bárbara, a atriz e diretora Yara de Novaes e o ator e diretor Cacá Carvalho criaram, cada um, projetos híbridos (teatro-cinema), que foram exibidos on-line. 

“Ato”, de autoria de Bárbara Paz, ela denominou de “cine-teatro” sobre a solidão. Fez um novo corte, mais “cinematográfico”, para exibir o curta de 20 minutos em festivais. O de Veneza foi o primeiro em que se inscreveu. Rodado em Ouro Preto e com roteiro de Cao Guimarães, o filme trata da solidão a partir de dois personagens, interpretados por Alessandra Maestrini e Eduardo Moreira.  
   

SUSPENSÃO

“É uma investigação sobre a solidão, dessa fase de suspensão que estamos vivendo com a pandemia. Chamei de ‘Ato’ porque é um movimento só. E acho que fala de uma maneira interessante do que é arte hoje. Os artistas ficaram muito tempo sem plateia e, hoje, quando estamos voltando, temos muito a dizer e não podendo”, afirma ela, que coproduziu o curta com Tatyana Rubim. 

Bárbara comenta que trabalhou muito na pandemia. “Fiz videoarte, diário visual, o curta é meio uma junção de tudo, já que os outros trabalhos foram mais solitários, e este em equipe.” Ela retornará a Veneza depois de ter levado, há dois anos, o Leão de melhor documentário por “Babenco: alguém tem que ouvir o coração e dizer PAROU”.


A competição


Confira os longas em disputa pelo Leão de Ouro

• “Madres paralelas”, de Pedro Almodóvar (Espanha)
•  “Mona Lisa and the blood moon”, de Ana Lily Amirpour (Estados Unidos)
•  “Un autre monde”, de Stéphane Brizé (França)

(foto: VALERIE MACON/AFP)
(foto: VALERIE MACON/AFP)

•  “The power of the dog”, de Jane Campion (foto) (Nova Zelândia/Austrália) 
•  “America Latina”, de Fabio d’Innocenzo e Damiano d’Innocenzo (Itália/França)
•  “L’événement”, de Audrey Diwan (França)
•  “Competencia oficial”, de Gastón Duprat (Espanha/Argentina)
•  “Il Buco”, de Michelangelo Frammartino (Itália/França/Alemanha)
•  “Sundown”, de Michel Franco (México/França/Suécia)
•  “Illusions perdues”, de Xavier Giannoli (França)
• “The lost daughter”, de Maggie Gyllenhaal (Grécia/Estados Unidos/Reino Unido/Israel)
•  “Spencer”, de Pablo Larraín (Alemanha/Reino Unido)
•  “Freaks out”, de Gabriele Mainetti (Itália/Bélgica)
•  “Qui rido Io”, de Mario Martone (Itália/Espanha)
•  “On the job: The missing 8”, de Erik Matti (Filipinas)
•  “Leave no traces”, de Jan P. Matuszynski (Polônia/França/República Tcheca)
•  “Captain Volkonogov escaped”, de Natasha Merkulova e Aleksey Chupov (Rússia/Estônia/França)
•  “The card counter”, de Paul Schrader (Estados Unidos/Reino Unido/China)
•  “The hand of God”, de Paolo Sorrentino (Itália)
•  “Reflection”, de Valentin Vasyanovych (Ucrânia)
•  “La caja”, de Lorenzo Vigas (México/Estados Unidos)

. Brasil em Veneza
• “Ato”, de Bárbara Paz (Mostra Orizzonti de curtas; fora de competição)
• Longa “7 prisioneiros”, de Alexandre Moratto (Mostra Orizzonti Extra)


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade