Publicidade

Estado de Minas CINEMA

Oscar abraça a diversidade nos temas dos filmes e nas indicações

Alvo de uma série de críticas nos últimos anos pela falta de representatividade de negros, mulheres e minorias, a Academia de Hollywood tenta mudar a história


25/04/2021 04:00 - atualizado 25/04/2021 09:36

Riz Ahmed é o primeiro muçulmano indicado à estatueta de melhor ator. Ele interpreta um baterista que perde a audição em
Riz Ahmed é o primeiro muçulmano indicado à estatueta de melhor ator. Ele interpreta um baterista que perde a audição em "O som do silêncio" (foto: Prime Video/Divulgação)

No futuro, a 93ª edição da cerimônia de premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood poderá ser lembrada como o “Oscar da pandemia” ou também, e isto vai depender da distribuição de troféus na noite deste domingo (25/4), como o “Oscar da mudança”. 

Com “Mank”, de David Fincher, capitaneando as nomeações em 10 categorias, depois das polêmicas edições de 2015 e 2016, em que apenas intérpretes brancos entraram na seleção, vários indicados fogem do perfil dominante.

Pela primeira vez em um mesmo ano, há duas mulheres disputando o Oscar de melhor direção: Chloé Zhao (por “Nomadland”) e Emerald Fennell (por “Bela vingança”). Os respectivos longas também concorrem ao principal prêmio da noite. 

São oito candidatos a melhor filme: além dos três já citados, estão na lista “Meu pai”, “Judas e o messias negro”, "Minari – Em busca da felicidade", “O som do silêncio” e “Os 7 de Chicago”.

Chadwick Boseman é o favorito ao Oscar de melhor ator(foto: Netflix/Divulgação)
Chadwick Boseman é o favorito ao Oscar de melhor ator (foto: Netflix/Divulgação)


Chadwick Boseman
, tido como favorito à estatueta de melhor ator por “A voz suprema do blues”, é o sétimo intérprete indicado a um Oscar póstumo. Estão na disputa na mesma categoria Steven Yeun, por “Minari – Em busca da felicidade”, o primeiro asiático-americano a concorrer a melhor ator, e Riz Ahmed, por “O som do silêncio”, o primeiro muçulmano.

Entre as atrizes principais, há duas negras, Viola Davis ("A voz suprema do blues") e Andra Day ("Estados Unidos vs. Billie Holiday"). Nas categorias de coadjuvantes, a dupla de “Judas e o messias negro”, Daniel Kaluuya e Lakeith Stanfield, está na disputa. 

Outro filme que tem como pano de fundo a luta pelos direitos civis nos EUA, “Uma noite em Miami”, garantiu uma indicação de coadjuvante a Leslie Odom Jr., que interpreta o cantor Sam Cooke. 

"Acho que este Oscar será lembrado como aquele em que as mudanças introduzidas no corpo de eleitores há seis anos, graças ao #OscarsSoWhite, cumpriram as promessa de reforma da Academia", escreveu o ator Dwayne Barnes em um artigo para o site “Deadline”.
 

PERFIL 

Sob pressão, a Academia reconheceu em 2016 que seus então 6 mil membros eram 93% brancos e 76% homens, com idade média de 63 anos. A instituição anunciou que pretendia dobrar o número de mulheres e integrantes de origens diversas até 2020. 

A aposta se concretizou no ano passado, quando os profissionais que votam no Oscar passaram a registrar 33% de mulheres e 19% de membros de "minorias sub-representadas" (1.787 no total). 

Além disto, o Oscar deste ano contará com um longa sobre um baterista com perda auditiva que concorre ao prêmio de melhor filme (“O som do silêncio”), um documentário que explora um acampamento hippie para jovens com deficiência (“Cris Camp: A revolução da inclusão”) e o primeiro filme protagonizado por um ator surdo e cego (Robert Tarango, do curta “Feeling through”).  

A premiação deste domingo vai refletir outra mudança, esta com relação direta à própria forma de consumo de filmes. Com a pandemia, parte da produção audiovisual foi escoada para o streaming, que lançou vários filmes previstos anteriormente para os cinemas. 

A Academia mudou, para esta edição, as regras do Oscar, permitindo que produções que chegaram diretamente nas plataformas pudessem concorrer. Sendo assim, a Netflix foi a campeã de indicações entre os estúdios. Recebeu 35 nomeações, seu maior número até então. São dela “Mank”, “O 7 de Chicago”, “A voz suprema do blues”.

A presença maciça do streaming fez com que um público maior tivesse acesso aos indicados. Mas nem todos, por assim dizer. Dos oito indicados a melhor filme, dois só chegarão ao Brasil (e exclusivamente nas salas de cinema) depois da cerimônia

Favorito ao principal prêmio da noite, “Nomadland” está previsto para estrear na próxima quinta-feira (29/4). “Bela vingança” já mudou de data algumas vezes – agora tem previsão para 13 de maio. Como Belo Horizonte permanece com seus cinemas fechados, outra produção das oito de melhor filme que não pode ser vista na capital mineira é “Minari – Em busca da felicidade”, que estreou no país na última quinta-feira (22/4). (Com agências de notícias)



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade