Publicidade

Estado de Minas ARTES VISUAIS

Censurado, artista plástico Ai Weiwei não dá trégua ao governo chinês

Obras do dissidente, um dos nomes mais importantes da arte contemporânea, deverão ser excluídas da mostra de abertura do museu M+, em Hong Kong


01/04/2021 06:00 - atualizado 01/04/2021 07:15

(foto: Daniel Leal-Olivas/AFP 28/9/2020)
(foto: Daniel Leal-Olivas/AFP 28/9/2020)
 
Quando foi fotografado fazendo um gesto obsceno na Praça Tiananmen, no coração de Pequim, o artista dissidente chinês Ai Weiwei sabia que estava provocando, mas não imaginava que 26 anos depois sua obra estaria no coração de uma polêmica sobre a censura em Hong Kong.

Durante muito tempo, a ex-colônia britânica desfrutou de liberdades desconhecidas no restante da China continental. Agora, porém, luta para garantir a reputação como refúgio cultural, devido à forte interferência no território por parte do governo comunista chinês.

Museu M , que será aberto em Hong Kong, não deve expor as obras de Ai Weiwei de seu acervo(foto: Peter Parks/AFP)
Museu M , que será aberto em Hong Kong, não deve expor as obras de Ai Weiwei de seu acervo (foto: Peter Parks/AFP)


REPRESSÃO 

Abalada pelos protestos de 2019 em Hong Kong, Pequim iniciou uma drástica repressão ao movimento pró-democracia, mediante a draconiana lei de segurança nacional que não poupa o mundo da arte.

Em seu exílio em Berlim, Ai Weiwei, de 63 anos, o mais famoso artista chinês contemporâneo, está convencido de que Hong Kong sofre a mesma rígida censura imposta à China continental.

“Qualquer forma de liberdade de expressão pode ser declarada ilegal ou subversiva”, afirma Weiwei. “Essa lei foi aplicada na China continental, não resta dúvida de que está sendo aplicada atualmente em Hong Kong.”

Quando se pensa em arte em Hong Kong, todos os olhares se voltam para o Museu M+, cuja inauguração foi “interrompida”. O espaço de 60 mil metros quadrados finalmente abrirá as portas este ano, com muito atraso e a enorme ambição de competir com o Tate Modern, de Londres, e o MoMA, de Nova York.

O museu conta com uma das melhores coleções de arte chinesa contemporânea do mundo, principalmente graças à doação do colecionador suíço Uli Sigg. O catálogo on-line apresenta 249 obras de Ai Weiwei, assim como fotos de Liu Heung-shing da repressão na Praça de Tiananmen, em 1989, tema censurado na China continental.

Muitos se questionam sobre as condições do museu para expor tais obras em meio ao contexto repressivo. Políticos pró-Pequim de Hong Kong já acusaram a instituição de violar a lei de segurança e “espalhar o ódio contra o país”, destacando a foto de Ai Weiwei em Tiananmen.

O artista descreve os curadores do M como “grandes profissionais” dotados de “integridade criativa”, mas que enfrentam “um mundo que muda rápido demais”.
Weiwei se pergunta se alguma de suas obras, que foram exibidas em 2016 em Hong Kong, estará no M . “A sociedade liberal e democrática de Hong Kong está desaparecendo”, lamenta.

Criador multifuncional, o pintor, escultor e artista plástico ajudou a projetar o Ninho de Pássaro, o estádio de Pequim para os Jogos Olímpicos de 2008. Porém, acabou se tornando alvo do governo.

Weiwei causou a indignação das autoridades de Pequim, primeiramente, ao investigar o colapso das escolas durante o terremoto de 2008, na província de Sichuan, e, depois, o incêndio que deixou dezenas de vítimas em Xangai, em 2010.

PRISÃO 

Em, 2011, o artista plástico ficou 81 dias preso na China. Quatro anos depois, decidiu deixar o país e morar na Alemanha.

Em 2019, extensa exposição dos trabalhos dele pôde ser conferida no Centro Cultural Banco do Brasil, em Belo Horizonte. Obras impactantes de Weiwei retrataram a luta do artista em defesa da liberdade e dos direitos humanos.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade