Publicidade

Estado de Minas

Espaços culturais de BH reabrem as portas para artistas

Mesmo sem plateia, shows e espetáculos são transmitidos dos locais. Gestores apostam em novos formatos virtuais para se conectar com o público


24/08/2020 04:00 - atualizado 23/08/2020 22:37

Live do Jota Quest abriu as portas do CCBB-BH para a presença de artistas no local desde o início da pandemia: adaptações foram feitas seguindo protocolos de normas sanitárias(foto: JP Lima/divulgação)
Live do Jota Quest abriu as portas do CCBB-BH para a presença de artistas no local desde o início da pandemia: adaptações foram feitas seguindo protocolos de normas sanitárias (foto: JP Lima/divulgação)
 
A espera pelo encontro presencial com o público continua para artistas de Belo Horizonte. Mesmo com novos protocolos de abertura anunciados na última semana pela Prefeitura de BH, espetáculos com plateia em teatros e casas de show continuam sem previsão de retorno por causa da pandemia do novo coronavírus. Porém, o reencontro com os palcos já começou gradualmente. Nos últimos dias, alguns dos mais importantes espaços culturais da capital receberam apresentações transmitidas ao vivo pela internet. Uma nova etapa no compasso de espera pela reabertura ainda incerta.
No sábado (22), o Jota Quest se apresentou direto do CCBB. Na sexta-feira (21), Telo e Lô Borges subiram ao palco do Teatro do Centro Cultural da Minas Tênis Clube ao lado de Flávio e Cláudio Venturini, enquanto a Orquestra Ouro Preto fazia apresentação comemorativa no Sesc Palladium. Poderiam ser noites de movimento intenso nas bilheterias em tempos normais, mas só foi possível acompanhar as apresentações pela internet, como tem sido desde o início da pandemia. No entanto, o retorno dos artistas representa um passo importante para esses lugares.

André Rubião, diretor de Cultura do Minas Tênis Clubes, explica que eventos como a live 4 irmãos, na última sexta (21), são fruto do retorno da integralidade da equipe. "O que nos motiva é não ficar parados. Queremos utilizar mais o teatro, muita gente da equipe teve férias durante a quarentena, mas agora estamos investindo em equipamentos para melhorar as lives, para nos adequar ao contexto", explica. Rubião destaca que o Centro Cultural do MTC trabalha com a perspectiva de "volta moderada", o que inclui também o uso da área externa do espaço, na Rua da Bahia, que recebe atualmente instalação dedicada ao artista plástico e escultor Amílcar de Castro (1920 -2002), que completaria 100 anos em 2020. Segundo ele, essas iniciativas permitem ainda "dar melhor visibilidade virtual” ao espaço, diante da expectativa de volta parcial das atividades presenciais no futuro.

No caso do Centro Cultural do Banco do Brasil, apesar de outros conteúdos disponibilizados virtualmente anteriormente, a live do Jota Quest foi o primeiro evento envolvendo a presença de artistas no local desde o início da pandemia. De acordo com Leonardo Camargo, gerente-geral do CCBB-BH, o foco é seguir disponibilizando cultura à população para amenizar o isolamento, e sempre se preocupando com os protocolos sanitários. Segundo ele, a apresentação da banda, que procurou o espaço para a realização, foi possível dentro desses parâmetros, com o mínimo de pessoas possível.
"O CCBB continua com suas atividades, embora fechado ao público. Temos manutenção de acervo, então há toda uma equipe que não parou. Estamos nos adaptando, trabalhando para, quando pudermos reabrir com a devida autorização das autoridades, estar preparados dentro dos novos protocolos de segurança. Essa live foi possível por não ter público nenhum, apenas banda e técnicos, em um espaço grande, que nos permitiu cumprir nosso objetivo de levar entretenimento para a casa das pessoas", afirma Camargo.
No Centro Cultural do Minas Tênis Clube, a
No Centro Cultural do Minas Tênis Clube, a "volta moderada" inclui também o uso da área externa do espaço, que recebe instalação dedicada ao artista plástico e escultor Amílcar de Castro (foto: Orlando Bento/DivulgaÇÃO)

CONEXÃO

O Sesc Palladium, de intensa programação antes da pandemia, procurou transportar parte dela para ambientes virtuais, mas o palco do teatro, na Rua Rio de Janeiro, no Centro de BH, só voltou a ser utilizado na última sexta-feira (21), com apresentação da Orquestra Ouro Preto, que celebrou 20 anos de atividades em transmissão ao vivo pelo YouTube. No domingo (23), foi a vez da banda Exodus, formada por integrantes do Skank, Jota Quest, Pato Fu, Terral e ex-integrantes do Tianastácia, que usou a estrutura local para transmitir um show dentro do projeto Música para Todos, que conta com apoio do Sesc, e deverá se repetir mensalmente com outros artistas. Os concertos ao vivo no local também deverão se tornar semanais, aos domingos, a partir de setembro. O público, contudo, seguirá acompanhando de casa.

Priscilla D’Agostini, gerente do Sesc Palladium, ressalta que a reutilização do palco local é consequência da reestruturação planejada desde março, "seguindo rigorosamente os decretos, e que só abrirá para o público com a devida autorização". Segundo ela, foi preciso um tempo para entender os protocolos e viabilizar essas atividades que conectam o espaço ao público. "Nosso foco é o encontro, independentemente do lugar", explica. Além disso, ela afirma que o processo mira um futuro próximo em que "haverá um equilíbrio entre presencial e virtual muito grande dentro das nossas propostas. Então, é muito importante estar atento a esse contexto, seguindo protocolos, para potencializar esses encontros virtuais, que contemplam vários públicos e ainda atraem novos frequentadores para o local para quando pudermos recebê-los", diz Priscilla.

'O que falta são os aplausos'

Regida pelo maestro Fabio Mechetti, Filarmônica retomou os concertos na Sala Minas Gerais, em formato adaptado e com menos músicos no palco(foto: Rafael Motta/Divulgação)
Regida pelo maestro Fabio Mechetti, Filarmônica retomou os concertos na Sala Minas Gerais, em formato adaptado e com menos músicos no palco (foto: Rafael Motta/Divulgação)
Em outros espaços, o processo já aconteceu há mais dias, como na Sala Minas Gerais, que voltou a receber a Orquestra Filarmônica em 6 de agosto, depois de quase cinco meses. Em formato adaptado, com menos artistas no palco, para preservar a saúde dos músicos dentro dos protocolos, a companhia apresentou os concertos para piano nº 3 em dó menor e nº 4 em sol maior, de Beethoven, dando início a uma programação prevista para este segundo semestre, dedicada a homenagear os 250 anos do músico alemão. Ainda sem poder receber plateia, o evento foi transmitido com exclusividade para assinantes, que receberam o link para assistir via internet.
 
A retomada dos concertos faz parte de um processo que visa ao momento no qual a presença do público, ainda que reduzida, seja autorizada. "Montamos programação atrativa, mas muito cautelosa com nossos músicos. Nos apresentamos com grupos pequenos, duetos, trios ou quartetos, e quando tivermos condições de receber o público, estaremos preparados, porque já temos os devidos protocolos", afirma o diretor artístico e regente titular, Fabio Mechetti.

Sobre a experiência de se apresentar no local de costume, mas sem o público, ele revela um misto de sentimentos. "Música se faz para o público. Especialmente para os músicos, é um pouco frustrante não ter a presença dele, mas ficamos contentes pela volta ao trabalho ao vivo, fazendo música juntos, e pelo prazer de voltar a estar naquela sala maravilhosa. O que falta são os aplausos, que certamente acontecerão, até com mais energia, quando for possível", argumenta.

Apesar dessa tendência de retorno dos artistas aos palcos, mesmo sem o público, há também quem adote certa cautela. No caso do Palácio das Artes, apesar de também oferecer variada programação cultural virtual desde o começo da pandemia, o Grande Teatro e demais estruturas seguem aguardando um momento mais favorável em relação à pandemia para mais utilizações. "Nossa premissa tem sido a questão da saúde, tanto para funcionários, quanto para artistas. Criamos um comitê estratégico, bem plural, para avaliar as possibilidades de uso dos espaços neste cenário de pandemia. Então, as poucas coisas que fizemos nos nossos espaços nesse tempo foram sempre observando isso", analisa Luciana Salles, diretora cultural do Palácio das Artes. Até então, as estruturas da Fundação Clóvis Salgado só foram usadas para pequenas gravações.

No horizonte do Palácio está a realização de mais uma edição do Mês da Ópera, em outubro. Mas Luciana Salles revela que o planejamento é feito com muitos critérios. "O desenho que fazemos é pensando: estaremos aptos? Haverá essa possibilidade? Quantas pessoas envolvemos nessa transmissão? Então, ainda não sabemos se será ao vivo ou gravado, estamos estudando. Claro que queremos receber projetos nas nossas salas, mas é preciso pensar na modelagem", observa. Ela também destaca a ideia de um formato mesclado entre o presencial e o digital no futuro próximo, quando houver condições sanitárias adequadas. Segundo a diretora cultural, o Palácio das Artes trabalha com mais de 20 protocolos para seus diferentes espaços e setores, preocupando-se não só com o público, mas com as equipes profissionais e artistas.  

Reabertura  em Inhotim
(foto: Rossana Magri/Divulgação)
(foto: Rossana Magri/Divulgação)

Um dos espaços culturais mais conhecidos e procurados de Minas, o Instituto Inhotim (foto), em Brumadinho, na Grande BH, anunciou a implantação de seu protocolo de reabertura. Mesmo sem data definida para a volta do público pelas autoridades, o museu publicou uma série de medidas pensando na segurança dos visitantes e funcionários em relação à COVID-19. Entre elas estão a diminuição do limite de público de 5 mil pessoas diárias para 500, com ingressos retirados antecipadamente pela internet. As regras foram definidas pela Infection Control, consultoria especializada liderada pelo infectologista Carlos Starling.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade