Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Burna Boy combina alegria e esperança em disco com mensagens sociais

Queridinho dos artistas britânicos e parceiro de Beyoncé, cantor e compositor nigeriano lança o álbum 'Twice as tall', gravado durante a pandemia. Faixas dançantes celebram a vida e denunciam o racismo


18/08/2020 04:00 - atualizado 18/08/2020 16:05

O compositor nigeriano Burna Boy na festa do Brit Awards 2020, realizada em fevereiro, em Londres(foto: Tolga Akmen/AFP %u2013 18/2/2020)
O compositor nigeriano Burna Boy na festa do Brit Awards 2020, realizada em fevereiro, em Londres (foto: Tolga Akmen/AFP %u2013 18/2/2020)
Em abril passado, Burna Boy apareceu para o grande público pela primeira vez durante o One world: Together at Home, festival beneficente e on-line com curadoria de Lady Gaga que reuniu Paul McCartney, The Rolling Stones e Elton John, entre outros astros. Sua performance de African giant, música que dá título ao álbum lançado em julho do ano passado, chamou a atenção nos quatro cantos do mundo. De repente, todos se questionavam: quem é Burna Boy?

Nascido Damini Ebunoluwa Ogulu Rex, o cantor e compositor nigeriano, de 29 anos, ganhou fama com o single Like to party, de 2012, seguido do álbum L.I.F.E – Leaving an impact for eternity (2013). Sua estreia internacional ocorreu mais tarde, em 2017, depois de assinar com grandes gravadoras nos Estados Unidos e lançar o disco Outside (2018).
 
A popularidade crescente de estilos como reggae, dancehall e afrobeat torna este momento bastante auspicioso para um artista como Burna Boy. Em seu trabalho, ele combina diferentes estilos contemporâneos com a herança nigeriana e cria algo tão cativante quanto inovador.

Mas o que realmente torna seu sexto álbum, Twice as tall (Atlantic Records/Warner), uma bem-vinda adição a seu catálogo é a maneira como ele encara temas obscuros em ritmo dançante – e até otimista.

Lançado na última sexta-feira (14) e disponível nas principais plataformas digitais, o trabalho abre com uma introdução que parece retirada de um filme protagonizado por Fred Astaire (1899-1987). Alguns segundos de estranhamento depois e, pronto, lá está a inconfundível voz de Burna Boy cantando sobre dissabores de ser um artista negro galgando espaço no mercado internacional.

“Lembro quando eu não conseguia subir de nível/ Porque o Grammy me fez sentir muito mal/ Fazendo perguntas como: 'Por que não fomos nós?'”, canta ele em Level up, faixa com a participação do músico senegalês Youssou N'Dour.

Embora melancólica, a canção se mistura perfeitamente com a faixa seguinte, a dançante Alarm clock, que mistura os ótimos vocais de Burna com batidas fortes. O ritmo animado se mantém em Way too big, um dos destaques do disco por conta da sonoridade eletrônica.

Com 15 faixas e produção executiva assinada por Diddy, Bosede Ogulu e pelo próprio Burna Boy, Twice as tall também traz a participação do rapper britânico Stormzy na faixa Real life.

Gravado quase inteiramente em Lagos, na Nigéria, devido às restrições impostas pela pandemia, o disco apresenta um pouco da cultura nigeriana para o mundo com trechos em iorubá em meio a letras majoritariamente em inglês – com sotaque nigeriano, é claro. O single Wonderful, lançado no final de junho para anunciar a chegada do álbum, é um bom exemplo disso.

“É importante mostrar que a música é uma força unificadora que transcende as fronteiras. Esta canção é sobre as 'maravilhas' de ver o impacto da minha música na vida das pessoas enquanto elas compartilham suas alegrias, dores e prazeres comigo quando viajo pelo mundo”, afirmou Burna Boy, em comunicado enviado à imprensa.

“Isso serve como uma nota de que não importa o quão longe você vá, ou o quanto você trabalhe, você deve sempre estar pronto para voltar para casa. A pandemia forçou todos nós a nos refugiarmos em nossas casas. Acima de tudo, a África é o lar, é a pátria mãe de todas as pessoas. Para que realmente importemos, a África tem que importar”, declarou o artista.
 
Muito embora o disco seja uma celebração, na maioria das faixas, Twice as tall reserva momentos de reflexão sobre as experiências dos negros. Em tom épico, Monsters you made fala sobre racismo e escravidão, dialogando diretamente com as manifestações do movimento Black Lives Matter. A faixa conta com a participação de Chris Martin, vocalista da banda Coldplay.

Sólido e fiel ao estilo que consagrou Burna Boy como um dos artistas mais intrigantes da última década, Twice as tall reitera a capacidade do nigeriano de misturar sons, estilos e culturas para criar canções que falam sobre um mundo melhor, sem se descolar das questões sociopolíticas e históricas que definem a sociedade contemporânea.
 

PARCERIAS 


>> MY OASIS (Com Sam Smith)
A parceria mais recente de Burna Boy é com o britânico Sam Smith. A canção foi lançada como single em 30 de julho e integra o EP Stripped, liberado na última sexta-feira (14), e composto por versões acústicas de músicas do cantor como Latch, Dancing with a stranger e To die for, além de um cover de Fix you, do Coldplay.

>> OWN IT (Com Stormzy)
Presente no álbum Heavy is the head (2019), do Stormzy, Own it conta com a participação de Burna Boy e Ed Sheeran. Lançada em dezembro de 2019, a faixa antecipa a afinidade musical que Stormzy e Burna mostram em Real life. A canção foi tão bem-sucedida que ganhou remix assinado pelo rapper e produtor sul-coreano Changmo.

>> BE HONEST (Com Jorja Smith)
Lançada em agosto de 2019, a música Be honest marca o segundo encontro de Burna Boy com a cantora britânica Jorja Smith, que participa da faixa Gum body, do álbum African giant. Dessa vez, os dois se unem num reggaeton, pavimentando o caminho para o segundo disco de Jorja, sucessor do ótimo Lost & found (2018).

>> JA ARA E (Com Beyoncé)
Além de Beyoncé, Burna Boy é o único músico a ter uma faixa solo no disco The lion king: The gift (2019), que serviu de inspiração para o recém-lançado filme Black is king. Em JA ARA E, ele canta em iorubá e em inglês sobre como se manter firme e focado na família.

>> YOUR CHOICE (Com Lily Allen)
Comprovando, mais uma vez, sua afinidade com artistas britânicos, Burna Boy fez uma participação no último trabalho de estúdio de Lily Allen, No shame (2018), na faixa Your choice. A parceria dos dois também rendeu outro fruto: Lily aparece em Heaven's gate, música presente no disco Outside, lançado por Burna também em 2018.

>> SUNSHINE RIPTIDE (Com Fall Out Boy)
Ainda que Mania (2018) seja uma salada eletrônica de gosto bastante duvidoso, a faixa Sunshine riptide é uma das poucas que se salvam no disco da banda de pop punk estadunidense Fall Out Boy. Além disso, a canção prova que Burna Boy não alimenta preconceitos sobre estilo musical ao assinar parcerias.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade