Publicidade

Estado de Minas

Filmes eram 'premonição' desses tempos sombrios

Em tempos de coronavírus, o cinema mostra como ameaças à vida humana foram retratadas. As abordagens vão da paixão ao terror e ao inimigo alienígena


postado em 23/03/2020 04:00 / atualizado em 23/03/2020 07:12

Em Fim dos tempos, de 2008, família se refugia numa zona rural para escapar da onda de mortes(foto: CENTURY FOX/DIVULGAÇÃO)
Em Fim dos tempos, de 2008, família se refugia numa zona rural para escapar da onda de mortes (foto: CENTURY FOX/DIVULGAÇÃO)
Dificilmente alguém foge da realidade em tempos de pandemia – ainda mais com as redes sociais despejando milhões de informações, algumas úteis, outras mentirosas, a televisão falando sobre o novo coronavírus (COVID-19) vinte e quatro horas do dia, e o assunto à mesa não ser outro além do avassalador drama mundial. Mas nestes dias em que a maioria está de quarentena em casa, há muitos livros e filmes que ajudam a passar o tempo e a entender melhor as tenebrosas ameaças globais

Um dos melhores e mais sublimes nessa lista é Morte em Veneza, de 1971, dirigido por Luchino Visconti (1906-1976), italiano de Milão. Parece até premonição, no momento em que a Itália aparece como o país europeu mais atingido pela doença, com milhares de mortes, em números que já superaram os da China, país de origem do vírus.

Mas vamos ao filme, que tem o Adagietto da Sinfonia número 5, de Gustav Mahler, como candente fio condutor. Com a direção magistral do milanês Visconti e interpretações soberbas de Dirk Bogarde e Silvana Mangano, a história é baseada no livro homônimo do alemão Thomas Mann (1875-1955), o mesmo de A montanha mágica.

Na pele do compositor Gustave Aschenbach, Dirk Bogarde inspira paixão e transpira compaixão no choque entre arte e inocência, idade e juventude, corpo e alma. No início do século passado, Aschenback viaja para Veneza e se hospeda num suntuoso hotel à beira-mar, fugindo de crises pessoal e artística. Tudo ia aparentemente calmo, no coração e na paisagem, até ele pôr os olhos no adolescente Tadzio (Björn Andresen).

Os olhares, os desencontros e a atração do compositor pelo jovem louro são cenas dignas de um mestre do cinema. Não há toques, como pedem os tempos atuais. E naqueles tempos imperavam a vigilância da mamma e do séquito de empregados. Entre o senhor e o efebo há nada menos do que o cólera dominando o cenário veneziano. E aí mora o perigo.

Morte em Veneza, de 1971, mescla o ambiente de crise existencial, paixão e uma região dominada pelo cólera (foto: PANDORA FILMES/DIVULGAÇÃO)
Morte em Veneza, de 1971, mescla o ambiente de crise existencial, paixão e uma região dominada pelo cólera (foto: PANDORA FILMES/DIVULGAÇÃO)
EXTREMOS 

O cinema é pródigo em criar atmosferas apocalípticas, anunciando o fim dos tempos e trazendo para as telas vírus mortíferos. Norte-americanos e japoneses são mestres em dar sustos, vestir atores com macacões brancos e cobrir-lhes o rosto com potentes anteparos de vidro.

Mas há aqueles em que trazem “a morte” de um jeito tão discreto que nem contagia (sem trocadilho, por favor) a plateia. Foi o caso de Fim dos tempos, de 2008, de M. Night Shyamalan. Vale dizer que ele dirigiu O sexto sentido, de 1999, o arrasa-quarteirão com Bruce Willis, e depois não emplacou mais nenhum sucesso de crítica – de público, até vá lá...

Na trama, que tem Mark Wahlberg como protagonista, ocorrem mortes em várias cidades dos Estados Unidos, que coincidem em dois pontos: desafiam a razão e chocam pelo inusitado. Sem saber o que está ocorrendo, o professor Elliot Moore (Wahlberg) quer encontrar um meio de escapar do misterioso fenômeno. Ele e a mulher (Zooey Deschanel) decidem partir para as fazendas da Pensilvania com Julian (John Leguizamo), um professor amigo de Elliot, e Jess (Ashlyn Sanchez), a filha dele, de 8 anos. Lá, eles acreditam que estarão a salvo. Talvez na época o filme não tenha tido o sucesso esperado, mas hoje faz algum sentido.

A BOLHA 

Neste filme de terror em que 2020 se converteu e parece não se cansar de exibir, com chuvas torrenciais e contínuas, cerveja contaminada e coronavírus instaurando o pânico, há espaço para uma fita de 1958, A bolha assassina, que, três décadas depois, ganhou remake em Hollywood. É sinistro, mas toca o terror.

Em resumo, um homem encontra uma bolha gelatinosa vinda do espaço. Logo, ela gruda em seu corpo e o devora. Uma amostra, então, é levada ao médico, que não consegue identificar sua formação. Insaciável, ela necessita cada vez mais de nutrientes, atacando o que tem pela frente.

Até aí, tudo bem, não fosse por um detalhe: dizem que o filme foi baseado em fatos ocorridos no início dos anos 1950. Então... quem assistir verá. Ou será “quem viver verá”?


Publicidade