Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Livro narra conquistas e deslizes do vice-rei da música brasileira

Biografia aborda a trajetória de Nelson Gonçalves, que só não vendeu mais discos do que Roberto Carlos. Ele superou a pobreza, tornou-se rico e famoso, mas enfrentou problemas com drogas e acusações de violência doméstica


postado em 12/10/2019 04:00 / atualizado em 11/10/2019 23:35

Com 60 anos de carreira, Nelson Gonçalves foi um dos cantores mais carismáticos do país (foto: Jorge Audi/O Cruzeiro/Arquivo EM)
Com 60 anos de carreira, Nelson Gonçalves foi um dos cantores mais carismáticos do país (foto: Jorge Audi/O Cruzeiro/Arquivo EM)
Nelson Gonçalves é o segundo maior vendedor de discos da história do Brasil – bateu 81 milhões de cópias e ficou atrás apenas de Roberto Carlos, com 120 milhões. Amado por várias gerações, seu maior sucesso foi a canção A volta do boêmio, composta por Adelino Moreira, em 1957. No dia 21 de junho completaram-se 100 anos de seu nascimento, mas poucos se lembraram da data.
 
“Especialmente a imprensa, que outrora o elegeu como o Rei do Rádio. Apesar de midiaticamente esquecido, Nelson, ou Metralha, apelido que ganhou por causa da sua gagueira, permaneceu vívido no imaginário popular. Mais incrível ainda é pensar que, até agora, ele também não ganhou uma biografia à altura de sua obra”, lamenta o escritor e jornalista Cristiano Bastos.

Durante 13 anos, o gaúcho Bastos pesquisou a vida e a obra do conterrâneo Antônio Gonçalves Sobral (1919-1998) para escrever Nelson Gonçalves – O rei da boemia, lançamento da Editora Plus que chegará em breve às livrarias. Vasculhou jornais, livros, revistas, documentos, arquivos de emissoras de rádio e TV. “Muitas de minhas fontes primárias conviveram com ele – familiares, artistas, amigos, jornalistas, empresários, produtores, esposas, amantes e filhos”, revela o jornalista.

Certa vez, Nelson declarou: “O Brasil é um país sem memória. Alguém se lembra de Francisco Alves? Quando morrer, quero ser cremado para não fazerem xixi na minha tumba”. Cristiano Bastos não se conformou com o fato de esse grande artista ser hoje pouco lembrado.
 
“Contar a história de Nelson é contar a própria história do Brasil. São 60 anos de carreira em palcos e estúdios de gravação. É uma história cheia de dificuldades, sucessos, fracassos, descidas ao inferno, reviravoltas e inimaginável popularidade”, afirma.
Nelson com dois de seus filhos. O cantor teve 12 (foto: Jorge Audi/O Cruzeiro/Arquivo EM)
Nelson com dois de seus filhos. O cantor teve 12 (foto: Jorge Audi/O Cruzeiro/Arquivo EM)

A ideia do livro surgiu em 2008, quando se completaram 10 anos da morte do cantor. “Eu era repórter da Rolling Stone e me dei conta de que ninguém estava fazendo nada a respeito de Nelson. Consegui convencer o pessoal da revista a publicar um perfil dele, embora ela tivesse linha editorial mais jovem. Fizemos um tributo que acabou gerando grande repercussão, principalmente entre os antigos fãs.”

Apaixonado pela história de Nelson Gonçalves, o jornalista prosseguiu com as pesquisas, que agora se tornaram livro. “Encantei-me tanto pelo artista quanto pelo ser humano e o personagem, com suas qualidades, defeitos e sua humanidade, vamos assim dizer. Nascido em Santana do Livramento, antes de se tornar o cantor mais famoso e rico do Brasil nos anos 1940 e 1950, Nelson chegou a trabalhar como engraxate, tamanqueiro, garçom e até lutador de boxe. É uma história fascinante.”

O livro foi um desafio para Cristiano Bastos. “Naquela época, só se sabia que seria muito difícil fazer uma biografia sobre um cara como o Nelson, com 10 filhos adotivos e dois biológicos. A família emperraria, devido à tal 'lei das biografias' que o Roberto Carlos, de certa forma, tinha imposto, por causa do fato ocorrido com ele”, comenta. “Na época, ninguém conseguia lançar biografia que não fosse autorizada.”
 

''Contar a história de Nelson é contar a própria história do Brasil. São 60 anos de carreira em palcos e estúdios de gravação. É uma história cheia de dificuldades, sucessos, fracassos, descidas ao inferno, reviravoltas e inimaginável popularidade''

Cristiano Bastos, jornalista e autor da biografia de Nelson Gonçalves


 
O repórter se refere à proibição de Roberto Carlos em detalhes, de Paulo César de Araújo, a pedido do cantor, em 2007, sob alegação de que não havia autorizado a publicação de informações sobre sua vida. Em 2015, o Supremo Tribunal Federal (STF) derrubou essa proibição.

Quanto o STF decidiu a questão, Bastos se animou a escrever o livro. “Nelson foi um cara muito midiático durante toda a vida. Porém, era muito difícil conseguir coisas sobre ele antes de a Biblioteca Pública Nacional digitalizar todos os jornais”, observa.
 
Vício 

Na opinião do biógrafo, Nelson Gonçalves era dotado de uma voz sem igual no Brasil. “Digo isso no aspecto técnico. Poderia citar também o Orlando Silva, só que a voz dele durou apenas sete anos. Silva era viciado em morfina, mas não por questões iguais à do Nelson com a cocaína. Orlando tinha muita dor no pé e por causa disso se viciou, o que acabou com a voz dele. Nelson gravou a primeira música em 1941. Era o maior fenômeno que o Brasil teve. Até pouco tempo antes de morrer, sua voz não baixou um tom sequer”, garante.

O jornalista afirma que fatores biológicos influenciaram a potência vocal de Nelson Gonçalves. “Certa vez, o médico foi analisar o tórax dele e ficou impressionado. Disse que havia um 'abismo' ali dentro. Ele tinha como predicado ser médio tenor, o que acontece com poucos cantores.”

Nelson Gonçalves se apresenta no Radio City, em Nova York, em 1960 (foto: O Cruzeiro/Arquivo EM)
Nelson Gonçalves se apresenta no Radio City, em Nova York, em 1960 (foto: O Cruzeiro/Arquivo EM)
Artista de personalidade conturbada, ele venceu a pobreza e se tornou rico e famoso. “Era também um cara com arroubos violentos com as mulheres. No entanto, acabou adotando 10 crianças. Era também determinado. Basta lembrar que, depois de decair, recuperou tudo e se tornou ainda mais rico. Em 1972, quando começa essa guinada, ele voltou para o mercado e Adelino Moreira passou a ser seu empresário, além de compor para ele. Foi sucesso atrás de sucesso.”

Nelson deixou as drogas. Sóbrio, voltou a gravar e fazer shows. “Mas é bom lembrar: o vício foi violento. Ele foi o primeiro astro brasileiro exposto como viciado numa época em que ninguém sabia o que era aquilo. Isso em 1966, quando foi preso. O episódio ocorreu porque ele não tinha dinheiro para pagar o fornecedor, que o denunciou à polícia, acusando-o de ser traficante. Os policiais arrombaram sua casa e encontraram um quilo de cocaína, só que era para uso próprio. O resultado disso foram 30 dias de prisão na Casa de Detenção de São Paulo.”

Disposta a tirar o marido do vício, Heloísa Valente o trancou em casa por alguns meses. O boxeador Éder Jofre também o ajudou. Para mostrar que estava “limpo”, Nelson organizou uma luta com o próprio Éder, em 1967, um ano depois da prisão. O campeão de boxe deixou que o amigo batesse, até acertá-lo com um direto no queixo. Não deu outra: nocaute.

“Na realidade, a história de Nelson Gonçalves é muito parecida com a de grandes astros como Ray Charles, por exemplo. Todos se envolveram com drogas, mulheres e confusões”, conclui Cristiano Bastos.
 

TRECHO

 
Metralha e Lourdinha

Os anos 1950 despontaram agitados para Metralha. Polemicamente movimentados, seria mais adequado dizer. Um dos assuntos mais comentados do primeiro ano daquela década, merecedor de ampla e insistente cobertura da imprensa nacional, foi seu caso amoroso com a cantora Lourdinha Bittencourt. Segundo os tabloides, o passional galã apaixonara-se enlouquecidamente pela cantora. Sem sucesso, Nelson tentava a todo custo manter o caso em segredo da voracidade da imprensa, ainda que sua esposa, Elvira Molla, de tudo soubesse. Intrometida, a Revista do Rádio julgou que para aquela situação entre Nelson, Lourdinha e Elvira simplesmente não havia cabimento. Nelson, em sua defesa, inutilmente bradava: ‘Tudo mentira! Tudo inventado! Mentiras têm pernas curtas, como diz o ditado!’. O cantor esforçava-se para acabar com os falatórios sem, no entanto, perceber que aqueles escândalos todos mais publicidade lhe traziam. E absurdamente tentava arrumar culpados para suas próprias mentiras: “Mas quem foi que inventou essas coisas? Não sei quem armou essa história. Chegaram a dizer que eu estava noivo de Lourdinha, logo eu que sou casado, que vivo feliz com minha esposa e adoro meus dois filhos!'”




NELSON GONÇALVES – O rei da boemia
. De Cristiano Bastos
. Editora Plus
. 320 páginas
. Pré-lançamento. Informações na página da editora










Publicidade