Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

'Os olhos moles de Pagu' encena carta da artista ao segundo marido

Kalluh Araújo dirige a atriz Ana Gusmão no monólogo que estreia nesta sexta-feira (11), no Sesc Palladium


postado em 08/10/2019 04:00 / atualizado em 07/10/2019 18:40

A atriz Ana Gusmão é dirigida por Kalluh Araújo, que assina também o texto, o cenário, o figurino e a iluminação(foto: Rodrigo Gemperle/Divulgação)
A atriz Ana Gusmão é dirigida por Kalluh Araújo, que assina também o texto, o cenário, o figurino e a iluminação (foto: Rodrigo Gemperle/Divulgação)
Publicada em 2005, Paixão Pagu é uma carta em forma de diário escrita em 1940 por Patrícia Galvão (1910-1962), a Pagu, ao seu segundo marido, Geraldo Ferraz. Descrito como uma “carta-confissão”, o texto serviu de base para o monólogo Os olhos moles de Pagu, em que Kalluh Araújo dirige a atriz Ana Gusmão – o diretor também assina texto, cenário, figurino e iluminação.

“Sempre tive curiosidade sobre ela. Mas sempre escutamos falar de Pagu no Modernismo, sua atividade política. Nunca havia me debruçado sobre ela de forma consistente”, comenta a atriz. Ao descobrir a escrita autobiográfica, diretor e atriz encontraram ali a personagem que lhes interessava.

“Na carta, ela desconstrói uma série de coisas. Mostra-se uma mulher sozinha, extremamente frágil, que tinha uma visão muito crítica sobre a vida e sobre ela mesma. A sensação que tive é de que ela foi um espírito que já nasceu velho”, afirma Ana.

De acordo com a atriz, a carta apresenta outras nuances sobre a sua relação com Oswald de Andrade, seu primeiro marido, e também com o Partido Comunista. “Várias questões vão sendo esclarecidas e há uma diferença grande entre a personagem que foi criada e o que ela viveu.”

Musa do Modernismo ainda na adolescência, Pagu foi ativa militante comunista – primeira mulher presa por motivos políticos no Brasil, foi detida 23 vezes ao longo da vida. Escritora, desenhista, tradutora e diretora de teatro, é autora de Parque industrial (1933). A obra, publicada sob o pseudônimo de Mara Lobo, é considerada o primeiro romance proletário da literatura brasileira.

Os olhos moles de Pagu
Monólogo com Ana Gusmão. Direção: Kalluh Araújo. Teatro de Bolso do Sesc Palladium –Avenida Augusto de Lima, 420, Centro). Sexta (11) e sábado (12), às 20h; domingo (13), às 18h; dia 19 (20h); dia 20 (18h); dia 26 (20h) e dia 27 (18h). Ingressos: R$ 30, R$ 15 (meia) e R$ 12 (associados do Sesc).


Publicidade