Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Salma Hayek produz 'Monarca', que mostra beleza e podridão do México

Série da Netflix mostra jornalista mexicana que volta ao seu país natal depois de emigrar para os EUA e confronta as práticas empresariais de sua família, que se tornou milionária com o negócio da Tequila


postado em 13/09/2019 04:00 / atualizado em 12/09/2019 18:53

Salma Hayek (centro) posa ao lado do elenco de 'Monarca' Manuel Bernal, Irene Azuela (à esq.), Rosa Maria Bianchi e Osvaldo Benavides (foto: PEDRO PARDO/AFP )
Salma Hayek (centro) posa ao lado do elenco de 'Monarca' Manuel Bernal, Irene Azuela (à esq.), Rosa Maria Bianchi e Osvaldo Benavides (foto: PEDRO PARDO/AFP )

A atriz mexicana Salma Hayek quis retratar um México moderno, sofisticado, político, corporativo e de mulheres empoderadas em Monarca, a série que produziu para a Netflix e que a plataforma de streaming disponibiliza a partir desta sexta-feira (13).

Na apresentação da série, na terça-feira passada (10), na Cidade do México, Hayek disse que, diferentemente do que ocorreu alguns anos atrás, quando tentou emplacar outras produções em seu país de origem e enfrentou situações "machistas", desta vez encontrou um México "avançado", "competitivo" e "aberto" ao talento feminino.

"Queria que as mulheres se lembrassem de que podemos fazer absolutamente tudo", disse a atriz e empresária de 53 anos. Ela contou que a ideia inicial é que Monarca fosse vendida a uma grande rede de televisão nos Estados Unidos, mas que, ao trabalhar com a Netflix, foi capaz de situar a história no México e ressaltar a beleza de Tequila, que fica no estado de Jalisco (Oeste) e é o berço da reconhecida bebida.

Protagonizada pela mexicana Irene Azuela, a trama aborda a história de Ana María, uma jornalista que deixa o México para fazer a vida nos Estados Unidos. Ela, entretanto, volta ao país acatando as ordens de seu pai, um poderoso empresário tequilero. De volta ao país, Ana María entrará em conflito com as práticas e o contexto empresarial que tornaram sua família milionária.

"Salma estava interessada no olhar de alguém com muitos anos fora do México, que mostrasse a qualidade do povo, das tradições mexicanas", afirmou Azuela. Hayek disse que Monarca também retratará aspectos "da corrupção" no México.
 
Questionada sobre a violência ligada ao crime organizado, lamentou o ataque a um bar em sua cidade natal, Coatzalcoalcos, no estado de Veracruz (Leste), que deixou aproximadamente 30 mortos dias atrás.

Em sua conta no Instagram, onde é muito ativa, a atriz já havia condenado o ato de violência, embora diga que prefere compartilhar imagens relacionadas à cultura mexicana. "Você tem que escolher o que colocar no Instagram, e na verdade esse não é o lugar onde se resolvem essas coisas (os problemas sociais e políticos)", opinou.

Além de Azuela, estão no elenco de Monarca os atores mexicanos Juan Manuel Bernal e Osvaldo Benavides, e a argentina Rosa María Bianchi.


Publicidade