Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

ENCONTRO FALE


postado em 18/06/2019 04:09

Os professores da Faculdade de Letras da UFMG Aline Magalhães Pinto e Roberto Said organizam a série de debates “Luiz Costa Lima: legados”, que serão promovidos durante toda a quarta-feira (19), no auditório da Fale. O próprio Costa Lima abre o encontro, com uma conferência a partir das 9h30. Na sequência, a partir das 11h15, haverá a primeira das três mesas do evento.

Aline Magalhães Pinto, também autora do prefácio de Limite, vai falar neste debate sobre “Mimese e vulnerabilidade”. “Em seu trabalho, a crítica e a teoria da literatura alçam largo voo, indo ao encontro da antropologia, do pensamento histórico-sociológico, da teoria psicanalítica e da reflexão filosófica. Essa conjunção transforma certas inquietudes intelectuais em sulcos e marcas duradouras que o autor persegue de forma incansável, cujo eixo central encontra-se em sua concepção a respeito da mimese. Esses traços arraigados traduzem-se nas ramificações do trabalho de um autor que se recusa a se descomplexificar”, afirma a acadêmica.

Na opinião dela, o fio condutor da obra de Costa Lima “é o trabalho acerca das condições de possibilidade do discurso ficcional, em busca de um entendimento mais esclarecido de seu estatuto e de um melhor tratamento analítico de seus meandros”.

Também professor da Fale, Sérgio Alcides participa da última mesa do encontro – a partir das 16h30, ele vai falar sobre “Teoria e prática da marginalidade”. Para Alcides, “a marca de Costa Lima é ser insubordinável, independente, mesmo atuando na província brasileira dos estudos literários. Ele não se subalterniza: escreveu sob o impacto de Foucault, mas ninguém poderia chamá-lo de 'foucaultiano'; tratou inovadoramente de variados aspectos da cultura, mas nunca seria assimilável aos 'estudos culturais'; investigou em profundidade a condição da literatura na América Latina, mas de modo autônomo frente ao 'pós-colonialismo' norte-americano”.

LIMITE
• De Luiz Costa Lima
• Relicário/PUC-Rio (348 págs.)
• R$ 50
• Nesta terça (18), o autor participa do lançamento a partir das 18h30, na livraria Quixote, Rua Fernandes Tourinho, 274, Savassi.

JORNADAS TEÓRICAS
Encontro “Luiz Costa Lima: legados”. Na quarta (19), 
a partir das 9h30, no auditório 1007 da Faculdade de Letras da UFMG (Fale), Câmpus Pampulha, Avenida Antônio Carlos, 6.627. Não é necessária inscrição prévia.



Publicidade