Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Espiral da incerteza

Uma tragédia de infância que volta a assombrar a única sobrevivente 20 anos depois é fio condutor de Uma mulher no escuro. Novo romance de Raphael Montes é eletrizante


postado em 04/06/2019 04:11

No livro de Montes, protagonista luta contra o trauma e a extrema timidez para tentar chegar ao principal suspeito
No livro de Montes, protagonista luta contra o trauma e a extrema timidez para tentar chegar ao principal suspeito


O prólogo de Uma mulher no escuro, novo romance de Raphael Montes que chegou no fim de semana às livrarias, é de tirar o fôlego: em 1998, no aniversário de seus quatro anos, Victoria é a única sobrevivente de um crime terrível. Um homem invadiu sua casa e matou a família a facadas, pichando seus rostos com tinta preta. Na mesma noite, Santiago, um jovem de 17 anos, se entregou à polícia, sem nunca explicar por que matou a família Bravo nem por que deixou a caçula viva. Vinte anos depois, Victoria tornou-se uma mulher tímida, com problemas de relacionamento e atormentada por pesadelos frequentes.

“Mesmo assim, ela não tenta desvendar seu misterioso passado, até que um fato vai perturbá-la”, apimenta Montes. Victoria descobre que seu ursinho de pelúcia, Abu, teve o rosto pichado e, nas paredes de seu apartamento, foi escrito ‘Vamos brincar.? A provocação a obriga a tentar desvendar o mistério que marcou sua infância, agora diante de três suspeitos: um psiquiatra, um amigo feito pela internet e um possível namorado.

Uma mulher no escuro marca a estreia de Montes no thriller psicológico. “Busco novos desafios. Assim, além de um texto de suspense, concluí que era chegada a hora de ter uma protagonista, uma mulher que fosse vítima e que se tornaria heroína por força dos acontecimentos.”

Aos 28 anos, Raphael Montes já ostenta uma carreira sólida e reconhecida. Sua estreia literária, em 2012, com Os suicidas, chamou atenção pela ousadia do tema – a disposição de jovens de tirar a própria vida, antecipando o sucesso da série Thirteen reasons why. Na época, o escritor carioca, advogado de formação, tinha apenas 22 anos.

O salto definitivo para o reconhecimento, porém, veio em 2014, com Dias perfeitos – a história de um amor obsessivo e paranoico conseguiu elogio de um papa da escrita noir, o americano Scott Turow, que vaticinou: “Raphael certamente redefinirá a literatura policial brasileira e vai surgir como uma figura da cena literária mundial”.

À medida que evoluiu na escrita policial, Raphael Montes percebia a importância da complexidade de uma trama. Isso está presente em seu novo romance. “Para não parecer uma simples vítima, a protagonista, Victoria, necessitava ser uma personagem atípica. Com muitas dúvidas, mas com perfil heroico”, explica o escritor. Assim, o ato de confiar ou não em outras pessoas foi seu ponto de partida.

Jornada

Depois do trauma de infância, Victoria se transforma numa jovem desconfiada, preferindo ficar em seu apartamento, na Lapa, Rio de Janeiro, de onde observa a vida alheia pelas janelas. “É também uma jornada de amadurecimento. Ela descobre que, para se tornar adulta de fato, terá de enfrentar escolhas”, comenta Montes, apontando semelhanças em sua carreira literária. “Também eu tive de enfrentar opções na escrita para criar uma história em que a tensão psicológica predominasse, em vez da violência.”

Para isso, realizou extensa pesquisa, que incluiu conversas com psiquiatras, estudos sobre transtornos e consulta com criminólogos. Buscou ainda subsídios em casos clássicos. Ali tirou alguma certeza: a dúvida deveria predominar. “Em quem podemos confiar? Com quem podemos dividir nossas angústias e segredos? Esse é um dos grandes dilemas do cotidiano. Escrevi um livro em que o mistério é costurado aos poucos, a tensão aparece mais nas situações e no perigo iminente do que em cenas de violência”.

Os desafios motivam sempre Montes. Nas obras anteriores, ele embaralhava as regras do gênero policial, evitando o clichê de um crime desvendado por um detetive. “Nesse novo romance, o culpado é de fato algum dos suspeitos”, conta ele, que já trabalha em quatro apostas para o próximo livro. “A história que mais me interessa tem uma mulher de 60 anos, tatuada, professora de física como protagonista. Quero dialogar com a distopia que marca os dias de hoje, com essa polarização de ideias.” (Agência Estado)


Publicidade