Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

VIVER CANSA

Sentindo-se no "Brasil à beira da destruição", Thiago Pethit lança Mal dos trópicos, seu primeiro álbum desde 2014, buscando uma sonoridade para refletir um tom "mais épico ou mais trágico"


postado em 23/03/2019 05:09

Thiago Pethit misturou referências literárias e musicais tão distintas quanto Villa-Lobos e música tecno em seu novo trabalho(foto: RAFAEL BARION/DIVULGAÇÃO)
Thiago Pethit misturou referências literárias e musicais tão distintas quanto Villa-Lobos e música tecno em seu novo trabalho (foto: RAFAEL BARION/DIVULGAÇÃO)
Ressaca, luto, mal-estar. Mal dos trópicos (Queda e ascensão de Orfeu da Conceição), quarto álbum do cantor e compositor paulistano Thiago Pethit, de 32 anos, é, como boa parte da produção artística dos últimos anos, um reflexo do conturbado Brasil desta década.

Mas Pethit, há cinco anos sem um novo álbum (o mais recente era Rock’n’roll sugar darling, de 2014), volta à cena em cima do salto, por assim dizer. Um dos melhores autores da cena indie de São Paulo que emergiram neste início de século, Pethit já passeou pelo folk e rock.

Aqui, ele ambiciona algo mais. Mistura a versão do mito grego criada por Vinicius de Moraes com Zé Celso Martinez Corrêa com Villa-Lobos. Jazz, orquestra, samba, trip-hop. “Quando entendi que estava falando de um tempo mais épico, ou mais trágico, vi que a sonoridade do disco teria que refletir isso. Estamos em um Brasil à beira da destruição. Queria temas grandiosos que conseguissem refletir o quão complexo é viver agora”, conta.

Mal dos trópicos foi concebido por Pethit e o produtor Diogo Strausz, também responsável pelos arranjos. Dando um tempo na carreira – entre 2017 e 2018 só fez cinco shows, e todos especiais, em que releu o repertório de Patti Smith – ele aponta como ponto de partida para esSe trabalho o livro O templo, do escritor britânico Stephen Spender. Na obra, misto de ficção e não ficção, o autor recupera o período que passou na República de Weimar, no início dos anos 1930.

“Na época, a Alemanha era libertária, com ideias de sexualidade muito abertas. Na segunda parte do livro, o autor volta para lá em 1938. Os amigos da primeira fase que sobraram tinham entrado para o exército hitlerista. O desfecho é meio trágico”, diz Pethit. Um dos personagens reais de O templo é o fotógrafo alemão Herbert List. “Muitas das fotos dele têm uma ideia gay quase mitológica. Quando fui pesquisar a juventude dele, encontrei a imagem de um garoto com uma coroa de louros. Na época, isso me remeteu a Orfeu”, conta.

CASAMENTO ESTRANHO Com os conceitos na cabeça, Pethit partiu para a sonoridade. “Vi que o trabalho demandaria bastante tempo, exercício, estudo, até porque algumas ideias pareciam estranhas de serem casadas. Como você junta Villa-Lobos, que vem de um Brasil erudito, com uma sonoridade mais urbana?” O álbum reúne nove faixas, sendo que a última é a versão instrumental da faixa-título.

Para contar a trajetória desse personagem épico, que, ao contrário do mito original, vai do inferno ao céu, Pethit colocou seu Orfeu como um homem urbano que se apaixona na noite da São Paulo atual – dos bares da Consolação ao tecno da Praça da República.

Mal dos trópicos começa com Abre-alas, uma introdução orquestral em que Pethit repete os versos “Volto em luto e choro em pleno carnaval”. À exceção da balada Orfeu, todas as outras têm instrumentação eloquente, graças à participação do Quarteto da Cidade de São Paulo e de um sexteto de sopros. Noite vazia, o primeiro single, mistura uma batida eletrônica com violinos e violoncelos; Rio é uma bossa triste, iniciada com metais e que tem sequência ao som de um violão. Já Nature boy, única faixa do trabalho que não é de autoria de Pethit, é uma versão do standard jazzístico de Eden Abhez composto no final dos anos 1940. Aqui, o destaque vai para o trabalho vocal a capella, em participação do grupo Seis Canta.

Sem pressa, Pethit só deverá levar seu Orfeu tropical para os palcos a partir de junho. “Enxergo meus primeiros discos quase como uma trilogia. Agora, a ideia é começar novamente. Já experimentei tanto nos discos anteriores que hoje estou me sentindo mais livre para falar um monte de coisa”, afirma.

Mal dos trópicos (A queda e ascensão de Orfeu da Conceição)
• Thiago Pethit
• Independente
• Disponível nas plataformas digitais


Publicidade