Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

JUNTANDO OS CACOS

Com Vidro, M. Night Shyamalan conclui trilogia iniciada com Corpo fechado. Diretor diz que atuação de James McCavoy é "a interpretação de uma vida", e Samuel L. Jackson conta que cineasta está "menos ditatorial"


postado em 20/01/2019 05:08

Os personagens Elijah Crumb, o Sr. Vidro (Samuel L. Jackson), Kevin (James McAvoy) e David Dunn (Bruce Willis) concluem suas trajetórias em Vidro, que entrou em cartaz na quinta passada(foto: FOTOS DISNEY/DIVULGAÇÃO)
Os personagens Elijah Crumb, o Sr. Vidro (Samuel L. Jackson), Kevin (James McAvoy) e David Dunn (Bruce Willis) concluem suas trajetórias em Vidro, que entrou em cartaz na quinta passada (foto: FOTOS DISNEY/DIVULGAÇÃO)

M. Night Shyamalan já tinha três filmes no currículo quando ocorreu o estouro de O sexto sentido (1999). A história do garoto que conversava com os mortos fez sucesso de público e crítica e ganhou seis indicações para o Oscar. Seguiu-se Corpo fechado, outro sucesso, e um filme que deu origem a um verdadeiro culto. David Dunn (Bruce Willis) sobrevive a um acidente de trens e encontra Elijah Crumb, o Sr. Vidro (Samuel L. Jackson), que tenta convencê-lo de que escapou porque possui superpoderes. Passaram-se 17 anos – de altos e baixos para o diretor – e aí ele surpreendeu de novo com Fragmentado (2016), sobre as múltiplas personalidades, mais de 20, do personagem de Kevin (James McAvoy).

Surpreendeu mais ainda ao revelar que era a segunda parte de uma trilogia iniciada com Corpo fechado. O fecho está em Vidro, que estreou na quinta-feira passada no Brasil (confira salas e horários das sessões em BH na página 4). Na tela, o trio David/Elijah/Kevin chega ao fim de sua saga.

Em dezembro, Shyamalan esteve em São Paulo para participar da CCXP (Comic Con Experience). Veio falar sobre sua trilogia e antecipar cenas de Vidro. Levou o público ao delírio em seu painel. “Obrigado, gente, por ter  acreditado que era possível refletir sobre a complexidade dos comic-books e dos super-heróis.” Shyamalan falava com seu público-alvo. Um evento em que as pessoas se vestem como seu super-herói (ou super-heroína) preferido(a) é o lugar certo para discutir poderes especiais.

Na Comic Con, Shyamalan mostrou os 22 minutos iniciais – eletrizantes – de Vidro. David, transformado em vigilante, caça um assassino de mulheres que, nesse momento, mantém um grupo de garotas em cativeiro. Kevin, ora travestido de garoto, de mulher, é o guardião da Fera, sua personalidade mais terrível. Presos, os dois vão parar no instituto de segurança máxima em que uma médica faz experimentos com pessoas que se consideram especiais (e super-heróis).

SPOILER Mas vejam só se o Sr. Vidro não está confinado no mesmo hospital? O trio reunido prepara o desfecho da trilogia que Shyamalan começou a construir há quase 20 anos. E aqui não tem como fugir ao spoiler. Cuidado – o tema de Vidro é a teoria da conspiração para evitar que o mundo saiba dos super-heróis entre nós. Felizmente (?), existem as redes sociais para reafirmar os mitos. Veja para saber como.

Infelizmente, esse que seria o aspecto mais interessante para discutir com Shyamalan não estava claro naquele momento, quando nem a imprensa nem o público da CCXP haviam visto o desfecho de Vidro. Teorias da conspiração em que os gênios do Vale do Silício querem controlar as mentes – e até as economias do mundo – são temas de numerosos livros. Shyamalam brinca que ninguém – na Disney – entendeu muito bem o que ele estava tentando criar. Um Shyamalan Marvel? “Não é um filme convencional de super-heróis, mas um comic book thriller, e um thriller psicológico, em que as coisas da mente estão intrincadas com as do físico”, disse o diretor e roteirista.

Ele explicou que Bruce Willis e Samuel L. Jackson embarcaram de cara na viagem. Desde o começo, sabiam que Shyamalan estava querendo criar uma trilogia e o incentivavam. “Passou-se muito tempo até que eu conseguisse fazer Fragmentado, e a espera valeu, porque, se tivesse feito o filme antes, talvez nunca tivesse encontrado James (McAvoy). E ele é extraordinário, o melhor intérprete que eu poderia ter encontrado para as múltiplas personalidades de Kevin.”

Tão bom que é pena que o filme esteja estreando somente neste janeiro nos EUA, o que impede McAvoy de ser indicado para o Oscar. “É a interpretação de uma vida, mas, de qualquer maneira, duvido que o indicassem, porque esse tipo de filme não entra nas indicações dos votantes da Academia (de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood). Sabendo disso, não corremos para estrear em dezembro, quando havia muita concorrência, e esperamos por janeiro. O próprio James aceitou.”

Samuel L. Jackson era o mais ansioso. “Cada vez que o encontrava, às vezes podia ser de longe e ele gritava: ‘Ei, Night, e como é que está a p.... do nosso filme? Quando vamos dar um fim a essa coisa?’” Na mente do próprio Shyamalan, sempre havia esse conceito de que a trilogia deveria terminar com o confronto final entre David Dunn (Willis), Elijah/Vidro (Jackson) e Kevin/Fera (McAvoy). “Não tinha muito claro no início, mas, aos poucos, definiu-se para mim que teria de ser num instituto psiquiátrico. E só bem depois percebi que esse terceiro filme deveria ser o meu Um estranho no ninho.” Shyamalan refere-se ao clássico de Milos Forman, que, em 1975, venceu o chamado Big Five, os cinco Oscars principais, incluindo filme, diretor, roteiro (adaptado), ator e atriz (Jack Nicholson e Louise Fletcher).

HORROR Se há uma coisa que Shyamalan não se furta a analisar é o elemento de horror presente em seu cinema. “Não creio que o objetivo final desses filmes seja o horror, mas quero que sejam assustadores e provoquem medo no espectador. Se eles têm horror, têm também humor. E eu não sei, talvez seja uma ideia muito minha, mas, para mim, o horror é uma coisa masculina e o tipo de thriller psicológico que prefiro é mais feminino.”
“A verdadeira personagem de terror do filme é a médica, que age daquela maneira tão racional. Sarah (Paulsen) é fantástica no papel. Aliás, sou privilegiado, porque você pode discutir o que quiser nos meus filmes, mas os elencos são sempre muito bons.”

Sarah Paulson é conhecida principalmente por séries de televisão (Studio60 on the Sunset Strip, American horror story, American crime story). É a chave de Vidro. Tudo o que o filme tem de inesperado, surpreendente e revelador passa através dela, com sua boca desenhada com batom além dos lábios e os olhos que expressam compaixão e algo mais. Esse algo mais é o que move Shyamalan. Alguma possibilidade de um quartro filme? “Sem chance! Sempre pensei em três e aqui terminam.” (Estadão Conteúdo)

Sete perguntas para...

M. Night Shyamalan teve de convencê-lo a voltar?
Não! Ele me prometeu uma sequência 18 anos atrás. Disse-me que haveria três filmes. Toda vez que o encontrava, perguntava: E aí? Vamos fazer os outros dois.? Um dia ele me ligou e disse que tinha feito um filme e queria que eu visse. Era Fragmentado. Ele me contou que era a segunda parte. E eu: Como pode ser a parte 2 se eu não estou nela.? Mas aqui estou eu.

Foi fácil voltar ao personagem depois desse tempo todo?
Não. Eu já fiquei muito sozinho, sou filho único. Fiquei esses 18 anos imaginando que Elijah ficou acompanhando David Dunne (personagem de Bruce Willis) para ver se ele se tornou o que sei que é capaz de ser.

O Sr. Vidro mudou muito?

Sim, ele está velho (risos). Mas continua inteligente e frágil.

E Shyamalan, mudou muito?

Ele está menos ditatorial. Quando fizemos Corpo fechado, ele tinha acabado de estourar com O sexto sentido. Achava que tinha todas as respostas. Ficava: “Não pisque nesta cena” ou “Não pause aqui”. Agora, me disse: “Lembra como queria dizer esta fala? Pode fazer!”. Nesta indústria, depois de uns anos, você fica escaldado. Seus pés são colocados de volta no chão.

Como foi a filmagem?

Rodamos boa parte num hospital para doentes mentais. Todo tipo de coisa estranha aconteceu. As luzes acendiam e apagavam. Funcionários poliam o elevador, e ele aparecia cheio de marcas de mão.

Teve algum desafio?

Não falo tanto neste filme. Fora que é difícil pra caramba ver James McAvoy fazer sete pessoas diferentes discutindo sem ficar de boca aberta.

Quando vocês fizeram Corpo fechado, quase não havia filmes de super-heróis.

Sempre houve Batman e Super-Homem. Mas Corpo fechado não é um filme de super-herói, mas uma discussão sobre a mitologia dentro dos quadrinhos.


Publicidade