Publicidade

Estado de Minas

Conta-gotas

Sugestões para esta coluna, enviar no e-mail bemviver.em@uai.com.br


11/07/2021 04:00

Intolerância alimentar

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
A intolerância alimentar, segundo Samuel Okazaki, clínico e cirurgião do aparelho digestório, é a resposta do organismo a alimentos que dificultam a digestão e causam consequências negativas ao corpo. Essa condição pode se manifestar em qualquer faixa etária e independe se a pessoa faz uso regular ou não do alimento. As duas intolerâncias mais comuns são ao glúten e à lactose. Quando um paciente tem intolerância, os sintomas costumam surgir logo após a ingestão do alimento, porém, eles também podem aparecer tardiamente, causando demora no diagnóstico. Os principais sintomas são dores abdominais, distensão, excesso de gases, variação intestinal, náuseas, retenção de líquido e inchaço, cefaleia, fadiga, tontura, entre outros. É possível levar vida normal seguindo a dieta correta e respeitando as fases do tratamento indicado para cada caso.

Infecção Urinária

A infecção urinária afeta órgãos do trato urinário e é dividida em infecções da uretra, bexiga ou rim. É uma doença que acomete mais mulheres, porém, homens também podem ser afetados. “Normalmente, quando falamos de infecção urinária nos referimos a cistite ou infecção urinária do trato urinário baixo, mais simples e menos grave, com sintomas brandos e sem queda do estado geral, prostração ou febre. Os sintomas mais comuns são queimação e vontade constante, porém, com baixo volume ao urinar”, diz Rodrigo Andrade, urologista do Hospital Albert Sabin, de São Paulo. A causa mais comum é a contaminação por bactérias da região perineal e não reflete falta de higiene. É mais comum nas mulheres devido à anatomia da região e proximidade com o ânus. Aspectos como menopausa na mulher e envelhecimento no homem têm influência no surgimento da doença. O diagnóstico se dá por exames de urina e complementares. O tratamento é com antibióticos. “Boa hidratação e hábitos de vida, como urinar após relações sexuais, usar roupas íntimas de algodão, evitar excesso de sabonetes e melhorar ou normalizar o ritmo intestinal são dicas valiosas de prevenção”, finaliza.

Testosterona x Calvície

(foto: Ana Lima Comunicação/Divulgação)
(foto: Ana Lima Comunicação/Divulgação)
Os cabelos são necessários para a proteção do couro cabeludo e fazem parte da personalidade de cada um. Não à toa, a queda dos fios é motivo de preocupação entre homens e mulheres. E uma das causas da perda de cabelos é a reposição hormonal com testosterona. A calvície é mais comum em homens, pois eles produzem o hormônio testosterona – hormônio sexual masculino – em maior quantidade. Mas as mulheres não estão isentas, já que elas também produzem esse hormônio, porém em menor quantidade. O especialista Baltazar Sanabria explica que também existem fatores genéticos associados. “Essa condição afeta o emocional das pessoas, mas existem tratamentos eficazes”, diz. Para a alopecia, existem tratamentos capazes de fazer os fios voltarem a crescer. Em níveis mais avançados, existem modernos métodos de implante dos fios.

Cuidados com a pele negra no inverno

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)
A pele negra tem características marcantes e, pela facilidade de produção de melanina, mancha facilmente. Acne, arranhões e picadas de insetos podem evoluir com pigmentação. Por isso, a dermatologista Thatiana Hadlich esclarece dúvidas sobre os cuidados com a pele negra. Confira:

>> Como deve ser a rotina de skincare da pele negra?
O skincare deve incluir sabonete, hidratante e protetor solar, porque essa pele tem tendência à formação de manchas, oleosidade e espinhas.
>> Como clarear as manchas na pele negra?
Uso de clareadores são ótimos aliados. Deve-se ficar em alerta sobre a hidroquinona, que é eficiente, mas que deve ser usada com cautela para não irritar e manchar a pele. Apesar de ser de venda livre, deve-se tratar sob cuidados médicos, já que pode causar lesões parecidas ao vitiligo ou ocronose.
>> Quais são os ativos indicados para cuidar da pele negra?
Dermocosméticos que contêm ativos calmantes, antioxidantes como a vitamina C, vitamina E e ácido ferúlico e renovadores celulares são ótimas opções.
>> A pele negra também fica ressecada no inverno? Como evitar o problema?
Em geral, a pele negra tende a ser oleosa no rosto e seca no corpo. As glândulas sebáceas existem em número igual à pele branca, mas são maiores e produzem maior sebo na pele negra. Já a pele do corpo tende a ser ressecada, ter aspecto esbranquiçado e descamar. Os produtos hidratantes adequados são capazes de melhorar a hidratação e textura da pele.

Lipedema em pauta

Em 16 de junho último, o lipedema, doença que acomete 5 milhões de mulheres no Brasil, uniu especialistas no tratamento da doença para o 1º Workshop do Instituto Lipedema Brasil. Uma das autoridades no assunto, o espanhol Burgos de la Obra, participou do evento “Conexão Brasil x Espanha – Uma conversa sobre lipedema”, com um dos pioneiros no tratamento no país, Fábio Kamamoto, diretor do recém-criado Instituto Lipedema Brasil. O evento on-line teve duração de uma hora e fez parte das ações de conscientização mundial da doença.O workshop discutiu a realidade da doença nos países, compartilhou informações sobre tratamento e diagnóstico e falou sobre as expectativas para o futuro e o desafio de lutar pelo tratamento gratuito no SUS e convênios médicos.

Em busca de reconciliação
(foto: Instituto Hoffman/Divulgação)
(foto: Instituto Hoffman/Divulgação)

Há formas saudáveis e não saudáveis de lidar com a busca pelo bem-estar. Por vezes, as mais fáceis não são as mais produtivas e nos lançam aos comportamentos de sempre. Comparação. Julgamento. Excesso de críticas a si mesmo. Nada disso vai te levar a aceitar as dificuldades. E aceitação é o primeiro passo para novas possibilidades. É a partir de uma visão realista que a mudança começa. Um caminho assertivo para identificar e trabalhar esses comportamentos é o Processo Hoffman, metodologia única de identificar a programação emocional infantil e as consequências na vida adulta. Ela ajuda você a se reconciliar com a sua história e abrir portas para transformações pessoais. É uma experiência regeneradora e a reconexão com a essência. Na pandemia, os grupos do Processo Hoffman estão seguindo os protocolos da OMS. A próxima oportunidade de integrar essa vivência será de 17 a 23 de julho, no Hotel Serra da Moeda, em Minas Gerais. Contato por WhatsApp: (31) 99185-0000. Saiba mais em www.processohoffman.com.br.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade