Publicidade

Estado de Minas Bem-estar

Pandemia: meditação ajuda a administrar medo, insegurança, estresse e raiva

Técnica é capaz de retirar as pessoas do estado de sofrimento, situação turbinada em tempos de coronavírus


04/10/2020 11:45 - atualizado 04/10/2020 11:57

A fisioterapeuta Luanda Ramos destaca os benefícios do autoconhecimento e de conseguir
A fisioterapeuta Luanda Ramos destaca os benefícios do autoconhecimento e de conseguir "ouvir" o corpo (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Estar em um estado mental, emocional, espiritual e físico tranquilo parece impossível diante de uma rotina cada vez mais cansativa - e com o estresse adicional trazido pela pandemia do novo coronavírus. Instantes de angústia são naturais nesse cenário, e não permitem mascarar problemas quando o isolamento social conduz as pessoas a uma direção intimista. É muito comum o surgimento de pensamentos negativos, com a insegurança sobre o futuro. Aparecem medo, ansiedade, frustração, desconforto, preocupação, irritação, sensações de impotência e desamparo, além de dores e tensões.

Peculiar, o momento pede novas posturas. A inteligência emocional ensina que, quando perduram o estresse e o pessimismo, é hora de reprogramar a mente. Afinal, a cabeça é a nave-mãe do corpo e, se falta serenidade, nada fica tão ruim que não possa piorar. A meditação é uma alternativa para vencer esses obstáculos e amenizar vulnerabilidades.

Forma terapêutica que ganhou importância em meio às aflições geradas em torno da COVID-19, consiste em ferramenta para recarregar energias e que atua na recuperação do foco na saúde, no bem-estar e satisfação. Intervalos para repouso e relaxamento se tornam essenciais para que as pessoas possam se “desligar”, pelo menos um pouco.

"Pode ser no meio de uma avenida barulhenta, no caos. Se quero meditar, encontro o silêncio nesse lugar barulhento" - Tadashi Kadomoto, terapeuta transpessoal (foto: Erich Saco/Divulgação)
O Brasil é o segundo país onde há mais pessoas ansiosas. E a ansiedade tem sido considerada o mal do século, alerta o terapeuta transpessoal Tadashi Kadomoto. Em quase 30 anos de atuação, milhares de pessoas já participaram de suas aulas, palestras e vivências profissionais. Atualmente, ele apresenta lives com exercício de meditação em dois horários diários (às 6h e às 20h) e, todo dia, é acompanhado por cerca de 40 mil pessoas.

Tadashi destaca que a meditação tem múltiplos benefícios. “A meditação tira o indivíduo do estado de sofrimento. Ajuda a administrar sentimentos como ansiedade, medo, insegurança, estresse, raiva, impaciência e intolerância”, diz. O terapeuta se dedica a encontrar formas para que as pessoas voltem a acreditar em si mesmas.

Ele é autor dos livros Ninguém tropeça em montanha, Da razão ao coração, Meu livro da consciência e O Mestre do impossível. Kadomoto tem formação em PNL, hipnose ericsoniana, renascimento, processos de memória profunda, técnicas xamânticas e física quântica.

Desmitificando a técnica, Tadashi afirma que a meditação é para ser sentida. “Sente, comece e perceba os benefícios”, convida. Encontrar uma posição agradável é o início. “Pode ser no meio de uma avenida barulhenta, no caos. Se quero meditar, encontro o silêncio nesse lugar barulhento. Se for um local tranquilo e bonito, como uma praia, o alto de uma montanha, facilita, mas isso não é uma verdade absoluta. O lugar sou eu, independentemente do ambiente externo”, ensina.

A pandemia evidenciou sentimentos latentes, de acordo com o terapeuta, surgindo como uma espécie de bomba atômica, mas deixou clara a importância de cuidar da saúde mental e emocional. “Obrigou as pessoas a olhar para os problemas, os sentimentos que vinham sendo negligenciados. A meditação é um instrumento para ajudar, para rever comportamentos”, define. Entre os objetivos com o trabalho com meditação, Tadashi se preocupa em desmistificá-la. “Não é só para pessoas chamadas iluminadas, evoluídas. É para todos, para quem quer qualidade de vida.”
 
Consciência 

Sempre envolvida com muitas tarefas durante o dia, a fisioterapeuta Luanda Ramos de Azevedo, de 40 anos, encontra na meditação e na ioga um tempo para se cuidar, principalmente quando está sobrecarregada ou estressada. Antes da pandemia, ela se desdobrava entre o trabalho de consultório e a gestão de duas startups, além de coordenar um espaço de bem-estar em Belo Horizonte.

Agora, se viu obrigada a fechar o negócio próprio, mais um motivo da aflição. Há cinco anos, começou a apresentar sintomas gastrointestinais, como dor de estômago e azia. Procurou um médico e não aparecia um motivo plausível – fisicamente, tudo estava bem. “Era provocado por ansiedade e tensão. Procurei a ioga em busca de consciência corporal, e depois introduzi a meditação. Desde então, é uma prática diária”, conta.

Com a experiência positiva, Luanda Ramos recomenda a meditação aos pacientes dela, associada à fisioterapia, principalmente quando há sinais de emoções em desequilíbrio. A fisioterapeuta medita todos os dias, antes de dormir. Entre os bons resultados, cita a promoção do autoconhecimento, conseguir “ouvir” o corpo, controlar e organizar a mente e as emoções, revigorar o pensamento e catalisar energias.
 
A meditação foi o caminho que a publicitária Mariane Vasconcelos Novais encontrou para tratar a Síndrome de Burnout(foto: Arquivo Pessoal)
A meditação foi o caminho que a publicitária Mariane Vasconcelos Novais encontrou para tratar a Síndrome de Burnout (foto: Arquivo Pessoal)
O ritmo frenético de trabalho, estresse, viagens constantes e a dificuldade para dormir fizeram a publicitária Mariane Vasconcelos Novais, de 42, desenvolver a síndrome de burnout, esgotamento devido à exaustão e ligado a situações de trabalho desgastantes. A meditação foi o caminho que encontrou para se tratar do problema que ocorreu quatro anos atrás.

“O burnout não é sinal de fraqueza, mas um indício de que muitos dos próprios limites foram ultrapassados. Eu precisava adotar mudanças de estilo de vida no trabalho.” Mariane buscou ajuda de um especialista, que recomendou sessões de terapia e a meditação como forma de relaxamento, associada à ioga.

Para a publicitária, a meditação tem o potencial de regular e desenvolver a autoconsciência, muitas vezes quando o meio externo traz estímulos negativos. “A técnica mindfulness, por exemplo, me ajudou a enfrentar as situações com mais paciência e sem julgamentos. Vivo o momento presente e consigo aceitar quando não há muito o que fazer”, explica. Para a publicitária, meditar acalma, relaxa, reduz o estresse, favorece a imunidade, diminui a ocorrência de depressão e gera bem-estar psicológico, além de melhorar o humor.
 
Por saúde,  poderosa aliada
Além de auxiliar do ponto de vista emocional e psicológico, estudos mostram que meditar melhora relações interpessoais, diminui dor crônica e incidência de câncer
 
Os benefícios das práticas regulares da técnica mindfulness de meditação para a saúde têm sido demonstrados em diversos estudos científicos e diferentes situações clínicas. Além dos aspectos emocionais, psicológicos e em relação à imunidade, a ferramenta melhora as relações interpessoais, reduz dores crônicas e incidência de câncer, e combate o vício em álcool e drogas. É o que ensina a nutricionista Fabiane Aparecida Canaan Rezende.

Outro fator importante é servir como meio de confrontar também a compulsão alimentar, o chamado mindful eating, área em que Fabiane é instrutora pela Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). A tradução é “comer com atenção plena” ou “comer consciente”. As práticas resgatam a sabedoria sobre o corpo e contribuem para o desenvolvimento de uma percepção mais apurada em relação às escolhas alimentares no dia a dia, na busca por harmonizar a relação com a comida.
 
A nutricionista Fabiane Rezende alerta para o fato de que a alimentação saudável costuma ficar esquecida (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
A nutricionista Fabiane Rezende alerta para o fato de que a alimentação saudável costuma ficar esquecida (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
“O cuidado com a alimentação, muitas vezes, é deixado de lado quando as pessoas vivem no piloto automático. O alimento costuma ser uma válvula de escape emocional para lidar com ansiedade, tristeza, frustrações e dores. Com o mindfulness, ampliamos nossas percepções acerca do comportamento alimentar”, orienta Fabiane.

É importante, ressalta a nutricionista, que aquelas pessoas que enfrentam quadros agudos de alguma doença mental ou que estejam em uso de medicamentos psiquiátricos busquem orientação profissional antes de iniciar a prática. “Espera-se uma atenuação dos desconfortos físicos, mentais e emocionais, fazendo com que as pessoas lidem melhor com o contexto atual, um cenário de incertezas e desafios, que introduz uma nova dinâmica para as atividades domésticas, ocupacionais e familiares, além do distanciamento social, que pode resultar em sofrimento físico e psíquico”, acrescenta.

A arquiteta Caroline Marques da Cunha, de 30 anos, começou a meditar há dois anos, como atividade física, a fim de melhorar alongamento e condicionamento. A técnica foi adotada junto à prática de kundalini yoga. Mais tarde, a meditação passou a auxiliá-la a enfrentar um problema de compulsão alimentar. Ela procurou Fabiane, ingressou no grupo Nutrindo Além do Corpo, e a nutricionista também indicou as meditações guiadas.

Com dificuldade de se concentrar e manter o foco, Caroline começou a enfrentar episódios frequentes de alimentação sem controle e com culpa. Vivia também um processo intenso de baixa estima, por sempre rejeitar o corpo. “Tinha pensamentos ruins e críticos sobre mim mesma. Não sabia que o tratamento envolveria a meditação, o que foi uma grata surpresa", diz a arquiteta.
 
A arquiteta Caroline Marques da Cunha encontrou na meditação uma maneira de enfrentar uma compulsão alimentar(foto: Arquivo Pessoal)
A arquiteta Caroline Marques da Cunha encontrou na meditação uma maneira de enfrentar uma compulsão alimentar (foto: Arquivo Pessoal)
 
As mudanças foram surgindo ao longo das semanas de meditação diária. A primeira delas foi sair do modo automático. “Com as práticas que aprendi no grupo de nutrição, passei a dar atenção plena à comida e, assim, a comer menos. Comecei a praticar a autocompaixão e o autocuidado, o que me trouxeram satisfação pessoal”, diz.

Para ela, a meditação ajuda a manter a harmonia, em especial diante da pandemia, com o excesso de informações que levam ao receio sobre o futuro, além da ausência e da saudade das pessoas queridas. “A meditação é um gesto de carinho e cuidado consigo mesmo, tão necessário quanto tomar banho. É preciso parar, refletir, prestar atenção no momento e no que é real.”
 
Transtornos 

O mastologista e ginecologista João Flávio Cal Duarte recomenda a meditação para mulheres com transtornos como câncer de mama, dor pélvica crônica, endometriose, para quem está na fase do climatério, pós-menopausa, gestantes com quadros de ansiedade, entre outras dificuldades. Ele aconselha a meditação como terapia complementar ao tratamento e tem indicado o projeto Pausa, da UFMG e PUC Minas.

É uma abordagem sobre o estado emocional das pacientes em sua relação com a doença. “Ajuda a organizar as ideias, focar no objetivo da cura, fazer com que a mulher não seja vítima de pensamentos negativos e fique mais calma e segura. É uma ferramenta importante para reforçar a adesão ao tratamento”, conta o especialista, entusiasta da medicina multidisciplinar, que sugere a integração de conhecimentos em diferentes áreas para um enfrentamento mais efetivo de variados distúrbios.


Atmosfera essencial

A arquiteta especializada em feng shui Rafaela Bruna demonstra como destinar espaço para a meditação e o relaxamento corporal e da mente. Pode ser um cantinho da casa, reservado, um local com majestoso sofá, tapete, almofadas, área a céu aberto ou algo que traga paz e lembre a espiritualidade. Plantas, vasos com areia, galhos, uma fonte de água, aquários, acabamentos em madeira ou pedras, janelas grandes que favoreçam entrada de ar, ventilação cruzada, transformam a atmosfera para agradável à prática de meditação.

"Cada um tem uma necessidade, um gosto, uma crença, que independe da religião. A energia do espaço deve refletir essas sensações" - Rafaela Bruna, arquiteta especializada em feng shui (foto: Arquivo Pessoal)
Pode ser local perto de vegetação, de águas correntes, com luz e som naturais. Para apartamentos ou ambientes que não recebem iluminação natural, a luz indireta e amarela, junto com elementos como fotos, imagens, velas, luminárias e flores criam o clima do chamado home relax, como ensina Rafaela Bruna. Ofurô, lanternas, esculturas de buda, canto de leitura, mesa de massagem, incensos, um altar de devoção, cores suaves, são outros itens que enriquecem o espaço zen.

“Som natural ou músicas relaxantes ajudam a trazer tranquilidade. Outro fator a considerar é o tato. O melhor é optar por pisos que não absorvem calor, já que a meditação sugere estar descalço e sentir a superfície”, acrescenta. “Cada um tem uma necessidade, um gosto, uma crença, que independe da religião. A energia do espaço deve refletir essas sensações.”

O feng shui lembra a importância de harmonizar os espaços e melhorar a energia vital nos seres vivos e ambientes, por meio de elementos naturais. A união de projetos de decoração e de feng shui é uma direção interessante para criar ambientes como esse. "Há quem medite debaixo do chuveiro, ou quem prefira ambientes abertos. Procure elementos que lhe tragam conexão, coloque suas memórias afetivas, volte-se para dentro."

O espaço deve ser criado para proporcionar ao usuário um tempo de descanso e desaceleração, considerando-se bem-estar físico e mental, ensina o arquiteto e designer de interiores Cioli Cassius Stancioli. Um recanto para desacelerar independe da característica do imóvel. Para destinar o cômodo da casa ou apartamento ao home relax, o arquiteto destaca que dependerá da atividade que dá prazer para cada um. Uma vez identificada, as possibilidades são infinitas.

“Temos sistemas muito sofisticados de controle de som, luz e temperatura, revestimentos acústicos e de tecidos os mais diversos, tapeçarias, mobiliário já desenvolvido com esse fim, como cadeiras relax, entre outros”, afirma. Na hora de escolher cada item, há que se levar em consideração o gosto do usuário e a utilidade do local, destaca Cioli.

O espaço de meditação deve ser criado para proporcionar ao usuário um tempo de descanso e desaceleração, ensina o arquiteto e designer de interiores Cioli Cassius Stancioli(foto: Eduardo de Almeida/RA Studio - 3/10/12)
O espaço de meditação deve ser criado para proporcionar ao usuário um tempo de descanso e desaceleração, ensina o arquiteto e designer de interiores Cioli Cassius Stancioli (foto: Eduardo de Almeida/RA Studio - 3/10/12)

“Há casos em que um bom tapete e almofadas perto de algum local verde estão mais próximos da realidade do usuário que locais com muita tecnologia, que serão logo abandonados, não cumprindo o seu papel.” Mas para quem pode gastar um pouco mais, há várias opções. “Para aficionados por música, vale o investimento, assim como o uso de objetos que trazem boas lembranças, como peças herdadas de pessoas queridas.".
 
UFMG e PUC ampliam apoio
Meditação é uma das ferramentas do projeto Pausa, que atende os profissionais da área da saúde e criou site, agora, de livre acesso ao conteúdo de orientações

Aos 15 anos, Kathleen Mendonça teve dificuldades de preservar o equilíbrio emocional no começo da pandemia do coronavírus. “Não esperava que isso fosse durar tanto tempo. Foi ficando cada vez mais sério, e bateu o desespero”, revela. Ela experimentou sentimentos de ansiedade, tristeza, estresse, irritabilidade, insegurança e medo. Meditar foi a solução para se reencontrar.

Ela medita muito por meio da ioga, e aplica a meditação também como um recurso auxiliar em seus recentes estudos sobre cura prânica, técnica de energização feita com as mãos, que atua para equilibrar o corpo e curar, impedir ou retardar o desenvolvimento das doenças físicas ou psicológicas. Para ela, que se descreve como alguém que quer fazer tudo na mesma hora, a meditação ensina a definir prioridades.

Com a pandemia, Kathleen Mendonça experimentou sentimentos como ansiedade, tristeza, estresse, irritabilidade, insegurança e medo. Meditar foi a solução para se reequilibrar(foto: Tulio Santos/EM/D.A Press)
Com a pandemia, Kathleen Mendonça experimentou sentimentos como ansiedade, tristeza, estresse, irritabilidade, insegurança e medo. Meditar foi a solução para se reequilibrar (foto: Tulio Santos/EM/D.A Press)

Por definição, a técnica mindfulness de meditação é um estado mental de “atenção plena”, que envolve o simples ato de parar e estar presente, como explica Patricia Martins, cirurgiã-dentista e doutora em ciências. Pesquisas atestam que essa prática feita de maneira regular desenvolve uma área do cérebro conhecida como ínsula, responsável pela percepção de sensações internas, incluindo emoções próprias e dos outros.

"Essa autorregulação nos permite lidar melhor com o estresse, uma vez que ela cria um espaço entre os estímulos estressores, que geralmente resultam em emoções negativas, e a resposta que queremos ou podemos dar", afirma Patricia Martins.

Patricia Martins coordena o projeto Pausa, elaborado por uma equipe de professores e pesquisadores do Departamento de Saúde Mental da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e do Departamento de Letras da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas). A iniciativa é desenvolvida para conter o estresse, ansiedade e prevenção da síndrome de burnout entre profissionais da saúde que atuam, direta ou indiretamente, na linha de frente do combate à COVID-19. Uma das ferramentas de atendimento a esse público é, justamente, a meditação.

Com estratégias e textos que visam contribuir com o equilíbrio fisiológico, fundamental para a manutenção da saúde física e mental, o projeto disponibiliza um site de livre acesso. Profissionais da saúde, bem como qualquer pessoa que se identifique com os conteúdos, podem acessar as práticas.

Até mesmo as pequenas pausas têm grande importância para reduzir os efeitos de fatores de estresse(foto: Pixabay)
Até mesmo as pequenas pausas têm grande importância para reduzir os efeitos de fatores de estresse (foto: Pixabay)

"Sabemos que profissionais da saúde estão suscetíveis a desenvolver quadros de estresse e ansiedade devido a fatores psicossociais e ambientais, incluindo a necessidade de lidar com emoções intensas e longas jornadas de trabalho. Nesse enfrentamento, pequenas pausas são de grande importância para minimizar o impacto de fatores de estresse", ressalta Patricia Martins. O endereço eletrônico do projeto Pausa é www.projetopausa.com.br, e, em caso de dúvida ou para mais informações, o projeto também disponibiliza o e-mail contato@projetopausa.com.br.

AS TÉCNICAS SEM SEGREDO

» Passiva
 
O praticante se senta, escuta música ou fica em silêncio, entoa mantras e põe foco na respiração
 
» Ativa
 
Estar em meditação dançando, praticando exercícios físicos, ou outras atividades, com toda a atenção voltada para essa ação, presente no momento, em plena consciência

» Respiração

É ponto crucial para entrar em estado meditativo. Saber respirar altera o nível de consciência, quando a atenção está focada na respiração. Entre diversas técnicas, está a respiração em três tempos: puxar o ar pelo nariz contando até três; prender o ar contando até três e soltá-lo pelo nariz contando até seis. Se há dificuldade em prender o ar, pode ser feita respiração profunda pelo nariz, contando até três, e soltar direto o ar pelo nariz, contando até seis

» OM
 
Popular e misterioso, o Om é um dos mantras sagrados de religiões como o hinduísmo e o budismo, muito usado nas meditações e na ioga. Também representado por ‘Ohm’ ou ‘Aum’, é um som sagrado, por ser o som do Universo. Acredita-se que as vibrações do som do Om são capazes de unificar, e energizar o corpo. Quando alguém canta o mantra Om durante uma meditação, está energizando todos os seus chakras, os chamados centros de energia, que representam aspectos da natureza humana

» Tempo ideal

Com 10 minutos de meditação diária já é possível observar resultados. Se você se sentir bem, aumente a frequência. Três sessões diárias de 10 minutos, pela manhã, antes do almoço e à noite são consideradas um tempo excelente. Para quem nunca praticou, não adianta começar com uma hora ou mais de meditação por dia. Dessa forma, é fácil se cansar e não dar continuidade. Podem aparecer dores no corpo, por exemplo.

» Virtual
 
A tecnologia popularizou a meditação. Com a pandemia, é comum a divulgação das práticas entre grupos em redes sociais, canais eletrônicos e aplicativos sobre o assunto. Cuidado! Tudo tem seu lado bom, mas também há perigos. É importante ter indicação, referências e encontrar canais confiáveis

EM BUSCA DE EQUILÍBRIO

Conheça e defina o melhor tipo de meditação para você, seguindo as técnicas que são mais confortáveis e com as quais cada um se identifica

» Mindfulness: Atenção plena. O praticante está atento a tudo o que está fazendo naquele momento. Além disso, treina a "curiosidade" ou "mente de principiante". É uma atitude na qual a pessoa se abre à situação, sem julgamentos. O importante é manter-se focado nas sensações do corpo e na respiração. Com o tempo, a percepção das sensações, combinadas com o foco na respiração, reduzirão os níveis de estresse e ansiedade. Esse estilo de meditação surgiu em 1979 e não pressupõe nenhum tipo de referência espiritual.

» Transcendental: o estilo foi criado em 1950 e tem como objetivo encontrar o mais profundo “eu de cada um”, ativando, assim, os reservatórios de energia, criatividade e inteligência. Não envolve nenhuma crença ou religião. O praticante transcenderá, ou seja, estará em contato com o seu verdadeiro “eu” e todos os desequilíbrios que apresenta voltarão à harmonia.
 
» Vipassana: criada há mais de 2 mil anos por Buda, tem em sua essência a intenção de mostrar as coisas como verdadeiramente são –  relações, objetos, sentimentos. A técnica é vista como caminho de transformação por meio da auto-observação. O praticante tenta alcançar o estado de mente equilibrada, livre de impurezas e amarguras.

» Zazen: muito comum nos países asiáticos, em especial no Japão. A forma de praticar está descrita no nome: “za” significa sentar-se e “zen” o estado de meditação. Por isso, todos os praticantes ficam sentados, em alguma das três posições previstas. Durante a prática, o foco se concentra apenas na respiração, em sua velocidade, intensidade e consistência, e a atenção ao ato de respirar é o que libera a mente de qualquer outro pensamento.

» Qigong:  técnica originária da China, há milhares de anos. O objetivo é equilibrar o Chi, considerado pelos chineses e outros adeptos ao redor do mundo a energia vital. Os praticantes realizam diversos exercícios, dentre eles, a meditação. A Qigong é realizada focando no dantian, ponto específico do corpo localizado um pouco abaixo do umbigo, entendido como o ponto de energia vital do corpo

» Acem:  desenvolvida em 1966, na Noruega, é inspirada no tipo Transcendental. É indicado que seja praticada duas vezes por dia, em sessões de 30 minutos.  Em cada uma, deve-se repetir um som, que não tem significado.

» Sudarshan Kriya: método elaborado por Sri Sri Ravi Shankar, que definiu a respiração como principal fonte de energia do ser humano e, portanto, o ponto central dessa técnica. Entende que, com a respiração, o praticante fica energizado e consegue se controlar, diminuindo níveis de estresse, enquanto cresce o desejo de viver bem, entre outros benefícios. Para praticá-la, é necessário usar técnicas de respiração em ritmos e ações controladas.

» Yoga: uma das modalidades de meditação mais conhecidas no mundo. Surgiu há mais de 5 mil anos na Índia e se disseminou pelo planeta. É uma prática que combina diversas posições corporais com movimentos de inspiração e expiração, sejam eles mais ou menos intensos, além de concentração absoluta no corpo e no que está sendo realizado.

Fonte: Giovanna Frugis, do canal Eu Sem Fronteiras


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade