Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas ODONTOLOGIA

Clareamento dental de forma segura

Uso do carvão ativado pode trazer prejuízos aos dentes. Esse tipo de produto é contraindicado por dentistas, que alertam para os danos causados e indicam métodos mais confiáveis para o procedimento


postado em 14/06/2020 04:00 / atualizado em 10/06/2020 22:01


A proposta de ter dentes brancos de forma rápida, indolor e sem custos muito altos fez o clareamento à base de carvão ativado se tornar um dos métodos mais utilizados. No entanto, a Associação Brasileira de Odontologia (ABO) repudia o uso desse produto, visto que não há comprovações científicas ou protocolos publicados que mostrem benefícios ou resultados satisfatórios associados a tal. Além disso, alguns riscos quanto ao uso do clareador já são comprovados, como a perda de proteção dos dentes e a sensibilidade.

O carvão ativado é comercializado em cápsula, ingerido diariamente em torno de dois comprimidos, e em pó, usado na escovação duas a três vezes ao longo do dia. O dentista Adriano Rafael explica que o produto é altamente corrosivo e capaz de desgastar a superfície com a qual tem contato, propiciando a deterioração do esmalte do dente e aumentando a probabilidade de dor e sensibilidade. “Se a pessoa tiver restaurações, elas podem ficar pigmentadas, deixando a coloração em tons diferentes. E esses malefícios podem ser percebidos em pouco tempo de uso”, completa. A aplicação desse tipo de clareamento não é feito em consultórios, apenas de forma caseira.

O jornalista Shandiney Miranda, de 24 anos, relata que o pó de carvão foi indicação de familiares e que, por curiosidade, fez uso. Seguindo as recomendações recebidas, Miranda aplicava o produto nos dentes uma vez por semana, antes de dormir. Os resultados não apareceram. “Os meus dentes sempre foram claros, mas não extremamente brancos. E, com esse carvão, a única diferença mesmo que eu percebi é que a boca fica preta durante a escovação, mas aquela promessa inicial de deixar o dente branquinho, nada”, conta.

Apesar de o jornalista não ter tido danos mais graves na arcada dentária, isso pode acontecer e, em casos como esses, é necessário realizar um tratamento para recuperar a saúde dos dentes. As formas de reversão do malefício causado pelo uso do carvão ativado dependem da gravidade do dano. “Caso o paciente tenha feito uso do carvão por pouco tempo, é provável que o dentista receite um tratamento caseiro com indicação de creme dental com fluoreto ou, com a prescrição devida, de antisséptico bucal e gel de fluoreto”, afirma.

Ainda, para a remineralização natural dos dentes é indicado, também, o consumo de alimentos ricos em vitamina D, como couves, escarola e espinafre, e suplementos de cálcio. Quando o dano é mais profundo, Adriano explica que o procedimento é feito através da aplicação de uma concentração maior de flúor, além do uso de resinas e lentes de contato. “As lentes, conhecidas como facetas de porcelana, são coladas na parte frontal dos dentes, cobrindo falhas, lascas e desgastes, evitando uma erosão maior”, elucida. Em situações nas quais não é possível reverter os danos, é necessário recorrer à reconstrução dentária por meio da colocação de coroas.
 
 
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press %u2013 29/10/19)
(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press %u2013 29/10/19)
 Se a pessoa tiver restaurações, elas podem ficar pigmentadas, deixando a coloração em tons diferentes. E esses malefícios podem ser percebidos em pouco tempo de uso”

Adriano Rafael, 
dentista


 
ACOMPANHAMENTO 

Para fazer o clareamento de forma segura, o dentista explica que há duas formas. Uma delas é realizada em consultório, à base de peróxido de hidrogênio. “Essa é uma técnica mais rápida. Em duas ou três sessões já é finalizada”, pontua. Há ainda uma opção caseira feita com carbamida. “O produto é colocado em um molde, produzido por um cirurgião-dentista, mas é utilizado e aplicado pelo paciente, em casa, após a escovação, durante um período indicado para cada pessoa”, explica. Todos esses métodos necessitam de acompanhamento odontológico.

Além disso, para manter os resultados, uma boa escovação, uso do fio dental e enxaguante bucal são grandes aliados. Adriano Rafael alerta que a limpeza após as refeições é fundamental, bem como evitar dietas com alta concentração de alimentos e bebidas pigmentadas, como energéticos, refrigerantes, cafés, chás, chocolates, vinhos, molho de tomate e molho shoyo. Ao ingerir alimentos como esses, a limpeza deve ser feita logo em seguida. Evitar o tabagismo e dar preferência a vegetais crus também é essencial.

A necessidade de repetição do procedimento de clareamento dental varia de paciente para pa- ciente. “O que recomendamos,  enquanto especialistas em saúde bucal, é que o tratamento não seja feito mais de duas vezes ao longo do ano, para evitar problemas com sensibilidade.”

*Estagiária sob supervisão da editora Teresa Caram 





Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade