Publicidade

Estado de Minas SAÚDE

Micoses têm maior incidência no calor

Com o verão, os pés se tornam mais vulneráveis à ação de micro-organismos. E para exibi-los de forma saudável em rasteirinha e chinelos é necessário adotar alguns cuidados


postado em 04/02/2020 14:00 / atualizado em 02/02/2020 11:03

Micoses, unhas amareladas, rachaduras. Apesar de o verão ser sinônimo de sol e diversão, a época também esconde perigos, em especial para a região dos pés, que se torna mais suscetível à ação de micro-organismos e, consequentemente, é porta de entrada para as doenças mais comuns da estação.

Segundo a dermatologista Natália Medeiros, o aumento no número de infecções e contaminações nessa região do corpo se dá pela mudança de hábito. “As pessoas passam a ficar mais tempo descalças, ou com sapatos mais abertos, em contato com água, areia e frequentam mais locais públicos nesta época do ano”, ressalta.

Um descuido muito comum apontado pela especialista é deixar de proteger os pés contra a incidência de raios solares. “Apesar de poucas pessoas terem conhecimento, a pele dos pés também pode sofrer queimaduras. O dorso, por exemplo, é uma região muito fina, sensível e que se queima facilmente”, alerta.

Entretanto, a prevenção é mais simples do que se imagina: higiene e hidratação. “Para lavar os pés, o recomendado é utilizar sabonetes de pH mais neutro, pois eles ajudam a evitar a proliferação de micro-organismos. Quando for secá-los, é importante passar a toalha por entre os dedos, pois essa área está mais suscetível à umidade”, ensina Nathália.

VENTILAÇÃO 

A dermatologista recomenda que é necessário deixar os pés respirarem, ou seja, sandália e chinelos são os mais recomendados. Caso queira usar sapatos fechados, é importante se certificar de que têm ventilação. “Ainda é bom intercalar os calçados. Após utilizados, deixe-os ventilar e expostos ao sol para evitar a multiplicação de fungos”, recomenda.

Não é necessário deixar de curtir a praia ou a piscina por medo de doenças de pele, pois desde que haja os cuidados necessários, a diversão sem riscos é garantida. Ao perceber alterações, procure um profissional para tratamentos precoces e assim evitar maiores complicações ou infecções mais graves, recomenda a dermatologista.

Três perguntas para...

Cinthya Dias, dermatologista

1) Diabéticos precisam dar maior atenção aos pés nesse período? Eles são um grupo de risco para contrair doenças nos pés? 

Sim. Os diabéticos têm que ter maior cuidado principalmente com a hidratação, pois essa é uma região que é porta de entrada para micro-organismos e que pode vir a trazer complicações sérias futuramente. Essa condição de saúde torna a pele naturalmente mais ressecada e por isso os pés dos pacientes diabéticos racham com maior facilidade e se tornam mais propícios a desenvolver doenças. Higienizar bem e hidratar com produtos à base de ureia ajudam a diminuir os riscos.

2) É necessário passar protetor solar nos pés? 

Apesar de ser uma área constantemente esquecida na hora de passar o protetor, é sim necessário que seja aplicado um produto para bloquear os raios solares. O dorso do pé, por exemplo, tem uma pele muito sensível e pode adquirir queimaduras solares facilmente, por isso é recomendado passar um protetor pelo menos de fator 30.

3) Uso excessivo de rasteirinha ou calçados abertos aumenta o risco de contrair doenças? 

Não é muito sobre o tipo de calçado, mas sim sobre a higienização dos pés. Claro que ao usar mais rasteirinhas e chinelos os pés vão estar mais expostos e podem aumentar os riscos de contrair alguma micose, mas caso o indivíduo siga a rotina de manter os pés limpos e protegidos, pouco importa o tipo de calçado.


Publicidade