Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Azeitona mineira é usada na produção de cosméticos

Protagonista do azeite agora vence mais um desafio e já é destaque como base para produtos de higiene pessoal, comercializados a partir de Maria da Fé, no Sul de Minas


postado em 16/12/2019 04:00 / atualizado em 16/12/2019 07:41

Região de Maria da Fé, no Sul do estado, registrou em 2018 a produção de 800 mil quilos de azeitonas, das quais foram extraídos 80 mil litros de azeite(foto: Erasmo Pereira/Epamig/Divulgação)
Região de Maria da Fé, no Sul do estado, registrou em 2018 a produção de 800 mil quilos de azeitonas, das quais foram extraídos 80 mil litros de azeite (foto: Erasmo Pereira/Epamig/Divulgação)

Doze anos após a primeira safra de azeitonas produzidas em Minas, o fruto das oliveiras amplia seu cardápio e é agregado a produtos de higiene pessoal e cosméticos que já são comercializados a partir de Maria da Fé, no Sul de Minas Gerais. A farmacêutica Vânia Cristina Lopes Gonçalves desenvolveu uma linha a partir do óleo, bagaço e caroço, criou duas marcas, e aguarda o resultado do pedido de patente.
 
A criação de sabonetes, sachês, óleos e cremes para a pele iniciou-se a partir de uma técnica desenvolvida por pesquisadores da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), que resultou em um sabonete, despertando a atenção da farmacêutica, que passou a pesquisar as inúmeras possibilidades na utilização do azeite.
 
A primeira linha de produtos originários do azeite extra-virgem foram criados a partir da primeira extração do óleo em Maria da Fé, gerando a marca “Maria Oliva”, posteriormente vendida. “Percebi que depois de processados, os resíduos da azeitona eram descartados, mas que ainda havia muitas propriedades a serem aproveitadas.” Ela então passou a pesquisar o bagaço, que é a sobra do fruto triturado junto com o caroço e partiu para nova linha que resultou em sabonetes, sabões em barra esfoliantes, cremes hidratantes, sachês de pano e vidro com flagrâncias que decoram e perfumam ambientes, gerando também uma cadeia produtiva que envolve costureiras e bordadeiras (para os sachês de tecido). Criou então a marca “Jardim Secreto”.
 
Produtos feitos a partir do óleo e bagaço de azeitonas(foto: Vânia Cristina/Divulgação)
Produtos feitos a partir do óleo e bagaço de azeitonas (foto: Vânia Cristina/Divulgação)
A produção é artesanal e como a colheita é somente entre os meses de janeiro e abril, Vânia desenvolveu uma técnica para armazenar o bagaço, que é recolhido na Epamig da cidade. Mas a empresa estatal vem desenvolvendo tecnologias para utilização do óleo e do caroço do abacate, cujas propriedades são similares ao da azeitona, explica o pesquisador em olivicultura e fruticultura de clima temperado da Epamig Luiz Fernando de Oliveira da Silva, uma vez que o fruto do abacateiro pode ser encontrado o ano todo. De acordo com Silva, a produção de produtos cosméticos com azeite de oliva já é realizada por outros países produtores, pois o azeite de oliva tem uma substância que traz benefícios à pele e combate os efeitos oxidativos causados pelos radicais livres.
 
No caso da azeitona, Luiz Fernando explica que foram desenvolvidas duas formas de produção: uma com azeite e outra com o resíduo da extração. Também há a opção do sabonete esfoliante. “Este é feito com o resíduo, que contêm, além de uma quantidade de azeite de oliva, pedaços triturados do caroço, proporcionando o efeito esfoliante.” Além de hidratantes, os sabonetes também representam importante fonte de renda para a região.
 
“Na verdade, da azeitona se aproveita tudo. O mais nobre é o azeite, mas há pesquisas que indicam sua utilização na alimentação de gado, fonte de energia e até a madeira das oliveiras em artesanato”, reconhece o pesquisador.


DESENVOLVIMENTO


O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fapemig, Paulo Beirão, disse que a utilização do fruto em outros setores, além do alimentício, é um exemplo da aplicação de conhecimento originado de pesquisa gerando novas oportunidades para o desenvolvimento econômico e social de uma região. "Novos negócios poderão ser criados a partir dessa tecnologia, e a dimensão que eles poderão tomar depende agora do setor privado. O mundo é o limite!", pontua.
 
Silva destaca, ainda, a importância da cadeia da olivicultura para a região de Maria da Fé. De acordo com o pesquisador, hoje são cerca de 1 milhão de plantas, 2 mil hectares plantados, cerca de 60 marcas comerciais de azeite, uma produção em 2018 de 800 mil quilos de azeitonas, das quais foram extraídos 80 mil litros de azeite. “Além disso, estamos trabalhando outras possibilidades de exploração da olivicultura, como azeitonas em conserva, folhas da oliveira, artesanato com a madeira da oliveira e cosméticos começam a se desenvolver e toda essa cadeia tem movimentado a região da Serra da Mantiqueira, trazendo benefícios econômicos, sociais e culturais”, finaliza.
 
Devido as condições climáticas no início do ano, a produção de azeite teve uma queda vertiginosa em 2019, de 80 para 20 mil litros. Entretanto as expectativas para o próximo ano são bem melhores e de que sejam retomados os números registrados no ano passado.
 
Segundo o IBGE, no Brasil há quatro estados produtores de azeitona (Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo e Bahia). Em 2018, Minas Gerais registrou produção de 528 toneladas (32% do total nacional) em uma área de 346 hectares. As regiões produtoras de azeitona em Minas Gerais são: Sul de Minas (88,6% da produção estadual) e Central (11,4% da produção estadual). Os principais municípios produtores são Cristina, Alagoa, Maria da Fé, Delfim Moreira e Baependi.
 
As primeiras mudas de oliveira chegaram a Maria da Fé na década de 1950, trazidas por um imigrante português. O clima frio ajudou na adaptação e foram identificadas outras regiões com possibilidades de expandir o plantio, como as serras da Mantiqueira e do Mar e no Espírito Santo. Com o sucesso em Minas, o Rio Grande do Sul também começou a produzir, já que as condições climáticas desse estado são favoráveis.
 
De acordo com a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, o azeite é um produto de alto valor financeiro agregado. Muito apreciado tanto na parte da gastronomia quanto medicinal. O Brasil é um dos grandes consumidores do produto. Especialistas de países com tradição já comprovaram a qualidade do produto e algumas marcas já receberam prêmios em concursos internacionais.
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade