Publicidade

Estado de Minas

Conheça as proposta do governo Bolsonaro para a safra 2019/20

Câmbio, disponibilidade de crédito e produtividade das lavouras são alguns dos fatores que podem impactar crescimento do setor de máquinas e implementos agrícolas neste ano


postado em 27/05/2019 04:07 / atualizado em 27/05/2019 11:04

Colheitadeira de cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro: Linhas de financiamento são importantes para o desempenho do agronegócio(foto: Beto Novaes/em/d.a press %u2013 24/6/10)
Colheitadeira de cana-de-açúcar no Triângulo Mineiro: Linhas de financiamento são importantes para o desempenho do agronegócio (foto: Beto Novaes/em/d.a press %u2013 24/6/10)

Em março deste ano, o governo federal suspendeu diversos programas de investimento do BNDES alegando que o momento econômico não permitia recursos orçamentários para pagar as instituições financeiras para que operacionalizem os financiamentos.

Isso incluía o Moderfrota – Programa de Modernização da Frota de Tratores Agrícolas e Implementos Associados e Colheitadeiras.


Ainda assim, várias outras ações são possíveis de serem implementadas pelos produtores. As montadoras fornecem formas de pagamento para produtores, empresas rurais e cooperativas, em outras modalidades que não fazem parte dos recursos do crédito rural do BNDES.


O sistema Faemg (Federação da Agricultura do Estado de Minas Gerais) elaborou um documento com propostas para o próximo Plano Safra 2019/20, cuja expectativa é de ser lançado no próximo 12 de junho, pontuando os programas e linhas de financiamento que entende ser importantes para o desenvolvimento do agronegócio no país.


“O agronegócio continua pujante e a capitalização dos agricultores de forma geral é muito boa”, afirma Pedro Estevão Bastos, presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Implementos Agrícolas (CSMIA), da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), sobre a perspectiva do aumento de 10% nas vendas no segmento em 2019.


No entanto, Bastos alerta que variáveis como câmbio, disponibilidade de crédito, produtividade das lavouras e as consequências da guerra comercial entre China e Estados Unidos, que influenciam nos preços da soja, pode interferir nos resultados do setor agrícola neste ano. “Precisamos saber também como ficarão as políticas agrícolas do novo governo para termos o prognóstico melhor do mercado.”


Para o presidente da CSMIA, é importante o governo buscar alternativas a fim de aumentar a disponibilidade de crédito para investimento. “Os recursos do Moderfrota devem durar até março/19, sendo necessário a suplementação de R$ 3 bilhões para chegar ao fim do ciclo agrícola 2018/2019, em 30 de junho. Já o Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) necessita aporte de R$ 700 milhões. A linha Inovagro também precisa de incremento de R$ 400 milhões. Essa situação influencia diretamente na movimentação dos negócios no segmento agroindustrial.”


Em 2018, as vendas de máquinas e implementos agrícolas foram 12% maior quando comparadas a 2017. “Tivemos uma excelente rentabilidade dos agricultores, principalmente na soja e algodão, bem como maior disponibilidade regular de recursos para investimento durante todo o período, além do câmbio favorável.”


Aline Veloso, coordenadora da assessoria técnica da Faemg, defende que o agronegócio disponha de políticas públicas direcionadas, fundamentadas e estruturantes. “Há expectativa forte de que o plano seja lançado e que tenha volume de recursos direcionados para equipamentos e máquinas novos e usados.”


Diante desse cenário, uma saída para os interessados em adquirir maquinários pesados é contar com o planejamento, procurar opções de investimentos seguros e que garantam o crescimento a curto, médio e longo prazos, explica o Diretor do Porto Seguro Consórcio, William Rachid. “Por esse motivo, o consórcio tem se tornado uma alternativa para o mercado de agrobusiness, que busca outras linhas de crédito que contribuam com o plano de expansão”, afirma.


Segundo a Associação Brasileira de Administradoras de Consórcio (Abac), o volume de cotas negociadas no segmento de veículos pesados, de janeiro a agosto de 2018, cresceu 22,8%, em comparação ao mesmo período de 2017, passando de 35,1 mil cotas vendidas (2017) para 43,1 mil cotas negociadas em 2018.

DOCUMENTO


No final de abril, o presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, entregou documento com 10 propostas prioritárias para o Plano Agrícola e Pecuário (PAP) 2019/2020 para a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, em Brasília.


As medidas apresentadas foram divididas em ações de curto prazo e estruturantes para a agropecuária brasileira. O documento está organizado em cinco eixos: propostas para recompor o volume de recursos para o financiamento da atividade, para desburocratizar e reduzir o custo de observância, crédito rural, gestão de riscos da atividade agropecuária e comercialização.


O presidente da CNA destaca que as sugestões foram elaboradas “ouvindo as bases”, por meio de reuniões com os produtores em todas as regiões do Brasil. Para João Martins, é um instrumento oferecido pela entidade para que a ministra tenha condições de negociar com o Ministério da Economia. “Ela (a ministra) já disse que deveremos ter um aumento substancial no seguro, algo em torno de R$ 1 bilhão. Os produtores estão muito esperançosos de termos um Brasil com crescimento de produção e sabendo como colocar essa produção, que é o mais importante”, afirma João Martins.

 

Outras prioridades apresentadas


»  Anunciar o volume de recursos programados para aplicação em crédito rural condizente com a real disponibilidade de recursos das instituições financeiras e com a capacidade de equalização de taxa de juros pelo Tesouro Nacional

»  Priorizar recursos para o crédito de custeio

»  Priorizar os programas de investimento para construção de armazéns
(PCA), adequação das propriedades à legislação ambiental (ABC) e investimentos necessários à incorporação de inovações
tecnológicas nas propriedades rurais (Inovagro)

»  Manter o diferencial de taxa de juros para médios produtores nos
programas PCA e ABC, conforme estabelecido na safra 2018/2019

»  Revogar a norma que autoriza as instituições financeiras a excluir
linearmente R$ 200 milhões de suas exigibilidades

»  Estender o mecanismo de equalização de taxa de juros e
outros encargos financeiros aos bancos privados e às confederações
de cooperativas de crédito rural

»  Definir políticas estruturantes para a gestão de riscos agropecuários, por meio da subvenção ao prêmio do seguro rural e às opções de venda de produtos agropecuários, revisão do Zoneamento Agrícola de Risco Climático e apoio à comercialização

»  Retornar o financiamento da assistência técnica
com recursos do crédito rural oficial

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade