Publicidade

Estado de Minas

Agricultores investem na fruticultura para escapar da crise

Agricultores mineiros optam por investir em novos cultivos para fugir dos altos e baixos dos preços. Fruticultura é uma das alternativas que têm conquistado espaço


postado em 03/10/2016 08:44 / atualizado em 03/10/2016 08:54

Produção de tangerina em Belo Vale: embora Minas seja o quarto produtor de frutas do país, o estado ainda depende de abastecimento externo(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 28/6/13)
Produção de tangerina em Belo Vale: embora Minas seja o quarto produtor de frutas do país, o estado ainda depende de abastecimento externo (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 28/6/13)
Em Curvelo, na região Central do estado, o agricultor Milton Santos, de 50 anos, se dedica ao cultivo de hortaliças, abóbora, mandioca e feijão em uma atividade que já dura 20 anos. Recentemente, Milton deu um importante passo: decidiu abrir o seu leque e investir também na fruticultura. A decisão do produtor é uma estratégia para não ficar à deriva dos preços. Aproveitando toda a área disponível na pequena propriedade, ele agora cultiva também banana e manga palmer e, aos poucos, vai testando novas variedades.

A diversificação é um dos caminhos que o produtor rural, de pequeno ou grande portes, pode trilhar para fugir da quebra brusca dos preços agrícolas, empurrados pelo sobe e desce da oferta e da demanda. Apesar de ser variada, a agricultura mineira tem espaço para expandir culturas e aumentar a relevância de produtos com resultados ainda muito pequenos na contabilidade do agronegócio do estado. Levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que do café à maçã, a produção mineira é a terceira mais diversificada do país. No entanto, entre os 47 produtos presentes de norte a sul do estado, seis deles concentram 80% da produção: café, cana-de-açúcar, soja, milho, batata-inglesa e o feijão dominam a pauta.

Pensando no espaço que existe para crescer, agricultores familiares de Minas estão sendo apresentados ao potencial da fruticultura. “Apesar de Minas ser o quarto maior produtor de frutas do país, o estado ainda é dependente do abastecimento externo”, observa Deny Sanábio, coordenador de fruticultura da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG).

Em Curvelo, foi montado pela empresa de assistência técnica uma unidade demonstrativa da fruticultura, na qual diversas espécies estão sendo cultivadas para testar o potencial e a aptidão da região para as culturas irrigadas. Até mesmo espécies tradicionalmente de clima temperado, como o pêssego e a maçã, demonstram bom desempenho no solo da região. O agricultor Milton Santos comenta que já experimentou também o plantio da atemoia e do mamão, com boa saída. “O consumo de frutas é grande e, por isso, não falta mercado.”

O agricultor, que investe recursos próprios, conta que gostaria de pleitear um financiamento para ampliar a produção da fazenda, hoje concentrada em 30 hectares. A experiência com a fruticultura trouxe também novas ideias. “Já penso em substituir hortaliças pelas frutas.”

Júlio Cézar Soares, técnico da Emater-MG em Curvelo, explica que a diversificação tem demonstrado ser um escape para produtores de todos os portes, uma vez que ajuda a lidar com os altos e baixos do mercado. Segundo ele, o projeto de fruticultura no estado é mais uma iniciativa que o produtor rural tem para proteger o seu negócio. Ele explica que na região de Curvelo, por exemplo, ainda há grande concentração na produção de leite, que tem preços instáveis. “O cultivo de banana, tangerina e maracujá já está ocorrendo por aqui, com bons resultados.” Segundo ele, cerca de 280 agricultores da região têm potencial para explorar a fruticultura. “No futuro, a ideia é que seja montada uma cooperativa para comercializar a produção em conjunto, garantindo melhores preços.”

Banhado pela Bacia do Paraopeba e Velhas, afluentes do São Francisco, a região de Curvelo tem sofrido com a seca, a ponto de o volume de chuva dos últimos três anos juntos ter ficado praticamente igual à média pluviométrica anual da região. “Acreditamos que, com a regularização da questão da água, o cultivo de frutas, que depende da irrigação, vai deslanchar por aqui”, avalia Soares.

AOS BILHÕES A fruticultura tem papel de destaque no estado, mas ainda não consegue abastecer a demanda de Minas, que importa maior parte das frutas consumidas por aqui. Por ano, a fruticultura produzida no estado movimenta cerca de R$ 2,4 bilhões, com destaque para o município de Jaíba, no Norte do estado, que tem o sexto maior valor da produção de fruticultura no país.

Segundo a Emater, Minas Gerais tem condições para produzir frutas tropicais, subtropicais e temperadas. No estado, a fruticultura gera cerca de 500 mil empregos. “Em Minas, são 470 mil propriedade rurais de pequeno porte. Junto, esse cultivo pode render quantidades expressivas”, aponta Sanábio. Segundo ele, além do mercado in natura, o produtor pode contar com a via de maior valor agregado, quando a fruta é transformada, na indústria, em sucos, geleias e doces.

Pierre Vilela, superintendente no Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes), lembra que, apesar do clima desfavorável, o agronegócio fechou em crescimento no primeiro semestre. E a diversificação é o ponto que garante fluxo de caixa também aos produtores de médio e grande portes. Segundo o especialista, nas culturas de grande escala, em uma mesma propriedade pode ter o cultivo de diversas hortaliças, de dois ou três tipos de grãos, além de produtos associados à pecuária de corte ou leite. “Minas é um estado que pode responder à demanda do país. A concentração em produtos como café, cana e milho se explica porque são produtos consumidos em grande escala.”

Filho de produtores rurais, desde criança Reinaldo Adriano da Silva, de 41, trabalha como agricultor na Região Central do estado. Ele cultiva hortaliças variadas, feijão e mandioca. Nos últimos anos, está investindo nas frutas, principalmente em mexerica, laranja e mamão, em cultivo consorciado. O pomar é irrigado e os resultados são bons. Reinaldo comercializa no próprio município e também no Ceasa – ao todo, são cinco hectares de frutas. O agricultor pondera que diversificar a atividade não é tarefa fácil, já que exige novos conhecimentos e o contato também com novos clientes. O ponto positivo é que amplia os mercados. “Um produto pode compensar o preço do outro”, avalia.

Terceiro lugar


Dos 63 produtos pesquisados pela Pesquisa Pecuária Municipal (PAM), Minas tem informação para 47 deles. Em termos de diversificação, o estado fica atrás do Paraná (49 produtos informados) e São Paulo (48). No valor total da produção, apenas na agricultura (não inclui pecuária, silvicultura e extração vegetal), Minas Gerais fica em quinto lugar nacional, totalizando o valor de R$ 27,1 bilhões, atrás de São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Rio Grande do Sul.

Enquanto isso...

...Tradição na pecuária


A pecuária mineira ainda é destaque na produção nacional, mas sofre os impactos da crise hídrica. Em 2015, houve redução (-2,38%) na produção de leite do estado em função da seca. Ainda assim, Minas Gerais ainda é o maior produtor nacional do país, com 9,1 bilhões de litros de leite produzidos em 2015, segundo a pesquisa Produção Pecuária Municipal do IBGE, o que representa 26,1% da produção nacional. Entre os 20 maiores municípios produtores do país, nove estão em Minas Gerais: Patos de Minas (2º), Coromandel (5º), Ibiá (6º), Patrocínio (7º), Unaí (9º), Pompéu (10º), Monte Alegre de Minas (11º), Prata (13º) e Passos (16º). O valor da produção de leite no estado caiu em proporção inferior (-0,9%). Minas também mantém o segundo maior rebanho bovino do Brasil, com 23,8 milhões de cabeças, número 0,6% superior ao de 2014. Na liderança, o Mato Grosso registra acima de 29 milhões de animais. Os mineiros também têm o maior rebanho de equinos do país, com Carlos Chagas (14º) e Governador Valadares (19º) entre os 20 municípios com o maior número de cabeças. Esse rebanho apresentou acréscimo de 1,4%. Já para o rebanho suíno, Minas Gerais ocupa a quarta colocação. Em ovos, o estado ocupa a quarta colocação. E na produção de peixes, passou da 10ª para a 8ª colocação.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade