Publicidade

Estado de Minas

Frutas e cana-de-açúcar adoçam lucros de pequenos agricultores mineiros

Com a possibilidade de agregar até 60% de valor dos produtos, mineiros se profissionalizam e ganham com a produção de doces


postado em 09/05/2016 09:00 / atualizado em 25/05/2016 14:51

A aposentada Ana Maria Martins começou vendendo para amigos e hoje fabrica, em média, 1,4 mil compotas de 20 tipos diferentes com o que colhe no pomar da fazenda em Itaguara, no Centro-Oeste(foto: Gil Leonardi/Imprensa MG)
A aposentada Ana Maria Martins começou vendendo para amigos e hoje fabrica, em média, 1,4 mil compotas de 20 tipos diferentes com o que colhe no pomar da fazenda em Itaguara, no Centro-Oeste (foto: Gil Leonardi/Imprensa MG)
Do campo para a mesa. Pequenos agricultores de Minas Gerais estão investindo em profissionalização para transformar eles mesmos a matéria-prima produzida em suas terras – como frutas, leite e cana-de-açúcar – no produto final comercializado nos supermercados, lojas e restaurantes de todo o país. A vantagem que eles apontam é a certeza da qualidade e o controle de todas as etapas do processamento do alimento, além, é claro, de agregar valor a uma produção que, in natura, dificilmente renderia o mesmo lucro.

A estimativa é que os pequenos agricultores lucrem em média 60% a mais com o controle de toda a cadeia de processamento do alimento, que vai desde o plantio e colheita até a fabricação, armazenamento e rotulagem. Essa busca da qualidade e profissionalismo é uma exigência do próprio mercado consumidor. Hoje, o público quer segurança alimentar, quer saber a origem do produto e se ele é certificado. Por isso a crescente demanda por cursos de tecnologia de produção envolvendo boa práticas de fabricação, higiene e segurança alimentar.

“Muitos produtores começaram a atividade (processamento) para aproveitar o excedente de produção. E foram ganhando mercado porque são produtos naturais, com qualidade, sem aditivos químicos, que vão para a mesa do consumidor bonitos e saborosos”, explica Cornélia Francisca da Silveira Freitas, extensionista de Bem-Estar Social da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), entidade que promove cursos voltados para esses produtores.

Um exemplo vem da aposentada Ana Maria Martins, de 61 anos. Para ocupar o tempo vago, ela fez alguns cursos voltados para a área rural e resolveu aplicar a teoria aprendida em sala de aula na reforma do pomar da fazenda que possui a poucos quilômetros de Itaguara, no Centro-Oeste mineiro. “De repente, me perguntei: o que eu faço com tanta fruta? Resolvi então fazer doces para vender para amigos”, recorda. Isso foi em 2010, e ela só não imaginou que o que começou como um passatempo mudaria sua vida.

Hoje, ela contabiliza uma produção média de 1,4 mil compotas de 20 tipos de doces, feitos principalmente com goiaba, figo, marmelo, laranja-da-terra e limão. A produção que começou com a ajuda de uma vizinha tem agora a participação de mais três funcionárias. “Cresci bastante de lá para cá, mas como a produção é toda artesanal, me limito a alguns clientes, porque não tenho condição de produzir grande volume”, diz Ana Maria, que ainda assim vende seus quitutes para Belo Horizonte, Brasília, Salvador e Natal, no Rio Grande do Norte.

O segredo do sucesso, ela tem na ponta da língua: “O meu diferencial é a preocupação com a qualidade, em manter o padrão da produção. Sem matéria-prima boa você não consegue fazer um bom produto. Se você comer o meu doce hoje ou no ano que vem, ele provavelmente terá o mesmo gosto. Pode mudar a cor, mas o sabor vai ser o mesmo”, assegura Ana Maria.

Quem tem discurso semelhante é o produtor Enilson Magno Telles, de 44. Em um terreno de 20 hectares no Centro-Oeste de Minas, ele planta cana-de-açucar para a fabricação mensal de 11 mil rapaduras, vendidas especialmente em Divinópolis, Nova Serrana e Pitangui. O trabalho é exercido pela família há três gerações, sempre preocupada com o acompanhamento do plantio até a produção. “A gente escolhe o terreno para plantar, o tipo da cana. Com isso, tem mais qualidade para quem compra”, explica Enilson, que recentemente começou a comercializar “rapadurinhas” para Goiás.

Bonificação Há 15 anos, Neide de Fátima de Oliveira, de 44, usa os 500 litros de leite ordenhados diariamente nas vacas da fazenda de seu sogro para fabricar doce pastoso ou em tabletes. Ela aprendeu a fazer o doce de leite com uma tia, a quem substituiu depois de sua morte. No começo, o produto era vendido em um pequeno restaurante em Itaguara. Mas o sabor agradou tanto que hoje ela tem uma pequena fábrica com produção média mensal de 250 quilos de doce pastoso e 150 quilos em tabletes. Para atender à demanda, conta com duas ajudantes.

“A gente vender o leite é muito barato. Para quem produz, compensa processar e fazer um doce, por exemplo. Você tem o controle da matéria-prima e tem a certeza da qualidade”, ensina ela. De fato, o ganho pode chegar a 400%. Em Minas Gerais, o produtor tem vendido o litro do leite por R$ 1,248, segundo números do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada da Universidade de São Paulo (Esalq-USP). Para um quilo do doce são necessários 2,5 litros de leite, açúcar e bicarbonato. Portanto, o custo não ultrapassa R$ 5, enquanto ao consumidor, o quilo do doce custa em média R$ 20.

A qualificação do produtor tem influência direta nas grandes indústrias do ramo alimentício. Na Itambé, por exemplo, os cerca de 7 mil fornecedores de leite – espalhados por fazendas em Minas Gerais e Goiás – são capacitados pela empresa e ainda têm uma bonificação calculada a partir da qualidade do que ele oferece. “A qualidade da matéria-prima é fundamental. Hoje, 30% do preço pago ao produtor do leite vem de quesitos de qualidade. É uma tabela totalmente transparente”, afirma o diretor de gestão e relações institucionais da Itambé, Ricardo Cotta. A empresa tem uma produção hoje de 3,5 milhões de litros de leite por dia.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade