Publicidade

Estado de Minas

Floricultura de Minas Gerais avança em desenvolvimento tecnológico

Tecnologias para agregar valor à produção sustentável, aproveitar áreas improdutivas e melhorar a qualidade apoia produtores em tempos de crise da economia


postado em 16/11/2015 06:00 / atualizado em 16/11/2015 07:46

Rosas dominam demanda, mas consumo no Brasil ainda é muito baixo, embora tenha crescido até 15% ao ano(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press 6/9/11)
Rosas dominam demanda, mas consumo no Brasil ainda é muito baixo, embora tenha crescido até 15% ao ano (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press 6/9/11)
Característica de um cultivo intensivo e que demanda mão de obra em grande quantidade por área plantada, a floricultura de Minas Gerais avança em desenvolvimento tecnológico, apoio essencial num momento de economia desaquecida. A Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig) pôs em testes tecnologia inovadora no Brasil para aproveitar a estrutura de estufas já montadas e o uso de solos improdutivos no Campo Experimental Risoleta Neves, em São João del-Rei, na Região Central do estado. O local foi escolhido em razão da proximidade com o município de Barbacena, batizado de Cidade das Rosas, e o Sul de Minas, onde está concentrado o maior número de produtores de flores, e o clima favorece as plantações.


Minas só perde para São Paulo em dimensões de área plantada no Brasil (veja o quadro).  O comércio de flores e plantas no país tem crescido de 12% a 15% ao ano, segundo Thyara Ribeiro, analista de projetos do Instituto Antonio Ernesto de Salvo (Inaes) da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg). São mais de 12 mil hectares de plantio em solo brasileiro, aproximadamente 8 mil produtores e 350 espécies e cultivares desenvolvidas. De acordo com a pesquisadora da Epamig e coordenadora do projeto que testa o novo cultivo de rosas, Elka Almeida, o sistema desenvolvido em vasos e com circuito fechado de irrigação, denominado ebb and flood, é totalmente automatizado.

As rosas são plantadas nos vasos, e não no solo, recebendo periodicamente uma solução nutritiva. Depois de um período específico, a solução é drenada e estocada em tanques para reciclagem e reutilização, explica a pesquisadora. Os testes estão sendo feitos com a cultivar carola, que tem coloração vermelha. “A vantagem do sistema se dá em função da possibilidade de cultivo em regiões com solos pobres, salinos e improdutivos”, observa Elka Almeida. Além disso, permite o melhor uso do espaço na pequena propriedade, com benefícios frente ao cultivo convencional.

No novo sistema, o produtor não precisa fazer rotação na área de produção, o manejo da cultura pode ser feito em pé, o que proporciona bem-estar ao trabalhador, menor incidência de doenças na cultura e o aproveitamento da água residuária. A Epamig prevê diversos testes para avaliar a viabilidade econômica da tencologia, mas os resultados preliminares mostram que é possível produzir rosas de qualidade, segundo Elka.

Fazenda em Prados testa técnicas aplicadas em pequena propriedade(foto: Epamig/Divulgação)
Fazenda em Prados testa técnicas aplicadas em pequena propriedade (foto: Epamig/Divulgação)
Produtora de rosas em Barbacena há mais de 50 anos, a presidente da Associação Barbacenense dos Produtores de Rosas e Flores (Abarflores), Sheila Magda Brandão Loschi, conta que os produtores buscam as melhores técnicas para elevar a qualidade das flores e aumentar a produção. “A rosa é a rainha das flores, carrega muito significado e a demanda continua positiva mesmo neste ano de crise econômica”, afirma. A produção local já cresceu 10% quando comparada à de 2014.

Sheila Loschi fornece rosas a clientes de Belo Horizonte, Juiz de Fora, Holambra, em São Paulo, e dos estados do Espírito Santo e Rio de Janeiro. A despeito da expansão da produção, a elevação dos preços dos combustíveis pressionou os rendimentos dos produtores em 2015. Em busca de maior faturamento, os floricultores tendem a agregar folhagens à produção de rosas. “Elas complementam o arranjo das flores, aumentando nosso faturamento e agregando mais valor ao produto final”, diz.

A dúzia de rosas diferenciadas custa de R$ 12 a R$ 15, ante a variação de R$ 8 a R$ 10 para a dúzia das flores sem o arranjo. O botão embalado para presente custa R$ 3,50 e os arranjos e buquês mais elaborados são vendidos entre R$ 70 e R$ 1 mil. Mario Raimundo de Melo produz rosas há 18 anos em Barbacena e na vizinha Alfredo Vasconcelos. Ele reclama dos efeitos da crise deste ano. “A demanda é sempre muito positiva devido a datas fortes para o comércio durante todo o ano (dias das mães, dos namorados, da secretária e de Finados), mas o câmbio e a alta dos preços da energia elétrica prejudicaram um pouco o produtor”, afirma.

Os custos de produção aumentaram até 20%, nas estimativas de Raimundo de Melo. “Como pagamos royalties sobre muitos tipos de rosas, o dólar no patamar dos R$ 4 prejudica. Além disso, defensivos agrícolas e matéria-prima importada encareceram muito”, observa o produtor, que, ainda assim, acredita em bons resultados para o setor no fechamento de 2015. Minas é o estado com a segunda maior área plantada e o quarto maior produtor de flores do Brasil.  As microrregiões que se destacam na atividade são Barbacena, Andradas, Itapeva, Rio Casca, Teófilo Otoni, Manhuaçu e São João del-Rei.

Clientes valorizam prática sustentável

A Epamig investe, também, na pesquisa sobre o manejo integrado de pragas. Uma das linhas do estudo envolve o uso de plantas alocadas nas proximidades das roseiras, para atrair inimigos naturais que não prejudiquem as flores. Segundo a pesquisadora responsável pelo trabalho para controle de pragas na produção orgânica de flores, Lívia Carvalho, é importante definir o controle biológico próximo ao cultivo. “O cravo-de-defunto e o manjericão, por exemplo, deram resultados bem interessantes, pois repeliram as pragas da flor e atraíram insetos benéficos, como joaninhas e outros predadores que se alimentam das pragas”, conta.

Outra pesquisa que vem sendo realizada avalia a liberação de ácaros predadores no cultivo de flores. A ideia por trás da pesquisa é reduzir o uso de produtos químicos na floricultura, o que também pode impactar o custo de produção, já que, em geral, as alternativas podem ser mais baratas do que os gastos com agrotóxicos. Simone Novaes Reis, pesquisadora e coordenadora do Núcleo Tecnológico Epamig Floricultura, ressalta que o foco das pesquisas desenvolvidas no Campo Experimental Risoleta Neves está na produção sustentável de flores.

“Além das consequências ambientais, as flores contaminadas, mesmo não sendo ingeridas, são prejudiciais à saúde, pois o contato com as vias nasais e a pele também pode ser um mecanismo de contaminação dos funcionários do campo, dos lojistas que preparam os buquês e arranjos e do consumidor final”, alerta. Em 2009, foi instituído um núcleo de pesquisadores com o objetivo de gerar tecnologia para produção de flores e plantas ornamentais de qualidade usando práticas menos agressivas ao meio ambiente. Cinco projetos de pesquisa já foram executados.

A implantação do cultivo de rosas em outras áreas externas à Fazenda Experimental da Epamig foi uma alternativa para validar o sistema estudado pela Epamig. Uma unidade demonstrativa já foi implantada em Prados, Região Central do estado, em uma propriedade rural familiar. Além do plantio de rosas foram implantados cultivos de copo-de-leite e bastão-do-imperador e todas as tecnologias obtidas com os resultados das pesquisas estão sendo usadas na unidade, onde é possível apresentar os resultados das pesquisas para vários produtores. As espécies estudadas são: rosa, copo-de-leite, antúrio, gengibre ornamental, bastão-do-imperador, helicônia, gladíolos, lírio, orquídea e bromélia.

Muito a crescer

O Brasil tem um grande potencial de crescimento na floricultura. Enquanto nos países europeus o consumo por habitante é estimado, em média, entre US$ 70 e US$ 100 per capita por ano, no país não passa de US$ 11 per capita, devido à falta de hábito de consumo, de acordo com a Faemg. As rosas são as flores mais consumidas no Brasil e no mundo. Estima-se que em 2014 foram oferecidas 320 milhões de hastes no mercado nacional. A produção girou R$ 496 milhões, cifra que representou crescimento de 10% sobre o valor movimentado no ano anterior. A expectativa para 2016 é de maior crescimento, com volume ofertado de 550 milhões de hastes.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade