Publicidade

Estado de Minas DA ARQUIBANCADA

Acordar é preciso


postado em 30/07/2019 04:00

(foto: Son Salvador)
(foto: Son Salvador)


O América não parou durante a Copa América. Parou foi durante a páscoa e segue inerte até agora, continua sendo aquele coelhinho que distribui presentes, que não assusta ninguém. Digo isso porque não vejo no América o desejo de superação necessário para um momento como este. Não adianta ficar discutindo formação tática, não adianta reclamar da sorte. Alguém precisa dizer para cada jogador que o time está na zona de rebaixamento da Série B e que a queda será vergonhosa. Com todos os problemas vividos, com todas as limitações, o clube oferece uma estrutura excelente. Não dá para entrar em campo esperando que o adversário possa ditar as regras da partida. Reforços sempre são necessários, mas, neste caso, falta uma certa afinidade entre jogadores e clube.

PREOCUPANTE
O Cruzeiro aposta suas fichas na Libertadores e na Copa do Brasil. Este jogo contra o River Plate é de uma importância tremenda. Acredito que o time do Mano Menezes leve uma boa vantagem sobre o adversário. Jogando em casa, com o apoio do seu torcedor e com o time titular quase completo, a decisão pende para os mineiros. Pedro Rocha poderá ser a peça fundamental num jogo em que o ataque, independentemente de quem seja o centroavante, terá de fazer da velocidade seu ponto forte.

ARBITRAGEM
Fica apenas uma preocupação: quero saber se o VAR virá falando a língua das duas equipes ou se virá com aquele sotaque da Conmebol que sempre se posiciona contra o futebol brasileiro.

COMPLICOU
Mano reclama da ausência de alguns jogadores. Tem lá suas razões. Mas não havia a necessidade de entrar para o jogo contra o Atlhetico com uma equipe tão desajeitada. Alguns bons jogadores, mas um time sem rumo, sem cobertura e sem a eficiência no passe. Assim, a coisa ficou difícil. O treinador precisa entender que está pagando o preço por optar pelas copas. Se de um lado o clube negociou jogadores, por outro ele se afirma como forte competidor no modelo mata-mata. Então, está pagando o preço. Não discuto sua queda pela formação tática defensiva. Acho até que a Libertadores não permite o joguinho bonito. Mas ele também é responsável pela situação na tabela de classificação do Brasileirão.

FRED
O camisa 9 foi contratado para ser uma das estrelas da companhia. Seria o finalizador de um time competitivo. Verdade que nos últimos anos nenhum centroavante de profissão se afirmou sob o comando do Mano Menezes. O forte da posição foi a alta rotatividade e muita gente ocupou aquele espaço. Mas o Fred, com sua história, certamente iria ocupar a vaga. Pois não está sendo assim. As contusões não permitiram que ele entrasse em forma. Daí, a frustração do torcedor que apoiou sua contratação, que bateu palmas para seus gols no Estadual, mas que espera muito mais nas disputas mais importantes.

EM GOIÁS, 19 HORAS
Não era a Hora do Brasil, era o jogo do Galo. Um jogo com duas equipes limitadas em seus ataques. Total falta de inspiração e criatividade e de atrevimento. Ficar em campo 90 minutos para não jogar é coisa que não pode ocorrer. Rodrigo Santana precisa tomar cuidado. Depois de um período de bom futebol, o Atlético volta a mostrar em campo aquele joguinho que derrubou os últimos treinadores.

SÍMBOLO
Luan, aquele que é sempre uma esperança quando entra em campo, resolveu deixar seu futebol no vestiário e atuar como carimbador maluquinho. Carimba a bola e toca para trás, carimba a bola e toca para o lado. O ataque conta com jogadores que não querem fazer o jogo de equipe. Todo mundo tenta chutar a gol, às vezes sem rumo e sem chance.

A MODA PEGOU
Quando os clubes não contavam com tanta gente trabalhando na preparação física, a turma jogava na quarta feira e no domingo sem problema. Agora, a coisa é bem diferente. A turma da fisiologia indica quem joga, quem fica de fora a cada rodada. Interessante que o número de contusões não diminuiu. Então, fica a pergunta: nosso futebol está utilizando jogadores mais sujeitos às contusões?  Sei que muita gente volta para atuar no Brasil naquela fase de pré-aposentadoria, daí que a musculatura não é mais a mesma. Mas, então, não seria o caso de investir em equipes mais jovens? Gente que possa jogar duas vezes por semana. Só isso.

ELE
E segue o VAR deixando dúvidas, e segue a arbitragem favorecendo os de sempre. Um vexame.

DIFÍCIL
O Palmeiras está se complicando. A dona do banco vai acabar tendo que escalar 11 caixas eletrônicos....


Publicidade