Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas VIDA POSITIVA

A felicidade vai muito além dos momentos felizes

'Quando a ciência fala em bem-estar emocional, ela fala em investigar as emoções que nós sentimos. E conseguimos isso através de autoconhecimento'


06/03/2022 04:00 - atualizado 02/03/2022 14:42

Ilustração com um homem de óculos onde vê o sol e nuvens com raio em cima da cabeça dele
Muita gente descreve a felicidade como algo momentâneo, e que devido ao momento que vivemos fica difícil ser feliz. Podemos mudar isso! (foto: ilustração)

 
Na neurociência aprendemos uma boa premissa: “Assim como vamos para a academia treinar o bíceps, podemos treinar o cérebro a ser mais feliz”. Será que é possível mudar a forma de pensar?

Sim podemos e devemos!
 
Infelizmente, estamos em tempos difíceis lutando contra um inimigo invisível e sem saber quando tudo isso vai terminar, uma verdadeira guerra mundial. Às vezes, imagino nos anos de 1944, ainda em guerra, mas já há alguns anos, o povo sofrido, sem teto, sem comida, dinheiro ou segurança, remédios, médicos ou que fosse necessário.

Às vezes, bem em suas casas ouvindo as bombas. Outros piores, presos em campos de concentração com uma vida abaixo do nível suportável, sobrevivendo de sonhos e passando fome, frio e humilhação.
 
Como sobreviveram?
 
Viktor Frankl, psicólogo judeu, viveu num campo de concentração, passou por tudo isso e nos trouxe seu legado de aprendizado com todo o sofrimento gerado ao povo judeu. Para sobreviver a tempos difíceis precisamos ter um PARA QUÊ viver, um significado que nos dá força de continuar lutando e querendo viver.

A Ciência da Felicidade é compreendida como um campo multidisciplinar que engloba pilares importantes:

1. A psicologia positiva
2. A neurociência
3. A ciência das emoções
Podemos entender a psicologia positiva como o novo olhar dos psicólogos frente aos grandes problemas. Em vez de encarar como dificuldade ou obstáculo, encarar como desafio! Sim, um desafio que podemos olhar positivamente não para o problema, mas descobrir onde está a solução.

Então, o que estuda a Ciência da Felicidade?
 
Estuda o comportamento positivo do ser humano. Pessoas consideradas otimistas foram estudadas e descobriram um padrão comum entre elas: focam no que funciona, agradecem, se dão permissão para serem humanos e sentir emoções, e agem de forma a enxergar soluções, não se prendendo ao padrão problema.
 
Esse modelo de trabalho com a felicidade pode se dar num nível individual ou até no coletivo. E sim, podemos estender a solução ao estresse pós-traumático, propiciando o crescimento pós-traumático – um termo cunhado pelos psicólogos positivos.
 
Assim pode mudar nossa felicidade individual – no âmbito subjetivo, como é que eu percebo a felicidade no meu dia a dia, bem como e a felicidade coletiva – como é que nós, como sociedade, experimentamos a felicidade.

A felicidade individual tem um valor muito baixo, as coisas podem estar bem lá em casa, mas quando olho pra fora, não deixo de me preocupar com as pessoas, com a classe econômica, com a polarização política, com a pandemia – e é claro que isso tudo afeta meu bem-estar individual.

Segundo definição do professor israelense Tal Ben-Shahar, com quem tive a oportunidade de estudar, a felicidade é uma combinação do bem-estar físico, emocional, intelectual, relacional e espiritual.

Entrando na questão da felicidade coletiva, vem a pergunta do momento e que nos angustia: como se manter feliz encarando uma pandemia há mais de dois anos?.

Estamos vivendo um trauma coletivo, um luto coletivo, que só vai ser possível de ser compreendido daqui a muitos anos. Os cientistas sociais têm dito que estamos vivendo um estresse pós-traumático semelhante ao do pós-guerra, mas ainda mais complexo, porque não conseguimos enxergar o inimigo a olho nu. Eu concordo com isso!
 
Vejo diariamente, o aumento de casos de depressão, pânico, doenças crônicas, insônia, irritabilidade, fadiga e burnout em demasia pós-Era COVID-19. E principalmente quem já sofreu a doença e vem trazendo em si as consequências desse vírus em seu organismo.

Muita gente descreve a felicidade como algo momentâneo, e que devido ao momento que vivemos fica difícil ser feliz. Podemos mudar isso! Mas como?
 
A verdade é devemos ficar no momento presente e desfrutar como der de cada momento, mesmo que seja confinado, com medo ou doente. A vida deve continuar e devemos lembrar o PARA QUÊ vivemos, nosso propósito de vida e seguir com garra nestes tempos difíceis. Assim, passaremos, como todos os que sobreviveram a guerras, pestes antigamente, também nós, neste momento de provação, estamos no mesmo barco.
 
Quanto mais controle emocional tivermos, mais encontraremos saúde e imunidade. A resposta está no que a neurociência vem ensinar, um exercício mental diário de focalizar no bem-estar, nas pequenas mudanças possíveis, um exercício diário de positividade. Cada um à sua maneira, podemos realizar o bem à humanidade se todos conseguirmos ser um pouquinho mais positivos e regularmos nosso estresse diário.
 
As pessoas têm essa ideia de que a felicidade é subjetiva, abstrata, e hoje a ciência está mostrando que a felicidade vai muito além dos momentos felizes. Tem efeitos duradouros, mais profundos. O grande trabalho da Ciência da Felicidade é desmistificar a felicidade, justamente para que as pessoas possam compreender melhor o que ela é e se livrar de algumas ilusões, como a de que uma vida feliz é uma vida livre de tristezas.
 
Isso é completamente irreal. A tristeza nos leva a reflexões profundas sobre nós mesmos, coisa que a felicidade não faz. Dito isto, entendo que a felicidade é um estado do ser e, portanto, pode abarcar diferentes emoções.
 
A autoaceitação e o autoconhecimento são a chave para sermos mais felizes? Sem dúvida o autoconhecimento é a principal chave. Quando a ciência fala em bem-estar emocional ela fala em investigar as emoções que nós sentimos. E conseguimos isso através de autoconhecimento.
 
Qual o papel das redes sociais na “infelicidade” coletiva?
As redes sociais proporcionam uma coisa bem conhecida da psicologia, que é a ansiedade de referência. Nosso subconsciente está o tempo todo fazendo comparações, nós não fazemos uma leitura da vida e dos fatos a partir de estudos concretos, mas sempre pelo viés da comparação.

Por mais que conscientemente entendamos que as redes sociais mostram apenas um recorte “feliz” da vida das pessoas, quando se está lá, rolando as fotos e vendo todo mundo em um lugar bacana e você em casa, começa a achar que a sua vida é mais chata do que a dos outros.
 
É possível ensinar alguém a ser feliz?

Depois de anos de estudos, o neurocientista Richard Davidson trouxe uma conclusão que revolucionou a forma como a ciência entende a felicidade. Ele afirmou que ela é uma habilidade que pode ser aprendida, desenvolvida, aperfeiçoada, treinada.

A neurociência compreendeu que o cérebro é um músculo e, assim como vamos para academia exercitar o bíceps, podemos exercitar o cérebro. Portanto, a felicidade pode ser desenvolvida, aprendida. Mas a ciência nunca falou absolutamente nada sobre a felicidade ser ensinada.
 
Vamos lá minha gente, treinar, como ver o mundo por uma lente mais otimista. Você está vivo, mude sua forma de ver!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade