Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Crise política

ONGs torcem contra o Brasil ao tentar frustrar acordo com europeus

Organizações ambientalistas, para combater os erros evidentes da política ambiental do governo, estão investindo contra a ratificação do Acordo de Livre Comércio Mercosul-União Europeia


12/10/2020 04:00 - atualizado 12/10/2020 07:19

O tratado com a União Europeia é essencial para o desempenho das exportações brasileiras em geral e não só do agronegócio (foto: Terminal do Porto do Açu/Divulgação )
O tratado com a União Europeia é essencial para o desempenho das exportações brasileiras em geral e não só do agronegócio (foto: Terminal do Porto do Açu/Divulgação )

Os países e seus governos não são a mesma coisa. Nas democracias, os governos são aprovados apenas por uma parte da população, que nem mesmo é sempre majoritária. Confundir, portanto, o que pensa e faz um governo com o que é e pensa um país é um equívoco. Nas sociedades democráticas, os governos são transitórios e a luta política não deveria nunca chegar ao ponto de ferir os interesses mais permanentes da população.

Nem todos, porém, concordam com essa regra de ouro. Neste exato momento, o interesse do Brasil está sendo ferido no altar da luta política e ideológica. Organizações ambientalistas que operam em solo nacional, para combater os erros evidentes da política ambiental do governo, estão investindo aqui e no exterior contra a ratificação do acordo de livre-comércio Mercosul-União Europeia.

Há muitas interpretações sobre a falta de crescimento do país, mas todas convergem em um ponto: o grande fechamento da economia brasileira para o exterior. A alternativa que temos para crescer e melhorar a vida dos brasileiros é justamente procurar acordos de livre comércio com os países e blocos que assim o desejarem.

Após tratativas que se arrastaram por 20 anos e vários governos, o Brasil finalmente firmou acordo comercial com a União Europeia, pelo qual 95% de nossas exportações para o bloco estarão livres de tarifas e outras restrições. Para entrar em vigor, o acordo precisa de ratificação pelos parlamentos nacionais de cada país europeu, contra o que se mobilizam as resistências dos seus setores econômicos mais atrasados. Infelizmente, essas mobilizações vêm contando com o apoio aberto de organizações ambientais brasileiras para derrubar o tratado.

Na última semana, um agressivo relatório patrocinado pelo Greenpeace para esse propósito foi divulgado na Europa, onde se somou a outras arengas disfarçadas de ciência. Afirma-se ali que o acordo de livre-comércio com a União Europeia é, na verdade, um acordo de destruição do clima e da floresta, que protege apenas setores produtivos predatórios e fortalece governos autoritários. Nada disso é verdade.

Segundo o Greenpeace, o acordo vai aumentar de tal modo as exportações do agro brasileiro para a União Europeia que será inevitável desmatar grandes extensões de florestas para acomodar o aumento necessário da produção. Acontece que isso nunca vai acontecer. O acordo contempla todo o comércio entre os blocos, e não apenas o setor agropecuário. Exportamos hoje para a União Europeia US$ 42 bilhões, dos quais apenas US$ 14 bilhões, um terço, provêm do agronegócio. Essas exportações são apenas uma fração dos US$ 180 bilhões de produtos agrícolas que os europeus importam e continuarão importando de outros países.

A soja não terá qualquer novo estímulo, pois já ingressa hoje no bloco sem tarifas alfandegárias. Se o objetivo é diminuir o cultivo da soja, o alvo foi mal escolhido, pois o destino de 72% da soja exportada pelo Brasil é a China, que é responsável por 40% das vendas externas do agro brasileiro. Em suma, não há qualquer relação de causa e efeito entre o acordo de comércio e a destruição da Amazônia ou a mudança climática. Na verdade é o contrário, pois foi a assinatura desse acordo que fez o governo brasileiro desistir de se retirar do acordo do clima de Paris, como era sua intenção.

Por fim, afirmar que o acordo fortalece governos autoritários é uma agressão gratuita aos países do Mercosul. Argentina, Uruguai, Paraguai e Brasil são países democráticos. Podemos até admitir que o atual presidente tem inclinações autoritárias, mas isso não é mais que um traço de sua personalidade. A república brasileira é democrática, segundo qualquer padrão que se escolher, e o governo é exercido dentro das limitações constitucionais da separação dos poderes e do estado de direito.

A ética do ambientalismo radical, às vezes, replica a lógica dos movimentos de esquerda do século 20: se os fins são nobres, todos os meios se justificam, inclusive afastar-se da verdade e ficar contra o próprio país.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade