Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Bolsonaro e Lula deveriam se unir. Juntos explodiriam o Brasil mais rápido

A única via atualmente é a do bolsopetismo. Falar em terceira via é esquecer que nem há uma segunda


14/03/2022 15:01

Lula e Bolsonaro
Caminhamos para a definição dos candidatos à Presidência e, por hora, apenas os dois trastes acima têm chances reais de vitória (foto: Sergio Lima e Tomas CUESTA/AFP)
Vejam só: Lula da Silva, o meliante de São Bernardo, entraria com sua expertise ímpar em liderar quadrilhas, conforme denunciou o Ministério Público Federal, em ao menos duas ocasiões: mensalão e petrolão. Além, é claro, de suas condenações não condenatórias.

Por outro lado, Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, teria muito a contribuir com sua experiência em contratar funcionários fantasmas, torrar milhões em passeios de jet ski, condecorar assassinos de aluguel e auxiliar um vírus a matar mais de 650 mil pessoas.

O ex-tudo (ex-presidente, ex-presidiário, ex-corrupto e ex-lavador de dinheiro) ensinaria o devoto da cloroquina a apoiar e financiar ditaduras e terroristas mundo afora, usando nosso dinheiro roubado, e receberia em troca dicas de como se solidarizar com tiranos russos.

Poderiam, também, falar um pouco sobre paternidade e o sucesso na criação de prodígios milionários, já que um tem como filho o Ronaldinho dos Negócios, e o outro, um gênio do setor imobiliário - que compra mansões com dinheiro de panetones de chocolate.

Outra coisa que os une são os providenciais amigos na Suprema Corte, muitos deles, inclusive, amigos em comum. Assim, a 'feliz coincidência' facilitaria bastante a vida dos dois, na futura condução delituosa do País, já que não sabem fazer de forma diferente.

Continuando, Lula entende como poucos sobre desemprego e recessão, haja vista o caos que nos deixou sua poste Dilma Rousseff, a eterna estoquista de vento. Bolsonaro, idem, basta vermos os dados atuais da economia. Trabalhando juntos, o estrago seria garantido.

Tem mais: Lula é parceiro de décadas do terrorista e guerrilheiro José Dirceu. Bolsonaro é parceiro de décadas do Queiroz, o carequinha que entupiu a conta da primeira-dama com 90 mil reais em micheques. E ambos são parceiros dos maiores bandidos do centrão.

Caminhamos para a definição dos candidatos à Presidência e, por hora, apenas os dois trastes acima têm chances reais de vitória. Assim, para não termos uma eleição morna e, principalmente, alguma chance de sobrevivência, ambos poderiam mesmo se unir.

Além de fazerem uma bela dupla apocalíptica, de quebra abririam espaço, não para uma terceira, mas para uma segunda via. Até porque, Lula e Bolsonaro, cada um a seu modo, representam mais do mesmo. Hoje, só há uma via: aquela que nos enterra de uma vez.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade