Publicidade

Estado de Minas OPINIÃO SEM MEDO

Kalil isenta ônibus lotados e culpa faxineiras por casos de COVID

Prefeito recorreu à tradicional verborragia para fazer palanque político e anunciar que não tem solução para tudo


19/04/2021 15:33 - atualizado 19/04/2021 16:07

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Bem ao estilo ''cabra-macho'' que lhe é peculiar %u2015 talvez na tentativa de intimidar quem lhe cerca, como fazem alguns bichos quando arreganham os dentes %u2015 o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, em entrevista coletiva nesta segunda-feira (19/4), se rendeu à pressão pela reabertura da cidade, não sem antes desfilar uma série de comentários confusos e truncados, e distribuir culpas e recadinhos dissimulados.


Para não trombar com os empresários do transporte coletivo %u2015 aliás, e a caixa-preta da BhTrans, hein, prefeito? %u2015 Kalil atirou no lombo de faxineiras e diaristas a responsabilidade pela disseminação do coronavírus, e não aos ônibus lotados. Disse que estudos apontam neste sentido. Serão os mesmos estudos que embasaram o fechamento da cidade com índices inferiores aos do presente? Faça-nos o favor.
 
Misturando alhos com bugalhos, o prefeito falou em 2ª guerra mundial, em desembarque na Normandia e nos gatinhos 'raivosos' do Parque Municipal. Falou também dos moradores de rua e coleta de lixo, sempre isentando a si mesmo e a prefeitura de qualquer erro no visível caos urbano em que se encontra Belo Horizonte. Não dá para mover os mendigos nem dá para limpar o xixi nas calçadas, foi o que deu a entender.

Quando perguntado sobre a possibilidade de conversar com o presidente da República, obviamente numa alusão à sua condição de prefeito da capital do segundo estado mais importante da federação, Kalil se mostrou inaceitavelmente humilde, inferior: “se nem o governador de São Paulo consegue, eu é que vou conseguir?”. Bem, se vai ou não dobrar a ignorância do verdugo do Planalto, é uma coisa. Deixar de se impor, é outra.

Como não poderia ser diferente, sobrou também para a imprensa, que ''ó mostra as coisas feias'' Kalil, como todo populista sem grandes recursos intelectuais e verbais, na falta de argumentos para contrapor as críticas, culpa o mensageiro pelas más notícias. Ora, prefeito, a cidade está, sim, emporcalhada, degradada e abandonada à própria sorte. E já vinha assim bem antes da pandemia, inclusive.

Sobre a COVID-19, restou clara a incapacidade de Ciro Gomes, ops!, de Alexandre Kalil assumir que não é possível, ainda que necessário, manter a cidade fechada por mais tempo. Não adianta não morrer de COVID e morrer de fome! Essa maldita doença exige equilíbrio entre restrições e abertura. Ninguém, em sã consciência %u2015  e o prefeito vem se mostrando bastante consciente neste caso %u2015 deseja pilhas de mortos ou de falidos e desempregados.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade